PUBLICIDADE

política

Presidentes sul-americanos discutir√£o preserva√ß√£o da Amaz√īnia

L√≠deres de pa√≠ses sul-americanos v√£o se reunir no dia 6 de setembro para discutir uma pol√≠tica √ļnica de preserva√ß√£o da Amaz√īnia e de explora√ß√£o sustent√°vel da regi√£o. De acordo com o presidente Jair Bolsonaro, o encontro deve ocorrer¬†em Leticia, cidade colombiana que faz fronteira com o Brasil em Tabatinga, no Amazonas.

Bolsonaro recebeu hoje (28), no Pal√°cio da Alvorada, o presidente do Chile, Sebasti√°n Pi√Īera, para tratar de quest√Ķes ambientais e conversar sobre a participa√ß√£o do chileno, como convidado, na reuni√£o do G7 (grupo dos pa√≠ses mais industrializados do mundo – Alemanha, Canad√°, Estados Unidos, Fran√ßa, It√°lia, Jap√£o e Reino Unido) na segunda-feira (26), em Biarritz, na Fran√ßa.

‚ÄúEu havia solicitado por ele alguns dias antes, assim como outros chefes de Estado, que levasse a palavra do Brasil sobre o momento que est√°vamos vivendo [de queimadas na Amaz√īnia]. E ele, com muita maestria, muito companheirismo, levou nossa posi√ß√£o de forma individual a todos os integrantes do G7. O que n√≥s mais queremos √© restabelecer a verdade sobre o que est√° acontecendo na Amaz√īnia‚ÄĚ, disse Bolsonaro ap√≥s o encontro.

O presidente chileno destacou que a Amaz√īnia compreende quase a metade das florestas tropicais do mundo e captura um quarto do carbono que se emite no mundo, mas afirmou que a soberania dos nove pa√≠ses amaz√īnicos deve ser reconhecida e respeitada. ‚ÄúS√£o eles os principais interessados e respons√°veis em cuidar e proteger as florestas e a biodiversidade. Mas todos os demais pa√≠ses do mundo querem¬†colaborar para poder proteger melhor a Amaz√īnia‚ÄĚ, disse.

o
Bolsonaro e¬† Pi√Īera trataram de quest√Ķes ambientais – Antonio Cruz/Ag√™ncia Brasil

O Chile vai enviar ao Brasil quatro avi√Ķes especializados no combate ao fogo. ‚ÄúE estamos convidando outros pa√≠ses que queiram tamb√©m fazer uma contribui√ß√£o para que Brasil e os demais pa√≠ses amaz√īnicos, quando requererem, possam utilizar a colabora√ß√£o de outros pa√≠ses‚ÄĚ, disse Pi√Īera.

Ajuda internacional

O presidente brasileiro voltou a citar declara√ß√Ķes do presidente franc√™s, Emmanuel Macron, e lamentou a ‚Äúp√©ssima imagem [do Brasil] que foi potencializada pelo senhor Macron‚ÄĚ. ‚ÄúHouve um aproveitamento por parte do presidente Macron, para se capitalizar perante o mundo como aquela pessoa, √ļnica e exclusiva, interessada em defender o meio ambiente. Essa bandeira n√£o √© dele, √© nossa, √© do Chile, √© de muitos pa√≠ses no mundo.‚ÄĚ

Atual presidente do G7, Macron declarou que os inc√™ndios na Amaz√īnia s√£o uma emerg√™ncia global e disse que pode n√£o ratificar o acordo de livre-com√©rcio entre Mercosul e Uni√£o Europeia devido √†s ‚Äúmentiras‚ÄĚ do presidente Bolsonaro quanto ao seu real comprometimento contra as mudan√ßas clim√°ticas e √† preserva√ß√£o ambiental. O presidente franc√™s tamb√©m levantou a possibilidade de construir um novo direito internacional para o meio ambiente e estabelecer um status internacional para a Amaz√īnia.

