PUBLICIDADE

corpo & fitness

5 hobbies para transformar sua vida profissional

Com¬≠pet¬≠i¬≠tivi¬≠dade, auto cobran√ßa e stress s√£o ele¬≠men¬≠tos que afe¬≠tam a vida de in√ļmeros profis¬≠sion¬≠ais pelo pa√≠s. Como v√°lvu¬≠la de escape, muitos recor¬≠rem a ativi¬≠dades de laz¬≠er em bus¬≠ca de mais equi¬≠l√≠brio.

Por incr√≠v¬≠el que pare√ßa, al√©m da sen¬≠sa√ß√£o de bem-estar e descom¬≠press√£o, o ‚Äúhob¬≠by‚ÄĚ pode aju¬≠dar a ala¬≠van¬≠car a vida profis¬≠sion¬≠al. ‚ÄúA capaci¬≠dade de con¬≠cen¬≠tra√ß√£o √© uma car¬≠ac¬≠ter√≠s¬≠ti¬≠ca estim¬≠u¬≠la¬≠da pela cor¬≠ri¬≠da, por exem¬≠p¬≠lo, enquan¬≠to a habil¬≠i¬≠dade de estrat√©¬≠gia √© bas¬≠tante refor√ßa¬≠da por jogos de tab¬≠uleiro e videogames‚ÄĚ, diz Simone Dan¬≠siguer, espe¬≠cial¬≠ista em RH da Luan¬≠dre.

Por isso, Simone lis¬≠tou cin¬≠co op√ß√Ķes de hob¬≠by bas¬≠tante pop¬≠u¬≠lares e que podem mel¬≠ho¬≠rar a for¬≠ma como o profis¬≠sion¬≠al lida com o tra¬≠bal¬≠ho e con¬≠si¬≠go mes¬≠mo.

 

1 ‚ÄĒ Cor¬≠ri¬≠da: a sen¬≠sa√ß√£o de que voc√™ est√° sain¬≠do do lugar!

Exer¬≠c√≠¬≠cios f√≠si¬≠cos, em ger¬≠al, s√£o grandes ali¬≠a¬≠dos da sa√ļde. Uma pesquisa desen¬≠volvi¬≠da pela Acad¬≠e¬≠mia Amer¬≠i¬≠cana de Neu¬≠rop¬≠si¬≠colo¬≠gia Cl√≠ni¬≠ca desco¬≠briu que o exer¬≠c√≠¬≠cio aer√≥bi¬≠co inten¬≠so √© a √ļni¬≠ca ativi¬≠dade que pode estim¬≠u¬≠lar o nasci¬≠men¬≠to de novos neur√īnios, que se acred¬≠i¬≠ta¬≠va n√£o serem mais pro¬≠duzi¬≠dos depois da idade adul¬≠ta.

 

A cor¬≠ri¬≠da, em espe¬≠cial, tornou-se uma das ativi¬≠dades mais pop¬≠u¬≠lares, com novos adep¬≠tos surgin¬≠do a cada dia. Por ter dura√ß√£o m√©dia/longa e inten¬≠si¬≠dade mod¬≠er¬≠a¬≠da a forte, exige muito foco, con¬≠cen¬≠tra√ß√£o e dis¬≠ci¬≠plina. ‚ÄúA cor¬≠ri¬≠da reduz o stress e deixa as pes¬≠soas mais aptas a lidar com algu¬≠mas situ¬≠a√ß√Ķes cor¬≠riqueiras de for¬≠ma mais suave‚ÄĚ, anal¬≠isa Simone.

 

2 ‚ÄĒ M√ļsi¬≠ca: d√™ um play na sua vida e na car¬≠reira tam¬≠b√©m!

N√£o impor¬≠ta o rit¬≠mo, a m√ļsi¬≠ca √© uma das mel¬≠hores ter¬≠apias. Den¬≠tre seus diver¬≠sos bene¬≠f√≠¬≠cios est√° a lib¬≠er¬≠a√ß√£o de dopam¬≠i¬≠na, que aumen¬≠ta o esta¬≠do de praz¬≠er, sendo um exce¬≠lente agente moti¬≠va¬≠cional.

 

O British Jour¬≠nal of Surgery inves¬≠tigou os bene¬≠f√≠¬≠cios ger¬≠a¬≠dos por ela em proces¬≠sos cir√ļr¬≠gi¬≠cos. Pesquisadores anal¬≠is¬≠aram mais de 80 can√ß√Ķes aleat√≥rias antes, durante e depois de cirur¬≠gias inva¬≠si¬≠vas, e perce¬≠ber¬≠am que os pacientes que as ouvi¬≠am tin¬≠ham seus n√≠veis de dor e ansiedade ameniza¬≠dos.

