PUBLICIDADE

economia

Decisão do BC de manter selic em 6,5% provém de incertezas políticas, avalia Fecomercio SP

A decis√£o de o Banco Central (BC) manter, mais uma vez, a taxa a Selic em 6,5%, prov√©m do cen√°rio de incertezas pol√≠ticas, na avalia√ß√£o da¬† Federa√ß√£o do Com√©rcio de Bens, Servi√ßos e Turismo do Estado de S√£o Paulo (Fecomercio SP). De acordo com a entidade, o Banco Central ainda n√£o tem condi√ß√Ķes de avaliar com precis√£o quais s√£o os ditames da futura equipe econ√īmica. O √ćndice de Pre√ßos ao Consumidor Amplo (IPCA), agora projetado, se elevou um pouco acima da casa dos 4%, por conta do aumento do pre√ßo de alimentos em junho e julho, e depois pela press√£o cambial mais recente.

A entidade acredita¬† que¬†n√£o haver√° necessidade de retomar¬† o clico de alta de juros, j√° que n√£o h√° ind√≠cios de fortes press√Ķes adicionais. A Federa√ß√£o prev√™ que¬†a taxa de juros real deste ano, combinada com a expectativa de infla√ß√£o (IPCA), pode fechar pr√≥xima ao patamar de 2% a 2,5%, relativamente baixa para padr√Ķes brasileiros, sem gerar¬†¬†riscos √† meta de infla√ß√£o, por enquanto. Para a Fecomercio SP, o Banco Central pode vir a tomar uma decis√£o mais ousada na √ļltima reuni√£o deste ano se houver clareza clareza do que ser√° feito na pol√≠tica econ√īmica; e se os indicadores de infla√ß√£o voltarem a ceder entre outubro e novembro para que as proje√ß√Ķes para 2018 e 2019 fiquem mais perto de 4% do que de 4,5%.

Diante do fraco desempenho econ√īmico e ainda de incertezas no quadro pol√≠tico/econ√īmico para 2019, a Entidade acredita ser correta a postura cautelosa da autoridade monet√°ria. Recentemente, o c√Ęmbio estava pressionado acima dos R$ 4,00, e mesmo com a defini√ß√£o do novo presidente, que trouxe o d√≥lar para o patamar de R$ 3,70, n√£o h√° certeza de que isso permanecer√° est√°tico enquanto n√£o houver mais detalhes do projeto b√°sico para 2019 em diante.

A Fecomercio SP, espera que o Pa√≠s termine de fazer seu ajuste fiscal o mais r√°pido poss√≠vel, para haver uma queda mais acentuada da taxa, bem como evitar que se repita o ciclo de alta da Selic em 2019.¬† A entidade acredita que novos movimentos para baixo s√≥ vir√£o,¬† se o novo governo estiver¬† comprometido com as reformas estruturais que o pa√≠s precisa, para que venha atingir um n√≠vel de maturidade econ√īmica que o torne seguro e atrativo para investimentos.

PUBLICIDADE