PUBLICIDADE

economia

Ibovespa cai com preocupa√ß√Ķes da segunda onda do coronav√≠rus 

O Iboves¬≠pa tem expres¬≠si¬≠va que¬≠da nes¬≠ta segun¬≠da-feira (15) com os investi¬≠dores no mun¬≠do todo pre¬≠ocu¬≠pa¬≠dos com uma pos¬≠s√≠v¬≠el segun¬≠da onda do coro¬≠n¬≠av√≠rus. Regi√Ķes que flex¬≠i¬≠bi¬≠lizaram o iso¬≠la¬≠men¬≠to social como a √Āsia e os Esta¬≠dos Unidos exper¬≠i¬≠men¬≠tam um cresci¬≠men¬≠to no n√ļmero de casos.

Às 10h10 (horário de Brasília) o Iboves­pa tin­ha que­da de 2,42% a 90.554 pon­tos.

Já o dólar futuro para jul­ho opera em alta de 2,24% a R$ 5,169. O dólar com­er­cial subia 2,47%, a R$ 5,1672 na com­pra e R$ 5,17 na ven­da.

No mer­ca­do de juros futur­os, DI para janeiro de 2022 tem alta de qua­tro pon­tos-base a 3,10%, DI para janeiro de 2023 reg­is­tra gan­hos de seis pon­tos-base a 4,18% e DI para janeiro de 2025 avança nove pon­tos-base a 5,75%.

Entre os indi­cadores nacionais, foi divul­ga­do hoje o Relatório Focus do Ban­co Cen­tral. Segun­do o doc­u­men­to, os econ­o­mis­tas pro­je­tam que o Pro­du­to Inter­no Bru­to (PIB) brasileiro caia 6,51% em 2020, uma pre­visão mais pes­simista que a da sem­ana ante­ri­or, que era de retração de 6,48%. Para 2021, a expec­ta­ti­va se man­teve em um avanço de 3,50%.

J√° para o medi¬≠dor ofi¬≠cial de infla√ß√£o, o √ćndice Nacional de Pre√ßos ao Con¬≠sum¬≠i¬≠dor Amp¬≠lo (IPCA), os econ¬≠o¬≠mis¬≠tas pro¬≠je¬≠tam um cresci¬≠men¬≠to de 1,60% este ano, con¬≠tra 1,53% pro¬≠je¬≠ta¬≠do na sem¬≠ana pas¬≠sa¬≠da. Para 2021, a pre¬≠vis√£o foi de alta de 3,10% para 3%.

A pro¬≠je√ß√£o dos econ¬≠o¬≠mis¬≠tas √© que ao final deste ano, Sel¬≠ic seja de 2,25% ao ano, pro¬≠je√ß√£o igual das √ļlti¬≠mas qua¬≠tro sem¬≠anas. Para a Sel¬≠ic em 2021, os econ¬≠o¬≠mis¬≠tas pre¬≠veem uma taxa de 3%, ante esti¬≠ma¬≠ti¬≠va de 3,50% na sem¬≠ana pas¬≠sa¬≠da.

PUBLICIDADE