PUBLICIDADE

política

Pedido para o Bolsa Atleta ser√° exclusivamente por sistema digital

A solicita√ß√£o para o Bolsa Atleta ser√° feita exclusivamente por sistema digital. De acordo com um edital publicado nesta quinta-feira (21), os candidatos n√£o precisar√£o mais enviar documentos pelos Correios. Candidatos poder√£o realizar a inscri√ß√£o a partir do dia 26 de janeiro e enviar documentos como declara√ß√Ķes de clube e de patrocinadores direto pelo sistema.¬†

O novo modelo foi criado para facilitar as inscri√ß√Ķes e o acompanhamento dos processos de an√°lise e concess√£o do benef√≠cio. √Č nele tamb√©m que o candidato √† bolsa dever√° preencher o plano esportivo, acompanhar o andamento da an√°lise da inscri√ß√£o e verificar a exist√™ncia de pend√™ncias. O per√≠odo de inscri√ß√Ķes segue at√© 15 de fevereiro.¬†Confira a √≠ntegra do edital.

O atleta poder√°, por meio do sistema, enviar os dados banc√°rios e assinar o termo de ades√£o.¬† A previs√£o or√ßament√°ria para o Bolsa Atleta em 2021 √© de R$ 145 milh√Ķes, a maior desde 2014, e superior, inclusive, ao investimento no programa em 2016, ano dos Jogos Ol√≠mpicos e Paral√≠mpicos do Rio de Janeiro, que foi de R$ 143 milh√Ķes.

Podem solicitar a bolsa atletas a partir dos 14 anos de idade. O benefício é dividido em cinco categorias: atleta de base (R$ 370), atleta estudantil (R$ 370), atleta nacional (R$ 925), atleta internacional (R$ 1.850) e atleta olímpico/paraolímpico (R$ 3.100).

A expectativa do governo √© que, este ano, o programa supere os n√ļmeros do √ļltimo edital, que contemplou 6.357 atletas de modalidades ol√≠mpicas e paral√≠mpicas.

O edital deste ano contempla, pela primeira vez, resultados esportivos de dois anos (2019 e 2020), uma estrat√©gia para que os atletas n√£o sejam prejudicados pelos efeitos da pandemia da covid-19. Segundo o Minist√©rio da Cidadania, a medida foi tomada para evitar a diminui√ß√£o dos bolsistas, j√° que em 2019, a temporada teve cerca de 900 competi√ß√Ķes eleg√≠veis √† Bolsa Atleta. Em 2020, o n√ļmero caiu para 61.

Balanço

Criado em 2005, o Bolsa Atleta é um dos maiores programas de patrocínio direto ao atleta do mundo, segundo o Ministério da Cidadania. Desde a criação, já foram concedidas mais de 69,5 mil bolsas para 27 mil atletas de todo o país. O valor destinado pelo programa desde sua implantação supera R$ 1,2 bilhão.

Nas Olimpíadas Rio 2016, 77% dos 465 atletas brasileiros eram bolsistas. Das 19 medalhas conquistadas pelos brasileiros, apenas o ouro do futebol masculino não contou com bolsistas.

Já nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, o Brasil teve a maior delegação da história, com 286 atletas, sendo 90,9% bolsistas. Foram 72 medalhas conquistadas, em 13 esportes diferentes: 14 ouros, 29 pratas e 29 bronzes, além de 99 finais disputadas. Todas as medalhas foram conquistadas por atletas que recebiam o benefício.

Nos Jogos Pan-Americanos e Parapan-Americanos de Lima 2019, no Peru, o maior evento multiesportivo antes dos Jogos Olímpicos no Japão, também teve resultados positivos para os atletas brasileiros.

Dos 485 atletas originalmente inscritos pelo Comitê Olímpico do Brasil para o Pan de Lima, 333 eram bolsistas. Do total de pódios conquistados, 141 vieram com atletas beneficiados pelo programa.

No Parapan, o Brasil chegou ao topo do quadro de medalhas com 308 pódios. Foram 124 medalhas de ouro, 99 de prata e 85 de bronze. Do total de medalhas, 287 (93,18%) foram conquistadas por atletas contemplados pelo Bolsa Atleta.

Edição: Fernando Fraga

PUBLICIDADE