PUBLICIDADE

economia

Dólar sobe para R$ 5,18 e fecha no maior valor em quatro meses

Em um dia de turbulências domésticas e externas, o dólar aproximou-se de R$ 5,20 e fechou na maior cotação em quatro meses. A bolsa de valores chegou a cair 1,42% durante a manhã, mas recuperou-se ao longo do dia e encerrou com estabilidade.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (20) vendido a R$ 5,186, com alta de R$ 0,42 (+0,81%). Este é o valor mais alto desde 14 de fevereiro, quando a divisa tinha encerrado em R$ 5,21. A moeda chegou a operar estável na maior parte do dia, mas o pessimismo no mercado internacional nas horas finais de negociação empurrou a cotação para cima.

Com o desempenho de hoje, o dólar acumula alta de 9,11% somente em junho. Em 2022, a divisa registra queda de 6,99%.

O dia tamb√©m foi tenso no mercado de a√ß√Ķes. O √≠ndice Ibovespa, da B3, fechou aos 99.853 pontos, com alta de apenas 0,03%. As a√ß√Ķes da Petrobras, as mais negociadas na bolsa brasileira, tiveram a comercializa√ß√£o suspensa duas vezes, ap√≥s a ren√ļncia do presidente da estatal. Os pap√©is, no entanto, recuperaram-se durante o dia.

As a√ß√Ķes ordin√°rias (com direito a voto em assembleia de acionistas) da Petrobras fecharam o dia com alta de 0,87%. Os pap√©is preferenciais (com prioridade na distribui√ß√£o de dividendos) tiveram ganhos de 1,14%. Durante a manh√£, as a√ß√Ķes da petroleira chegaram a cair 3%, logo ap√≥s o an√ļncio da troca de comando da estatal.

Al√©m das turbul√™ncias na Petrobras, o mercado externo tamb√©m enfrentou um dia de oscila√ß√Ķes. O d√≥lar subiu diante das moedas de pa√≠ses emergentes, ainda refletindo o aumento de 0,75 ponto percentual dos juros b√°sicos nos Estados Unidos, decidido na √ļltima quarta-feira (15) pelo Federal Reserve (Banco Central norte-americano). Taxas mais altas em economias avan√ßadas provocam fuga de recursos de pa√≠ses emergentes, como o Brasil.

*Com informa√ß√Ķes da Reuters

Edição: Nádia Franco