PUBLICIDADE

Legislação

Falsificadores de certificados de vacinação são presos na Alemanha

A polícia alemã anunciou que deteve duas pessoas, em Munique, que fraudavam códigos QR para passaportes digitais de vacinação contra a covid-19 e os vendiam na internet.

Uma delas √© funcion√°rio de uma farm√°cia na Baviera e utilizava a pr√≥pria estrutura do estabelecimento para gerar c√≥digos QR que comprovavam a imuniza√ß√£o de pessoas que nunca receberam a vacina. A outra pessoa detida era c√ļmplice.

Entrada em vários estabelecimentos na Alemanha só é permitida com passaporte digital de vacinação pu comprovação de teste negativo© ROBIN UTRECHT/dpa/picture alliance Entrada em vários estabelecimentos na Alemanha só é permitida com passaporte digital de vacinação pu comprovação de teste negativo

Na Alemanha, as farm√°cias podem emitir os certificados de vacina√ß√£o contra o coronav√≠rus. No pa√≠s, a entrada em v√°rios locais, como restaurantes e eventos culturais e esportivos, s√≥ √© permitida com a comprova√ß√£o de vacina√ß√£o ou recupera√ß√£o da doen√ßa ou mediante a apresenta√ß√£o de testes negativos de coronav√≠rus ‚Äď que agora n√£o s√£o mais gratuitos.

As duas pessoas foram presas na sexta-feira, em uma operação em que também encontrou dinheiro e criptomoedas no valor de quase 100.000 euros.

Certificado falso custava 350 euros

Os fraudadores ofereciam, desde meados de agosto, os c√≥digos falsos em um f√≥rum de crimes cibern√©ticos na Internet, conforme anunciou o Escrit√≥rio Central de Combate √† Fraude e Corrup√ß√£o no Sistema de Sa√ļde (ZKG, na sigla em alem√£o) da Baviera.

Para obter um certificado de vacinação falso, era preciso desembolsar cerca de 350 euros. Só em outubro, a polícia estima que os falsificadores tenham emitido mais de 500 certificados de vacinação.

“Depende de voc√™ se deseja ser vacinado contra o coronav√≠rus. Mas se voc√™ decidir contra a vacina√ß√£o, tem que mant√™-la”, enfatizou o secret√°rio do Interior da Baviera, Joachim Herrmann.

“Essas pessoas colocam em jogo a vida de outras devido aos incalcul√°veis riscos de infec√ß√£o. Tem que enfrentar grandes penalidades na Justi√ßa”, acrescentou.

Ainda não foi possível identificar os compradores e não está claro se os certificados de vacinação falsificados poderão ser excluídos ou invalidados.

Problema longe do fim

As pris√Ķes s√£o vistas como extremamente importantes pela pol√≠cia, mas dificilmente resolver√£o o problema, j√° que as autoridades da Baviera v√™m registrando cada vez mais fraudes.

“Presumimos que cada vez mais cart√Ķes de vacina√ß√£o falsificados est√£o em circula√ß√£o”, disse Herrmann.

Em outubro, a polícia bávara registrou 440 casos relacionados à falsificação de passaportes de vacinação, certificados de imunização ou rótulos de vacinas. No início de setembro, eram apenas 110 casos.

Na sexta-feira, após uma conferência, governadores pediram ao governo federal que examine o mais brevemente possível como esse tipo de falsificação pode ser punida de forma consistente e apropriada.

Europa fecha cerco a n√£o vacinados

Com √≠ndices de vacina√ß√£o quase estagnados, muitos pa√≠ses da Europa est√£o cada vez mais fechando o cerco aos n√£o vacinados. A √Āustria anunciou na sexta-feira que, se a ocupa√ß√£o de leitos de UTI atingir n√≠vel cr√≠tico,¬†vai exigir lockdown aos n√£o vacinados.

A prefeitura de Mosco j√° proibiu que maiores e 60 anos n√£o vacinados saiam de casa.

Na It√°lia, desde 15 de outubro, todos os trabalhadores (cerca de 23 milh√Ķes de pessoas)¬†precisam apresentar um passe sanit√°rio¬†para acessar os locais de trabalho. Os trabalhadores devem comprovar que se vacinaram contra a covid-19, se recuperaram da doen√ßa ou apresentar testes negativos, que s√£o gratuitos apenas para quem n√£o pode se imunizar por motivos de sa√ļde.

Quem não apresentar o documento e precisar se ausentar devido à doença não receberá pagamento nos dias em que estiver afastado.

PUBLICIDADE