 

3 ‚ÄĒ Cin¬≠e¬≠ma: E o Oscar de mel¬≠hor hob¬≠by para o desen¬≠volvi¬≠men¬≠to vai para‚Ķ

Assi­s­tir filmes é uma óti­ma opção para quem bus­ca bem-estar, relax­am­en­to e moti­vação. Além de estim­u­la­rem a capaci­dade reflex­i­va, analíti­ca e de inter­pre­tação, atrib­u­tos muito val­oriza­dos em profis­sion­ais de alta per­for­mance, são um óti­mo estí­mu­lo int­elec­tu­al, já que agem como uma espé­cie de hip­nose para o cére­bro.

 

H√°, inclu¬≠sive, uma ter¬≠apia que se uti¬≠liza de filmes para mel¬≠ho¬≠rar o esta¬≠do men¬≠tal de pacientes. Um dos pre¬≠cur¬≠sores √© o psic√≥l¬≠o¬≠go norte-amer¬≠i¬≠cano Gary Solomon, autor do livro ‚ÄúThe Motion Pic¬≠ture Pre¬≠scrip¬≠tion‚ÄĚ, que obser¬≠vou que ao a um filme que se encaixe em sua prob¬≠lem√°ti¬≠ca pes¬≠soal, o paciente encon¬≠tra um jeito novo de apren¬≠der com sua situ¬≠a√ß√£o atu¬≠al e encon¬≠tra recur¬≠sos em si para um desen¬≠ro¬≠lar pos¬≠i¬≠ti¬≠vo.

 

4 ‚ÄĒ Ler: sei que nada sei, por isso leio!

‚ÄúVia¬≠jar den¬≠tro de uma hist√≥ria‚ÄĚ, al√©m de ser um √≥ti¬≠mo pas¬≠satem¬≠po, estim¬≠u¬≠la a cria¬≠tivi¬≠dade e a capaci¬≠dade imag¬≠i¬≠na¬≠ti¬≠va e amplia o repert√≥rio cul¬≠tur¬≠al. ‚ÄúProfis¬≠sion¬≠al¬≠mente √© um dos hob¬≠bies mais colab¬≠o¬≠ra¬≠tivos, pois mel¬≠ho¬≠ra a orat√≥ria, a express√£o e a escri¬≠ta, pos¬≠si¬≠bili¬≠ta um maior vocab¬≠ul√°rio e desen¬≠volve o sen¬≠so cr√≠ti¬≠co e a elo¬≠qu√™n¬≠cia‚ÄĚ, expli¬≠ca a espe¬≠cial¬≠ista.

 

Um estu¬≠do brit√Ęni¬≠co, lid¬≠er¬≠a¬≠do pelo Dr Robert Wil¬≠son, com¬≠pro¬≠va que a redu√ß√£o do fun¬≠ciona¬≠men¬≠to do c√©re¬≠bro na vel¬≠hice pode ser reduzi¬≠da em cer¬≠ca de 30% se a pes¬≠soa man¬≠tiv¬≠er h√°bitos de leitu¬≠ra, al√©m de pro¬≠te¬≠ger con¬≠tra doen√ßas como o Mal de Alzheimer.

 

5 ‚ÄĒ Jogos: hora de pas¬≠sar para a pr√≥x¬≠i¬≠ma fase no desen¬≠volvi¬≠men¬≠to!

Jogos (eletr√īni¬≠cos ou n√£o) ofer¬≠e¬≠cem in√ļmeros bene¬≠f√≠¬≠cios para a vida profis¬≠sion¬≠al, prin¬≠ci¬≠pal¬≠mente pela capaci¬≠dade de estim¬≠u¬≠lo cog¬≠ni¬≠ti¬≠vo que pos¬≠suem. Ape¬≠sar de serem, pri¬≠or¬≠i¬≠tari¬≠a¬≠mente, fonte de entreten¬≠i¬≠men¬≠to, bene¬≠f√≠¬≠cios como racioc√≠nio l√≥gi¬≠co, capaci¬≠dade de lidar com adver¬≠si¬≠dades, tomadas de decis√Ķes, com¬≠pet¬≠i¬≠tivi¬≠dade, foco e con¬≠cen¬≠tra√ß√£o est√£o tam¬≠b√©m lig¬≠a¬≠dos ao mun¬≠do dos games. ‚ÄúEm algu¬≠mas empre¬≠sas, inclu¬≠sive, exis¬≠tem √°reas de descom¬≠press√£o com jogos √† dis¬≠posi√ß√£o dos colab¬≠o¬≠radores. √Č pos¬≠s√≠v¬≠el usar o recur¬≠so da ludi¬≠ci¬≠dade tam¬≠b√©m em treina¬≠men¬≠tos e capac¬≠i¬≠ta√ß√Ķes‚ÄĚ, comen¬≠ta Simone.

Uma pesquisa desen­volvi­da pela Uni­ver­si­dade de Gene­bra, na Suíça demon­strou que jogos de ação têm impacto pos­i­ti­vo na visão (com jogadores detectan­do peque­nas difer­enças nos tons de cin­za), atenção (por maior desem­pen­ho na tare­fa de encon­trar mais de um obje­to em movi­men­to) e em con­tex­tos mul­titare­fa.

PUBLICIDADE