PUBLICIDADE

mundo

Por causa do coronavírus, prisão de Dubai recorre às novas tecnologias

Um deten¬≠to √© inter¬≠ro¬≠ga¬≠do por video¬≠con¬≠fer¬≠√™n¬≠cia por um pro¬≠mo¬≠tor, out¬≠ro par¬≠tic¬≠i¬≠pa de uma audi√™n¬≠cia vir¬≠tu¬≠al de seu jul¬≠ga¬≠men¬≠to, e um ter¬≠ceiro fala com um famil¬≠iar por Skype. Estes s√£o alguns dos mod¬≠er¬≠nos m√©to¬≠dos, aos quais uma pris√£o de Dubai, maior cidade dos Emi¬≠ra¬≠dos √Ārabes Unidos, est√° recor¬≠ren¬≠do na pan¬≠demia do novo coro¬≠n¬≠av√≠rus.

Os Emi¬≠ra¬≠dos √Ārabes Unidos reg¬≠is¬≠traram 26.000 casos de novos coro¬≠n¬≠av√≠rus, com 233 mortes. Ap√≥s o in√≠¬≠cio da pan¬≠demia, as vis¬≠i¬≠tas aos deti¬≠dos foram sus¬≠pen¬≠sas nas pris√Ķes, como em Al-Awir, local¬≠iza¬≠do no deser¬≠to, a 35 km do cen¬≠tro de Dubai.

‚ÄúTen¬≠ta¬≠mos impedir qual¬≠quer con¬≠ta¬≠to dire¬≠to com os deti¬≠dos, recor¬≠ren¬≠do forte¬≠mente √† tec¬≠nolo¬≠gia mod¬≠er¬≠na‚ÄĚ, disse Ali AF Shamali, dire¬≠tor-ger¬≠al das insti¬≠tu¬≠i√ß√Ķes cor¬≠recionais de Dubai, √† AFP durante uma visi¬≠ta a Al Awir.

- ‚ÄúUm pun¬≠hado‚ÄĚ de casos -

‚ÄúPodemos ter certeza de que um deten¬≠to n√£o est√° con¬≠t¬≠a¬≠m¬≠i¬≠na¬≠do, mas como sabe¬≠mos que algu√©m de fora n√£o est√°?‚ÄĚ, ques¬≠tiona.

Os pre­sos podem falar com suas famílias por video­con­fer­ên­cia.

Shamali n√£o disse quan¬≠tos pri¬≠sioneiros foram afe¬≠ta¬≠dos pelo coro¬≠n¬≠av√≠rus, mas falou de um ‚Äúpun¬≠hado‚ÄĚ de casos con¬≠t¬≠a¬≠m¬≠i¬≠na¬≠dos e benig¬≠nos que podi¬≠am ser resolvi¬≠dos ‚Äúcom iso¬≠la¬≠men¬≠to e trata¬≠men¬≠to sim¬≠ples‚ÄĚ.

Todos os deti¬≠dos e fun¬≠cion√°rios da pris√£o foram sub¬≠meti¬≠dos a testes ‚Äúsem exce√ß√£o‚ÄĚ, em coor¬≠de¬≠na√ß√£o com as autori¬≠dades de sa√ļde, disse Shamali.

Usar más­cara e luvas é obri­gatório, e algu­mas ofic­i­nas foram fechadas, assim como a acad­e­mia.

‚ÄúQuer¬≠e¬≠mos reduzir os con¬≠tatos e nos¬≠sa prin¬≠ci¬≠pal pre¬≠ocu¬≠pa√ß√£o √© con¬≠tin¬≠uar ofer¬≠e¬≠cen¬≠do a mes¬≠ma qual¬≠i¬≠dade de servi√ßo‚ÄĚ, disse √† AFP Badr Sul¬≠tan, m√©di¬≠co da pris√£o, acres¬≠cen¬≠tan¬≠do que as con¬≠sul¬≠tas m√©di¬≠cas s√£o feitas ago¬≠ra por video¬≠con¬≠fer¬≠√™n¬≠cia.

- Lib¬≠er¬≠ta√ß√Ķes -

Para con­ter ao máx­i­mo os riscos de con­tá­gio, as autori­dades de Dubai lib­er­taram cen­te­nas de pes­soas pre­sas por pequenos crimes ou inca­pazes de pagar a fiança.

‚ÄúH√° 30 a 35% menos pri¬≠sioneiros‚ÄĚ, declara Shamali, sem dar mais detal¬≠h¬≠es sobre os n√ļmeros. ‚ÄúQuer¬≠e¬≠mos con¬≠tin¬≠uar reduzin¬≠do o n√ļmero de pri¬≠sioneiros, lib¬≠er¬≠tan¬≠do aque¬≠les que come¬≠ter¬≠am crimes menores e man¬≠ten¬≠do ape¬≠nas aque¬≠les que s√£o acu¬≠sa¬≠dos de crimes graves‚ÄĚ, diz.

Às vezes, as medi­das tomadas para deter a pan­demia têm sido difí­ceis de serem aceitas pelos deti­dos, já que muitos pas­savam em ativi­dades cole­ti­vas, por exem­p­lo, em ofic­i­nas.

Na prisão de Al Awir, sete pre­sos estavam tra­bal­han­do para faz­er uma répli­ca de papelão da Grande Mesqui­ta Sheikh Zayed, em Abu Dhabi, que já havia sido par­cial­mente con­struí­da. Mas o pro­je­to foi sus­pen­so dev­i­do à lib­er­tação de alguns dess­es deti­dos.

‚ÄúA real¬≠iza¬≠√ß√£o da r√©pli¬≠ca est√° para¬≠da‚ÄĚ lamen¬≠ta um deti¬≠do, que per¬≠manece pre¬≠so e que espera que o tra¬≠bal¬≠ho pos¬≠sa ser inscrito no Guin¬≠ness Book of Records.

mah/mh/vl/me/es/cc Por: AFP

PUBLICIDADE