Em seu relat√≥rio anual a empresa diz que¬†‚Äúse uma nova estrutura de transfer√™ncia de dados transatl√Ęntica n√£o for adotada‚Ä̬†ou n√£o puder¬†‚Äúconfiar em outros meios alternativos de transfer√™ncia de dados da Europa para os EUA‚ÄĚ, a Meta¬†‚Äúprovavelmente‚Ä̬†n√£o poder√° oferecer v√°rios servi√ßos.O documento foi enviado √† Comiss√£o de Valores Mobili√°rios dos EUA. Eis a¬†√≠ntegra, em ingl√™s (2 MB). Os √≥rg√£os reguladores da Europa est√£o elaborando uma nova¬†legisla√ß√£o¬†que deve estabelecer como os dados de usu√°rios da UE ser√£o transferidos para os EUA. A¬†proposta¬†estabelece que os dados sejam processados apenas em servidores europeus.

As transfer√™ncias de informa√ß√Ķes hoje se d√° mediante a acordos firmados entre o bloco e o pa√≠s norte-americano.¬†Big techs¬†contam com contratos individuais para garantir que est√£o seguindo a lei ao enviar os dados.

Segundo a Meta, o processamento de dados na Europa √© fundamental para a manuten√ß√£o dos neg√≥cios no bloco devido √† segmenta√ß√£o de an√ļncios.

‚ÄúJ√° estivemos sujeitos a outros desenvolvimentos legislativos e regulat√≥rios significativos no passado. Legisla√ß√£o e regulamentos propostos ou novos podem afetar significativamente nossos neg√≥cios‚ÄĚ, disse a empresa, dando como exemplo as novas regras estabelecidas pela Regulamenta√ß√£o Geral de Prote√ß√£o de Dados.

Conhecida também como GDPR (sigla em inglês para General Data Protection Regulation), a regulamentação entrou em vigor há cerca de 4 anos, em 25 de maio de 2018.

*Com informa√ß√Ķes Poder 360¬ļ