PUBLICIDADE

mundo

Dalai Lama é vacinado contra o coronavírus e incentiva imunização

O l√≠der espiritual tibetano Dalai Lama recebeu sua primeira dose da vacina contra o coronav√≠rus neste s√°bado (6/3). “√Č muito, muito √ļtil, muito bom”, disse ele ao receber a vacina da Oxford-AstraZeneca em uma instala√ß√£o na cidade indiana de Dharamsala, no norte do pa√≠s.

O Dalai Lama, que tem 85 anos, se inscreveu para ser vacinado, disseram autoridades. A √ćndia lan√ßou sua campanha de vacina√ß√£o no dia 16 de janeiro, primeiro aos profissionais de sa√ļde e profissionais na linha de frente.

No entanto, desde 1¬ļ de mar√ßo, o esquema foi estendido a pessoas com mais de 60 anos e √†quelas entre 45 e 59 anos com comorbidades. Ao receber a vacina, o Dalai Lama instou a popula√ß√£o a “tomar esta inje√ß√£o” e disse que as pessoas precisavam ser vacinadas para “prevenir alguns problemas s√©rios”.

O líder do budismo tibetano se inscreveu para ser vacinado© EPA O líder do budismo tibetano se inscreveu para ser vacinado

O diretor m√©dico do distrito de Kangra, em Himachal Pradesh, o m√©dico Gurdarshan Gupta, disse que o Dalai Lama se ofereceu para visitar o centro de vacina√ß√£o “como um homem comum”, segundo a ag√™ncia de not√≠cias Reuters.

“Marcamos a sess√£o pela manh√£, considerando a preocupa√ß√£o com a seguran√ßa”, acrescentou.¬†Em declara√ß√Ķes √† BBC no ano passado, o Dalai Lama disse que a pandemia havia promovido um “sentimento de preocupa√ß√£o, um sentimento de maior compaix√£o”.

O governo indiano pretende cobrir 300 milh√Ķes de “pessoas priorit√°rias” com sua campanha de vacina√ß√£o at√© o final de julho.¬†A ag√™ncia reguladora de medicamentos do pa√≠s autorizou duas vacinas – uma desenvolvida pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford (que tamb√©m √© aplicado no Brasil) e outra pela empresa indiana Bharat Biotech (Covaxin).

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi, 70, foi um dos primeiros a tomar a vacina. Desde o in√≠cio da pandemia, a √ćndia registrou mais de 11 milh√Ķes de casos de coronav√≠rus e mais de 157 mil mortes.

PUBLICIDADE