PUBLICIDADE

brasil

Temer é suspeito de chefiar grupo criminoso na construção de Angra 3

O ex-presidente da Rep√ļblica,¬†Michel Temer, preso ontem (21), no Rio, a pedido da For√ßa-Tarefa da Lava Jato do Rio de Janeiro, deve prestar depoimento, hoje (22), √† Pol√≠cia Federal. Ele √© suspeito de chefiar organiza√ß√£o criminosa na constru√ß√£o da usina nuclear de Angra 3, que¬†teria negociado R$ 1,8 bilh√£o em propina.¬†O advogado de defesa do presidente considerou a pris√£o arbitr√°ria e entrar√° com pedido de habeas corpus.

A pris√£o foi decorrente das investiga√ß√Ķes das Opera√ß√Ķes Radioatividade, Pripyat e Irmandade, um desdobramento da Opera√ß√£o Descontamina√ß√£o. Embasada na dela√ß√£o premiada de Jos√© Antunes Sobrinho, dono da construtora Engevix, a investiga√ß√£o apurou crimes de cartel, corrup√ß√£o ativa e passiva, lavagem de dinheiro e fraudes √† licita√ß√£o, em esquema criminoso para pagamento de propina na contrata√ß√£o de empresas para a constru√ß√£o de Angra 3.

 - REVISTA MAISJR

(Crédito: Marcelo Camargo РAgência Brasil) 

De acordo com o que foi apurado, a empresa contratada  pela estatal Eletronuclear para a execução do serviço, a AF Consult Brasil,   tem  participação da Argeplan, que está ligada a João Baptista Lima Filho (Coronel Lima), homem de confiança do ex-presidente, cuja prisão também foi decretada.  Houve também a subcontratação da empresa Engevix, em razão da empresa não possuir capacidade técnica, nem pessoal para a prestação dos serviços para os quais foi contratada.

Segundo o Minist√©rio P√ļblico Federal do RJ (MPF), o Coronel Lima teria solicitado ao s√≥cio da empresa Engevix pagamento de propina, em benef√≠cio de Michel Temer. A propina teria sido paga no final de 2014 com transfer√™ncias que totalizaram R$ 1.091 milh√£o da empresa Alumi Publicidades para a empresa PDA Projeto e Dire√ß√£o Arquitet√īnica, controlada por Coronel Lima. Para justificar a transfer√™ncias dos valores, conforme foi apurado, teriam sido simulados contratos de presta√ß√£o de servi√ßos da empresa PDA para a empresa Alumi.

As investiga√ß√Ķes apontam que a organiza√ß√£o criminosa¬† envolve¬† v√°rios √≥rg√£os p√ļblicos e mostram que diversas pessoas f√≠sicas e jur√≠dicas foram usadas na rede de lavagem de ativos, continuando a¬† receber e movimentar valores il√≠citos, ¬†inclusive no exterior.

‚ÄúAs apura√ß√Ķes tamb√©m indicaram uma esp√©cie de bra√ßo da organiza√ß√£o, especializado em atos de contraintelig√™ncia, a fim de dificultar as investiga√ß√Ķes, tais como o monitoramento das investiga√ß√Ķes e dos investigadores, a combina√ß√£o de vers√Ķes entre os investigados e, inclusive, seus subordinados, e a produ√ß√£o de documentos forjados para despistar o estado atual das investiga√ß√Ķes‚ÄĚ, informa o MPF RJ.

O Minist√©rio P√ļblico Federal tamb√©m determinou a pris√£o preventiva ¬†de Jo√£o Baptista Lima Filho (Coronel Lima), do ex-ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, de Maria Rita Fratezi, de Carlos Alberto Costa, de Carlos Alberto Costa Filho, Vanderlei de Natale e de Carlos Alberto Montenegro Gallo, e a pris√£o tempor√°ria de Rodrigo Castro Alves Neves e de Carlos Jorge Zimmermann. Foi determinada, ainda, a realiza√ß√£o de busca e apreens√£o nos endere√ßos desses investigados, assim como de Maristela Temer (filha do ex-presidente), de Othon Luiz Pinheiro da Silva, de Ana Cristina da Silva Toniolo e de Nara de Deus Vieira.