PUBLICIDADE

mundo

Hong Kong pro√≠be tr√Ęnsito a√©reo de passageiros de 153 pa√≠ses

O aeroporto de Hong Kong anunciou hoje (14) a proibi√ß√£o do tr√Ęnsito de passageiros de mais de 150 pa√≠ses a partir de domingo (16), para¬†evitar a propaga√ß√£o da covid-19.

A suspens√£o, que afeta pa√≠ses classificados como de “alto risco” pelas autoridades de Hong Kong, vai vigorar durante um m√™s.

A medida amplia lista de países que já eram alvo de suspensão, incluindo agora passageiros procedentes de Portugal , Angola, Moçambique, e Cabo Verde.

O objetivo √©¬†controlar a propaga√ß√£o da variante √Ēmicron, altamente contagiosa, justifica¬†o aeroporto em seu¬†site.

Hong Kong j√° tinha proibido¬†o acesso ao territ√≥rio, desde 8 de Janeiro, de¬†qualquer passageiro que tivesse permanecido mais de duas horas nos √ļltimos 21 dias em oito pa√≠ses – Austr√°lia, Canad√°, Estados Unidos, Fran√ßa, √ćndia, Paquist√£o, Filipinas e Reino Unido.

Visitantes desses países poderão ainda entrar na cidade desde que sejam vacinados e submetidos a quarentena de 21 dias.

Juntamente com a China continental e Macau, Hong Kong √© um dos √ļltimos lugares do mundo a aderir¬†√† estrat√©gia “covid zero”, que consiste em evitar a propaga√ß√£o do coronav√≠rus a todo o custo, e √†¬†pol√≠tica de isolamento dos pacientes e de¬†seus contatos.

A estrat√©gia permitiu √† cidade, de 7,5 milh√Ķes de habitantes, registrar pouco mais de 12 mil¬†casos da doen√ßa e apenas 213 mortes desde o in√≠cio da pandemia.

As autoridades est√£o em alerta desde pequeno surto local da √Ēmicron em restaurante, que desencadeou campanhas maci√ßas de testes, rastreio fren√©tico de casos de contato, fechamento de bares, instala√ß√Ķes desportivas, escolas, cinemas e museus, bem como o encerramento dos servi√ßos de¬†restaurantes a partir das 18h.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no fim de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a √Ēmicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde (OMS), foi registrada¬†na √Āfrica Austral. Desde que as autoridades sanit√°rias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infec√ß√Ķes em pelo menos 110 pa√≠ses,.

PUBLICIDADE