PUBLICIDADE

economia

Economista prevê queda do desemprego com aumento da vacinação

O economista do Instituto Brasileiro de Economia da Funda√ß√£o Getulio Vargas (Ibre/FGV) Rodolpho Tobler avalia que, com o aumento da vacina√ß√£o contra a covid-19, a economia do pa√≠s deve melhorar nos pr√≥ximos meses. E, consequentemente, as taxas de desemprego devem ter alguma recupera√ß√£o j√° no segundo semestre do ano. ‚ÄúMas a recupera√ß√£o mais robusta, mais completa, s√≥ para 2022 e, principalmente, com a amplia√ß√£o da vacina√ß√£o‚ÄĚ, disse.¬†

Tobler analisou que a Pesquisa Nacional por Amostra de Domic√≠lios Cont√≠nua (Pnad Cont√≠nua) para o trimestre m√≥vel de dezembro a fevereiro, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica (IBGE) nesta sexta-feira (30), ficou pr√≥xima do resultado do per√≠odo de novembro a janeiro, que apontou taxa de desocupa√ß√£o no pa√≠s de 14,2%, 3 pontos percentuais acima do verificado em igual trimestre m√≥vel anterior (11,2%). No trimestre m√≥vel dezembro/janeiro/fevereiro, a taxa m√©dia de desemprego no Brasil foi de 14,4%, o que significa que 14,4 milh√Ķes de pessoas est√£o desempregadas no pa√≠s. Esse √© o maior contingente desde o in√≠cio da s√©rie hist√≥rica, em 2012.

Em entrevista √†¬†Ag√™ncia Brasil, Tobler explicou que, naturalmente, o mercado de trabalho sempre reage de maneira mais lenta que a economia. No ano passado, havia a expectativa de que o emprego voltasse a ter algum resultado positivo j√° no primeiro semestre. ‚ÄúMas, com o in√≠cio deste ano muito mais complicado, com dificuldade, essa taxa de desemprego tende a aumentar entre o segundo e o terceiro trimestre e s√≥ vai apresentar alguma melhora, de fato, a partir do quarto trimestre de 2021‚ÄĚ, exp√īs o pesquisador do Ibre.

Tobler observou que o impacto inicial da pandemia de covid-19 foi abrangente e ocorreu em todos os setores, afetando trabalhadores formais, informais e empresas.

Segundo o economista, os setores de servi√ßos prestados √†s fam√≠lias, como alimenta√ß√£o fora de casa, hotelaria e transportes, foram prejudicados. ‚ÄúJ√° h√° uma cautela natural das pessoas pela quest√£o do v√≠rus e, tamb√©m, porque h√° medidas restritivas que afetam o funcionamento dos estabelecimentos, do turismo que foi muito impactado. As pessoas deixam de consumir algum tipo de servi√ßo e trocam para consumo de bens, porque n√£o podem sair de casa.‚ÄĚ

Programa

Para o professor em√©rito do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Jo√£o Luiz Maurity Sab√≥ia, o mercado de trabalho brasileiro segue com dificuldades. No entanto, os problemas aumentaram com a pandemia. ‚ÄúO desemprego est√° bem alto para o padr√£o do Brasil‚ÄĚ, comentou o professor. Maurity Sab√≥ia disse que o Programa Emergencial de Manuten√ß√£o do Emprego e da Renda (BEm), do governo federal, lan√ßado no ano passado, foi importante para¬† manter as pessoas empregadas no setor formal.

‚ÄúSegundo o governo, s√£o 10 milh√Ķes de empregos preservados, que n√£o foram perdidos, porque houve esse programa de incentivar as empresas a manterem seus empregados com redu√ß√£o de carga ou suspens√£o de contrato. Mas o fato concreto √© que o mercado de trabalho est√° com muita dificuldade‚ÄĚ, avaliou.

Sab√≥ia lembrou ainda que existem pessoas que gostariam de trabalhar mas nem procuram emprego porque acham que n√£o v√£o encontrar, al√©m daquelas subocupadas por diversas raz√Ķes. ‚ÄúSe voc√™ somar os desempregados com as pessoas desalentadas e subocupadas, voc√™ tem mais de 30 milh√Ķes de pessoas nessa situa√ß√£o. Voc√™ mais que dobra a taxa de desemprego quando considera essas outras situa√ß√Ķes, que n√£o s√£o tecnicamente consideradas desemprego.‚ÄĚ

A√ß√Ķes do governo

Nos √ļltimos dias, o governo federal anunciou uma s√©rie de medidas voltadas ao mercado de trabalho, com o objetivo de reduzir os impactos da pandemia de covid-19. No dia 27, o presidente Jair Bolsonaro assinou a medida provis√≥ria (MP) que viabiliza a retomada do¬†Programa Emergencial de Manuten√ß√£o do Emprego (BEm), que permite a empresas a realiza√ß√£o de acordos para redu√ß√£o de jornada e sal√°rio de funcion√°rios ou a suspens√£o dos contratos de trabalho. O programa entrou em vigor de forma imediata e ter√° dura√ß√£o inicial de 120 dias.

A redu√ß√£o de sal√°rios ou a suspens√£o dos contratos ser√£o feitas nos mesmos moldes de 2020, segundo o governo. Em todos os casos, fica reconhecida a garantia provis√≥ria no emprego durante o per√≠odo acordado e ap√≥s o restabelecimento da jornada ou encerramento da suspens√£o, por igual per√≠odo. O pagamento do benef√≠cio ao trabalhador se dar√° independentemente do cumprimento de per√≠odo aquisitivo exigido para o seguro-desemprego, do tempo de v√≠nculo empregat√≠cio ou do n√ļmero de sal√°rios recebidos.

No mesmo dia, foi publicada a¬†Medida Provis√≥ria n¬ļ 1.046/2021¬†que estabelece flexibiliza√ß√Ķes tempor√°rias na legisla√ß√£o trabalhista, que poder√£o ser adotadas pelos empregadores por at√© 120 dias. O objetivo do governo √© promover a preserva√ß√£o do emprego, a sustentabilidade do mercado de trabalho e o enfrentamento das consequ√™ncias econ√īmicas decorrentes da pandemia.

A medida permite que o empregador altere o regime de trabalho presencial para o teletrabalho, o trabalho remoto ou outro tipo de trabalho a dist√Ęncia. Ele ainda pode determinar o retorno ao regime de trabalho presencial, independentemente da exist√™ncia de acordos individuais ou coletivos. A altera√ß√£o do regime deve ser comunicada com anteced√™ncia de 48 horas.

No mês de abril, o governo também começou a pagar o auxílio emergencial, que retornou com quatro parcelas de R$ 150 a R$ 375.

Novas medidas

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou na √ļltima semana que o governo vai lan√ßar o¬†programa B√īnus de Inclus√£o Produtiva (BIP)¬†para atender aos trabalhadores informais afetados pela pandemia de covid-19. O programa deve ajudar os 40 milh√Ķes de brasileiros que foram atendidas pelo aux√≠lio emergencial do governo federal.

Guedes informou ainda que o governo deve ainda relançar o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), uma linha de crédito criada para auxiliar financeiramente os pequenos negócios.

Edição: Bruna Saniele

PUBLICIDADE