PUBLICIDADE

economia

Ministra da Agricultura quer solucionar crise de produtores de arroz

 - REVISTA MAISJR

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) se reuniu com representantes da cadeia produtiva do arroz no Brasil e com dirigentes da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) para discutir uma solução para a crise no setor, agravada pelos problemas provocados pelo excesso de chuvas no Sul do país, que comprometeu parte da safra.

Os empres√°rios se queixam de alto endividamento junto aos bancos, concorr√™ncia desigual com o arroz importado de pa√≠ses vizinhos, pesada carga tribut√°ria e desajustes na pol√≠tica de pre√ßos m√≠nimos.¬†‚ÄúN√£o podemos deixar que um setor t√£o importante fique na situa√ß√£o em que est√°, quase morrendo. Vamos dar um oxig√™nio e resolver as quest√Ķes estruturais de cr√©dito, de tributa√ß√£o, enfim para que o produtor continue produzindo um alimento essencial da cesta b√°sica dos brasileiros‚ÄĚ, reiterou a ministra.

Tereza Cristina anunciou que est√° para ser conclu√≠do um acordo com o governo do M√©xico para exporta√ß√£o de arroz beneficiado para aquele pa√≠s. Em troca, o Brasil importar√° feij√£o mexicano. Al√©m da busca de novos mercados, a ministra deu prazo de 20 dias para representantes dos produtores, das ind√ļstrias de beneficiamento de arroz e dos supermercados proporem medidas para resolver o problema emergencial da safra deste ano e todas as dificuldades estruturais que prejudicam a produ√ß√£o do produto.

Supermercados

Em resposta √† convoca√ß√£o da ministra, o diretor de Rela√ß√Ķes Institucionais da Abras, Alexandre Seabra Resende, disse que o setor de supermercados far√° o que for poss√≠vel para aumentar a venda de arroz. Segundo ele, o consumo do produto, que era de 21 quilos por pessoa em 2017, caiu a 16,4 quilos em abril de 2018, mas voltou a crescer e chegou a 19,5 quilos per capita no in√≠cio deste ano.

Ele informa que os dirigentes de supermercados v√£o aumentar a exposi√ß√£o do produto nas lojas, para fazer com que as vendas subam. A preocupa√ß√£o da ind√ļstria e dos produtores √© que o pre√ßo do produto caia muito durante o per√≠odo de comercializa√ß√£o da safra, inviabilizando toda a cadeia produtiva.

Tereza Cristina reconheceu que o setor chegou no limite, e que, se nada for feito para resolver o problema, muitos produtores talvez tenham de deixar o negócio, o que prejudicaria diretamente a economia de mais de 200 municípios de Rio Grande do Sul e Santa Catarina.