PUBLICIDADE

brasil

Ex-morador de rua presta depoimento à polícia no DF

O ex-morador de rua Givaldo Alves prestou seu primeiro depoimento à Polícia Civil no caso em que é investigado sob suspeita de crime de estupro de vulnerável. Ele se tornou conhecido após ter sido agredido pelo personal trainer Eduardo Alves, que flagrou a mulher, Sandra Mara Fernandes, fazendo sexo dentro de um carro com Givaldo em Planaltina, no Distrito Federal.

Segundo laudo obtido pelo R7, ela estava em surto psicótico. Ele foi recebido na delegacia por uma promotora de Justiça que o informou de uma decisão judicial que o impede de falar o nome de Sandra Fernandes.

A defesa de Givaldo afirmou que o ex-morador de rua tamb√©m est√° na posi√ß√£o de v√≠tima, uma vez que sofreu agress√Ķes do personal trainer. Os advogados dele disseram ainda que, caso as entrevistas concedidas por Sandra tenham exposto pontos sens√≠veis, medidas judiciais cab√≠veis poder√£o ser tomadas.

Sandra Fernandes fala sobre o caso

No √ļltimo dia 27,¬†Sandra Fernandes se manifestou pela primeira vez¬†ap√≥s receber alta do hospital. Nas redes sociais Sandra afirmou que busca ‚Äúna Justi√ßa os seus direitos, pois, segundo ela, nunca faltou ao respeito com ningu√©m, e n√£o merecia ter sido tratada como uma qualquer‚ÄĚ.

Sandra Fernandes falou sobre os ataques que recebeu e revelou que foi diagnosticada com transtorno afetivo bipolar. Afirmou que ouviu coisas que n√£o condiziam com o que ela era e que foi obrigada a se desfazer da loja que tinha por causa dos ataques que vinha recebendo.

Sandra contou ainda que teve acesso √† repercuss√£o do caso apenas depois de sair da cl√≠nica psiqui√°trica onde esteve internada e que tinha contato somente com o marido por videochamada. “Eu n√£o imaginava que minha vida tinha sido t√£o exposta. Achava que era uma pessoa completamente saud√°vel”, desabafou.

A mulher afirma que tem apenas flashes do que aconteceu e que não tinha noção da gravidade da situação. Durante o tratamento, Sandra contou que os funcionários da clínica a trataram muito bem, mas que, apesar de todo o apoio, se sente triste por saber que terá que tomar medicação para o resto da vida.

De morador de rua a subcelebridade

Desde que ficou conhecido, Givaldo vem ostentando uma vida luxuosa nas redes sociais. Durante o Carnaval, ele compareceu ao camarote da Sapucaí e, em outra ocasião, foi flagrado em carro de luxo, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Nas redes sociais do empres√°rio Diego Aguiar, tamb√©m conhecido por citar in√ļmeras vezes o perfil do ex-morador de rua, Givaldo aparece ao lado de celebridades e admiradores.

Antes de ter a conta banida pelo Instagram, o ex-morador de rua já acumulava mais de 400 mil seguidores. Diante do bloqueio do perfil, os advogados de Givaldo afirmaram estar preparando uma ação judicial contra a rede social.

Relembre o caso

Na noite de 9 de março, o personal trainer Eduardo Alves flagrou a esposa fazendo sexo com Givaldo Souza dentro de um carro. O personal espancou o morador de rua por acreditar que a mulher estava sendo vítima de estupro.

A cena foi filmada por c√Ęmeras de seguran√ßa. Diante da gravidade das agress√Ķes, Givaldo foi levado para o Hospital Regional de Planaltina, onde permaneceu por tr√™s dias. Ap√≥s a recupera√ß√£o, ele foi conduzido a um abrigo em Ceil√Ęndia.

Na ocasi√£o, a esposa do personal alegou ter se envolvido na situa√ß√£o ap√≥s sofrer um surto psic√≥tico, segundo o marido. Em seguida, ela foi internada em uma unidade psiqui√°trica p√ļblica no DF, onde permanece at√© a publica√ß√£o desta reportagem.

*Com informa√ß√Ķes do R7