PUBLICIDADE

economia

Segundo fontes, Embraer atrai interesse estrangeiro após fracasso com Boeing

Fab¬≠ri¬≠cantes estrangeiros de avi√Ķes est√£o ron¬≠dan¬≠do a Embraer sem¬≠anas ap√≥s a Boe¬≠ing aban¬≠donar os planos para uma com¬≠bi¬≠na√ß√£o hist√≥ri¬≠ca na avi¬≠a√ß√£o com¬≠er¬≠cial, dis¬≠ser¬≠am pes¬≠soas famil¬≠iar¬≠izadas com o assun¬≠to.

O chi¬≠ne¬≠sa COMAC sinal¬≠i¬≠zou inter¬≠esse em coop¬≠er¬≠a√ß√£o com a unidade com¬≠er¬≠cial da ter¬≠ceira maior fab¬≠ri¬≠cante de jatos do mun¬≠do, dis¬≠ser¬≠am duas pes¬≠soas. A Irkut, da R√ļs¬≠sia, tam¬≠b√©m estu¬≠dou o caso, dis¬≠ser¬≠am out¬≠ras duas, ape¬≠sar de a empre¬≠sa negar inter¬≠esse na Embraer.

A √ćndia, out¬≠ra pot√™n¬≠cia aeroe¬≠s¬≠pa¬≠cial em ascen¬≠s√£o foca¬≠da prin¬≠ci¬≠pal¬≠mente na defe¬≠sa, mas com um enorme mer¬≠ca¬≠do civ¬≠il, tam¬≠b√©m sinal¬≠i¬≠zou inter¬≠esse ao estu¬≠dar o assun¬≠to, dis¬≠ser¬≠am fontes.

Isso colo¬≠ca o des¬≠ti¬≠no da Embraer no cen¬≠tro do chama¬≠do grupo de na√ß√Ķes do BRIC, com cada um exibindo seus pal¬≠pites, enquan¬≠to gigantes oci¬≠den¬≠tais Air¬≠bus e Boe¬≠ing se recu¬≠per¬≠am da crise dos coro¬≠n¬≠av√≠rus.

A COMAC e o min¬≠ist√©rio da avi¬≠a√ß√£o civ¬≠il da √ćndia n√£o respon¬≠der¬≠am aos pedi¬≠dos de comen¬≠t√°rios. Uma por¬≠ta-voz da Irkut negou qual¬≠quer inter¬≠esse ou con¬≠ver¬≠sa sobre a Embraer.

A Embraer não comen­tou.

A COMAC e a Irkut estão desen­vol­ven­do aeron­aves para com­pe­tir dire­ta­mente com a Air­bus e a Boe­ing no movi­men­ta­do mer­ca­do de até 150 assen­tos. Os planos da Chi­na são vis­tos como os mais avança­dos.

Um acor­do com a Embraer agre­garia exper­iên­cia em engen­haria e suporte glob­al, mas tam­bém entraria em con­fli­to com jatos region­ais menores e com­er­cial­mente menos bem-suce­di­dos desen­volvi­dos pelos dois país­es.

Uma fonte da ind√ļs¬≠tria rus¬≠sa disse que a con¬≠tro¬≠lado¬≠ra da Irkut, a Ros¬≠tec, est√° se con¬≠cen¬≠tran¬≠do nos pro¬≠gra¬≠mas exis¬≠tentes MS-21 e Super¬≠jet.

Emb¬≠o¬≠ra ten¬≠ha investi¬≠do pesada¬≠mente em pe√ßas e manuten√ß√£o, a √ćndia √© o pre¬≠tendente menos vis√≠v¬≠el no setor aeroe¬≠s¬≠pa¬≠cial com¬≠er¬≠cial, sem out¬≠ro pro¬≠je¬≠to ati¬≠vo de uma aeron¬≠ave de 14 lugares chama¬≠da SARAS.

Mas existe um req¬≠ui¬≠si¬≠to poten¬≠cial para o desen¬≠volvi¬≠men¬≠to de um jato region¬≠al de 80 a 90 lugares ‚Äď uma cat¬≠e¬≠go¬≠ria ocu¬≠pa¬≠da pela Embraer ‚Äď para o pro¬≠je¬≠to UDAN, assi¬≠na¬≠do pelo primeiro-min¬≠istro Naren¬≠dra Modi, para expandir os servi√ßos a√©re¬≠os para peque¬≠nas cidades.

R.K. Tya­gi, ex-pres­i­dente da Hin­dus­tan Aero­nau­tics, estatal, disse que escreveu ao gov­er­no pedin­do que ele se movesse rap­i­da­mente.

‚ÄúQual¬≠quer pa√≠s com ambi√ß√Ķes anal¬≠is¬≠ar√° isso. Sin¬≠to que essa √© uma boa opor¬≠tu¬≠nidade. O pre√ßo (val¬≠u¬≠a¬≠tion) est√° baixo e se con¬≠seguirmos o con¬≠t¬≠role de um pro¬≠gra¬≠ma de aeron¬≠aves mod¬≠er¬≠no e com¬≠pro¬≠va¬≠do, ser√° um grande salto.‚ÄĚ

Fun­cionários do gov­er­no Modi e um grupo de estu­do do gov­er­no estão jun­tan­do uma nota, mas nen­hu­ma rep­re­sen­tação for­mal foi fei­ta no Brasil até ago­ra, disse um fun­cionário ciente dos planos.

Avali­ação

Um alto exec¬≠u¬≠ti¬≠vo da Embraer disse √† Avi¬≠a¬≠tion Week em 1¬ļ de maio que n√£o havia ini¬≠ci¬≠a¬≠do con¬≠ver¬≠sa√ß√Ķes com ningu√©m, mas que n√£o podia ‚Äúleg¬≠is¬≠lar para as chamadas de entra¬≠da que pode¬≠ri¬≠am vir‚ÄĚ.

A Embraer disse que con­sid­er­ará os próx­i­mos pas­sos com cuida­do. Uma das prin­ci­pais dores de cabeça é o seu val­or de mer­ca­do, que caiu 64% este ano, abaixo do desem­pen­ho do setor de avi­ação atingi­do pela crise.

A Embraer relu¬≠tar√° em vender muito bara¬≠to em um mer¬≠ca¬≠do deprim¬≠i¬≠do pelo coro¬≠n¬≠av√≠rus, mas suas op√ß√Ķes s√£o lim¬≠i¬≠tadas, emb¬≠o¬≠ra seja o √ļni¬≠co fab¬≠ri¬≠cante em larga escala dispon√≠v¬≠el, disse Richard Aboulafia, anal¬≠ista do Teal Group.

‚ÄúA Embraer √© uma empre¬≠sa com¬≠er¬≠cial fan¬≠t√°s¬≠ti¬≠ca, mas pou¬≠cas pes¬≠soas est√£o ten¬≠tan¬≠do com¬≠prar uma empre¬≠sa com¬≠er¬≠cial‚ÄĚ, disse ele. (Com Reuters)

PUBLICIDADE