PUBLICIDADE

crédito

Recursos para financiamento de veículos devem crescer 12,8% em 2019

 - REVISTA MAISJR

Os recur¬≠sos lib¬≠er¬≠a¬≠dos para o finan¬≠cia¬≠men¬≠to de ve√≠cu¬≠los devem crescer 12,8% em 2019, total¬≠izan¬≠do R$ 141,5 bil¬≠h√Ķes.  A pro¬≠je√ß√£o otimista √© da Asso¬≠ci¬≠a√ß√£o Nacional das Empre¬≠sas Finan¬≠ceiras das Mon¬≠ta¬≠do¬≠ras (ANEF), que comem¬≠o¬≠ra os resul¬≠ta¬≠dos obti¬≠dos em 2018, quan¬≠do o os val¬≠ores totalizaram R$ 125,4 bil¬≠h√Ķes em 2108, uma alta de 24,1% em rela√ß√£o a 2017, que somou R$ 101 bil¬≠h√Ķes.

Na avali¬≠a√ß√£o do pres¬≠i¬≠dente da ANEF, Luiz Mon¬≠tene¬≠gro, a ala¬≠van¬≠ca¬≠da dos recur¬≠sos demon¬≠stra que os ban¬≠cos de mon¬≠ta¬≠do¬≠ras e insti¬≠tu¬≠i√ß√Ķes inde¬≠pen¬≠dentes pos¬≠suem liq¬≠uidez para aten¬≠der as deman¬≠das do con¬≠sum¬≠i¬≠dor final e ofer¬≠e¬≠cer cr√©di¬≠to.

‚ÄúAp√≥s um per√≠o¬≠do de recess√£o, o finan¬≠cia¬≠men¬≠to vol¬≠ta a crescer e ser uma pos¬≠si¬≠bil¬≠i¬≠dade para quem quer com¬≠prar um ve√≠cu¬≠lo. Com a que¬≠da nas taxas de juros e out¬≠ros fatores econ√īmi¬≠cos favor√°veis, con¬≠seguimos garan¬≠tir uma pre¬≠vis¬≠i¬≠bil¬≠i¬≠dade que gera mais con¬≠fi¬≠an√ßa no con¬≠sum¬≠i¬≠dor, que voltou a inve¬≠stir nova¬≠mente na com¬≠pra de bens com val¬≠or agre¬≠ga¬≠do mais ele¬≠va¬≠do‚ÄĚ, avalia.

CDC

De acor¬≠do com dados da ANEF, o cresci¬≠men¬≠to con¬≠t√≠n¬≠uo da procu¬≠ra por cr√©di¬≠to refletiu no aumen¬≠to do sal¬≠do das carteiras em 2018. O total foi de R$ 201,6 bil¬≠h√Ķes, alta de 18,1% com¬≠para¬≠n¬≠do com 2017, que foi de R$ 170,7 bil¬≠h√Ķes. As oper¬≠a√ß√Ķes de Cr√©di¬≠to Dire¬≠to ao Con¬≠sum¬≠i¬≠dor (CDC) aumen¬≠taram 18,7%, total¬≠izan¬≠do  R$ 198,2 bil¬≠h√Ķes, enquan¬≠to as oper¬≠a√ß√Ķes de leas¬≠ing reg¬≠is¬≠traram que¬≠da de 8,1%, fechan¬≠do em R$ 3,4 bil¬≠h√Ķes, con¬≠tra R$ 3,7 bil¬≠h√Ķes do ano ante¬≠ri¬≠or.

O CDC respon­deu por 52% das com­pras de veícu­los final­izadas. Logo em segui­da, veio o paga­men­to à vista, com 43%, segui­do pelo con­sór­cio (4%) e pelo leas­ing (1%). O CDC tam­bém foi a modal­i­dade mais escol­hi­da pelos com­pradores de moto­ci­cle­tas, com 41% do vol­ume de negó­cios. As ven­das por con­sór­cio, que deixaram de ser a preferi­da dos con­sum­i­dores, respon­der­am por 27%, val­or menor do que as com­pras real­izadas à vista, que rep­re­sen­taram 32% Já para os veícu­los pesa­dos, o Finame rep­re­sen­ta 55% dos con­tratos, segui­do pelo CDC (27%), com­pras à vista (10%), con­sór­cio (5%) e leas­ing (3%).

PUBLICIDADE