PUBLICIDADE

economia

Inadimplência atinge mínima histórica em setembro, aponta Banco Central

O Banco Central informou nesta sexta-feira (26) que setembro registrou a menor taxa de inadimpl√™ncia nas opera√ß√Ķes com recursos livres desde mar√ßo de 2011, quando come√ßou a s√©rie hist√≥rica medida pela institui√ß√£o.

Em setembro a taxa geral média inadimplência de pessoas físicas e jurídicas (sem contar habitacional, BNDES e rural) chegou a 4,1%. Em agosto, era de 4,2%. E, no fim de 2017, era de 4,9%.

No caso da taxa de inadimplência das pessoas físicas, a taxa passou de 5%, em agosto, para 4,9% em setembro deste ano Рtambém o menor valor da série histórica da instituição.

No caso das empresas, por sua vez, a taxa de inadimplência passou de 3,3% para 3,1% (menor patamar da série), nesta comparação (na parcial do ano, caiu 1,4 ponto percentual).

Segundo o chefe-adjunto do Departamento de Estatísticas do BC, Renalto Baldini, o crescimento da economia, que voltou a ter expansão em 2017, após dois anos de recessão, e o processo de renegociação das dívidas com os bancos possibilitaram a queda da inadimplência.

“Houve um periodo de crescimento da inadimpl√™ncia nos √ļltimos anos, acompanhado de um cen√°rio mais complicado na conjuntura econ√īmica [recess√£o]. Mas depois houve um processo intenso de renegocia√ß√Ķes. V√°rias formas foram buscadas para solu√ß√£o disso. Esse processo se consolidou”, avaliou Baldini.

De acordo com o representante do BC, as renegocia√ß√Ķes das d√≠vidas banc√°rias v√™m ocorrendo, com as pessoas f√≠sicas, desde 2016, mas com as empresas come√ßaram um pouco mais “tardiamente”. “De alguma forma, uma vida nova teve in√≠cio a partir da√≠ e com taxas mais baixas”, concluiu ele.

Fonte: G1

Fotos: Divulgação

PUBLICIDADE