PUBLICIDADE

sa√ļde

Sente dor nas costas? Nem sempre é necessário interromper as atividades físicas

Dados da Organiza√ß√£o Mundial de Sa√ļde (OMS) demonstram que mais de 90% da popula√ß√£o mundial sofre ou sofrer√° de dores na coluna ao longo da vida. Apesar do n√ļmero assustador, apenas 10% dessas dores s√£o consideradas graves.

No entanto, uma das primeiras a√ß√Ķes quando sentimos dor nas costas √© parar com nossas atividades di√°rias, por medo de piora ou incapacita√ß√£o. Existe, contudo, na literatura, forte evid√™ncia que a exposi√ß√£o gradativa do paciente com dor lombar a suas atividades f√≠sicas e ocupacionais, de fato, acelera a recupera√ß√£o. Em contrapartida, nada atesta que o repouso seja ben√©fico.

Em 95% dos casos de dor nas costas, movimentar a coluna é seguro e, consequentemente, manter uma atividade física monitorada não traz risco para o paciente. Não haverá dano em movimentar-se, a não ser nas patologias graves, como fraturas e tumores.

No caso das hérnias de disco, por exemplo, é seguro manter-se ativo, pois há grande chance dela, assim, se resolver espontaneamente.

‚ÄúNo Instituto RV, estimulamos nossos pacientes a se manterem ativos e retornar √†s atividades di√°rias, pois realizamos uma avalia√ß√£o rigorosa e exclu√≠mos as patologias graves que seriam progressivas com a atividade. Atividade f√≠sica e dor nas costas combinam sim, desde que uma boa avalia√ß√£o seja realizada‚ÄĚ, frisa Rodrigo Garcia, diretor cl√≠nico do Instituto RV, ao dizer que um paciente que teve um trauma, por exemplo, e n√£o foi avaliado, n√£o deveria ser estimulado a praticar atividade f√≠sica.

 

Foto: Reprodução

PUBLICIDADE