PUBLICIDADE

mundo

Por conflito de interesse, Boris Johnson se livra de investiga√ß√£o

O primeiro-min¬≠istro brit√Ęni¬≠co Boris John¬≠son n√£o ser√° alvo de uma inves¬≠ti¬≠ga√ß√£o crim¬≠i¬≠nal ap√≥s ser acu¬≠sa¬≠do de fornecer fun¬≠dos p√ļbli¬≠cos a uma supos¬≠ta empres√°ria amer¬≠i¬≠cana com quem ele esta¬≠va ten¬≠do um caso, anun¬≠ciou a pol√≠¬≠cia.

O caso, que explodiu em setem¬≠bro, desta¬≠cou os la√ßos estre¬≠itos entre o l√≠der con¬≠ser¬≠vador e Jen¬≠nifer Arcuri, uma ex-mod¬≠e¬≠lo que virou empres√°ria de alta tec¬≠nolo¬≠gia que rece¬≠beu numerosos endos¬≠sos p√ļbli¬≠cos enquan¬≠to John¬≠son era prefeito de Lon¬≠dres entre 2008 e 2016.

O primeiro-min­istro sem­pre negou qual­quer irreg­u­lar­i­dade e se recu­sou a esclare­cer se ele teve um caso com a amer­i­cana.

A autori¬≠dade p√ļbli¬≠ca da regi√£o de Lon¬≠dres encam¬≠in¬≠hou o caso √† pol√≠¬≠cia para avaliar se uma inves¬≠ti¬≠ga√ß√£o crim¬≠i¬≠nal dev¬≠e¬≠ria ser aber¬≠ta con¬≠tra o ex-prefeito da cap¬≠i¬≠tal.

Ap√≥s exam¬≠i¬≠nar ‚Äú900 doc¬≠u¬≠men¬≠tos‚ÄĚ e escr¬≠ev¬≠er e‚ÄĎmails por mais de oito anos sobre essas sus¬≠peitas, a pol√≠¬≠cia con¬≠sider¬≠ou desnecess√°rio abrir uma inves¬≠ti¬≠ga√ß√£o desse tipo.

‚ÄúN√£o encon¬≠tramos evid√™n¬≠cias de que John¬≠son ten¬≠ha influ¬≠en¬≠ci¬≠a¬≠do o paga¬≠men¬≠to de fun¬≠dos de patroc√≠nio √† Arcuri ou que ten¬≠ha influ¬≠en¬≠ci¬≠a¬≠do ou desem¬≠pen¬≠hado um papel ati¬≠vo na obten√ß√£o de sua par¬≠tic¬≠i¬≠pa√ß√£o em mis¬≠s√Ķes com¬≠er¬≠ci¬≠ais‚ÄĚ, disse o chefe de pol√≠¬≠cia Michael Lock¬≠wood.

A pol√≠¬≠cia deter¬≠mi¬≠nou que as evid√™n¬≠cias sug¬≠erem que os fun¬≠cion√°rios respon¬≠s√°veis por tomar essas decis√Ķes ‚Äúacred¬≠i¬≠tavam que havia um rela¬≠ciona¬≠men¬≠to pr√≥x¬≠i¬≠mo entre John¬≠son e Arcuri e isso influ¬≠en¬≠ciou suas decis√Ķes‚ÄĚ.

John­son dev­e­ria ter declar­a­do esse rela­ciona­men­to um con­fli­to de inter­ess­es, acred­i­tam os inves­ti­gadores. Mas não faz­er isso não é crime, emb­o­ra pos­sa vio­lar o códi­go de con­du­ta da autori­dade region­al.

A Greater Lon­don Author­i­ty instru­iu seu comitê de super­visão para con­tin­uar inves­ti­gan­do. Uma audi­to­ria do gov­er­no con­cluiu meses atrás que a alo­cação de uma dotação de £ 100.000 de um fun­do do gov­er­no para Arcuri era jus­ti­fi­ca­da.

acc/mb/cc Por: AFP

PUBLICIDADE