Os l√≠deres dos pa√≠ses do G7 concordaram em liberar US$ 20 milh√Ķes (cerca de R$ 83 milh√Ķes) para ajudar a conter as queimadas na Amaz√īnia, sendo a maior parte do dinheiro para o envio de aeronaves de combate a inc√™ndios florestais.

Para Sebasti√°n Pi√Īera, esse esfor√ßo de US$ 20 milh√Ķes pode crescer com contribui√ß√Ķes bilaterais de coopera√ß√£o ambiental. ‚ÄúCada pa√≠s sabe qual colabora√ß√£o quer receber e qual n√£o quer receber‚ÄĚ, disse. ‚ÄúSe algum pa√≠s quiser colaborar, respeitando a soberania do Brasil e o Brasil cr√™ que essa ajuda √© √ļtil, muitos pa√≠ses est√£o dispostos a colaborar.”

O presidente Jair Bolsonaro afirmou novamente que as doa√ß√Ķes que o Brasil recebia de pa√≠ses como a Alemanha e Noruega, para projetos de preserva√ß√£o ambiental, eram formas de ‚Äúcomprar a Amaz√īnia √†¬†presta√ß√£o‚ÄĚ e ferir a soberania nacional no controle da regi√£o. ‚ÄúQuando voc√™s olham para o tamanho do Brasil, a oitava economia do mundo, parece que US$ 20 milh√Ķes √© o nosso pre√ßo, o Brasil n√£o tem pre√ßo, US$ 20 milh√Ķes ou US$ 20 trilh√Ķes √© a mesma coisa para n√≥s. Qualquer ajuda, como disse o Pi√Īera, de forma bilateral, podemos aceitar.”

Bolsonaro voltou a condicionar o recebimento dos recursos do G7 a um pedido de desculpas do presidente franc√™s. ‚ÄúSomente ap√≥s ele se retratar do que falou no tocante a minha pessoa, que representa o Brasil como presidente eleito, e bem como ao esp√≠rito patri√≥tico do nosso povo, que n√£o aceita relativizar a soberania da Amaz√īnia, em havendo isso a√≠, sem problema nenhum, voltamos a conversar [sobre as doa√ß√Ķes].”

Nota conjunta

Ap√≥s o encontro no Pal√°cio da Alvorada, o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores divulgou uma declara√ß√£o conjunta em que os presidentes reafirmam seu compromisso de aprofundar a coopera√ß√£o e a coordena√ß√£o entre Brasil e Chile em todas as √°reas e de abrir a integra√ß√£o na Am√©rica do Sul, com base na liberdade pol√≠tica e econ√īmica.

Ambos concordam em buscar formas de coopera√ß√£o bilateral e apoio financeiro internacional para contribuir com a prote√ß√£o das florestas tropicais da Amaz√īnia, que sejam compat√≠veis com as pol√≠ticas nacionais e complementares aos mecanismos multilaterais.

‚ÄúReiteraram o direito ao desenvolvimento sustent√°vel dos pa√≠ses e o direito de cada pa√≠s ao uso racional e sustent√°vel de seus recursos naturais, em harmonia com suas obriga√ß√Ķes ambientais e com as necessidades de seus cidad√£os, incluindo suas popula√ß√Ķes ind√≠genas. Enfatizaram que as quest√Ķes ambientais devem ser abordadas com base em conhecimento e evid√™ncia cient√≠fica‚ÄĚ, diz a nota.

De acordo com o Itamaraty, o presidente Bolsonaro reiterou sua disposi√ß√£o de colaborar com a presid√™ncia chilena no √Ęmbito da Confer√™ncia das Na√ß√Ķes Unidas sobre Mudan√ßas Clim√°ticas de 2019 (COP25), que ser√° ralizada¬†em Santiago, de 2 a 13 de dezembro, para assegurar que os instrumentos de financiamento existentes sejam implementados adequadamente.