PUBLICIDADE

investimentos

Do videogame para o home broker: conheça as histórias de três crianças que investem em Bolsa

Foi assistin¬≠do a v√≠deos de games e jogos de bas¬≠quete no YouTube que Mateus Gus¬≠m√£o, 13 anos, se viu influ¬≠en¬≠ci¬≠a¬≠do por um an√ļn¬≠cio de inves¬≠ti¬≠men¬≠tos. T√≠tu¬≠los atraentes que reme¬≠ti¬≠am a estrat√©¬≠gias com pos¬≠si¬≠bil¬≠i¬≠dade de gan¬≠hos r√°pi¬≠dos chama¬≠ram a aten√ß√£o do meni¬≠no, e des¬≠per¬≠taram seu inter¬≠esse no uni¬≠ver¬≠so finan¬≠ceiro.

‚ÄúPas¬≠sei a pesquis¬≠ar sobre o assun¬≠to e, quan¬≠do come¬≠cei a inve¬≠stir, a enten¬≠der na pr√°ti¬≠ca como a Bol¬≠sa fun¬≠ciona¬≠va e a ver que era pos¬≠s√≠v¬≠el faz¬≠er o que eu via no YouTube, gostei mais ain¬≠da‚ÄĚ, con¬≠ta.

Com um mon¬≠tante poupa¬≠do de pre¬≠sentes de aniver¬≠s√°rio, Gus¬≠m√£o, que √© nat¬≠ur¬≠al de Natal (RN), fez seu primeiro inves¬≠ti¬≠men¬≠to em 2018, aos 11 anos. O ati¬≠vo escol¬≠hi¬≠do foi o fun¬≠do imo¬≠bil¬≠i√°rio Shop¬≠ping ABC Paulista (ABCP11). A avali¬≠a√ß√£o de menor oscila√ß√£o de pre√ßos na com¬≠para¬≠√ß√£o com a√ß√Ķes e o paga¬≠men¬≠to de div¬≠i¬≠den¬≠dos men¬≠sais con¬≠taram a favor da escol¬≠ha.

Mateus Gus­mão (Divul­gação)

O estu¬≠dante, que acom¬≠pan¬≠ha o tra¬≠bal¬≠ho de influ¬≠en¬≠ci¬≠adores do mer¬≠ca¬≠do finan¬≠ceiro, como Pri¬≠mo Rico e Nathalia Arcuri, tam¬≠b√©m assi¬≠na relat√≥rios com recomen¬≠da√ß√Ķes de inves¬≠ti¬≠men¬≠tos.

√Ä medi¬≠da que foi apren¬≠den¬≠do sobre as apli¬≠ca√ß√Ķes finan¬≠ceiras, gan¬≠hou con¬≠fi¬≠an√ßa e par¬≠tiu para a com¬≠pra dire¬≠ta de a√ß√Ķes, classe que hoje rep¬≠re¬≠sen¬≠ta 75% da carteira do investi¬≠dor mir¬≠im. ‚ÄúPre¬≠firo as a√ß√Ķes porque pos¬≠so me tornar s√≥cio de empre¬≠sas que podem crescer‚ÄĚ, diz.

Entre os setores preferi¬≠dos est√£o os de con¬≠sumo n√£o-c√≠cli¬≠co, el√©tri¬≠co e finan¬≠ceiro. Atual¬≠mente, a carteira √© for¬≠ma¬≠da por 11 a√ß√Ķes, um fun¬≠do de √≠ndice (ETF), o IVVB11, que repli¬≠ca o √≠ndice amer¬≠i¬≠cano S&P 500, ‚Äúpara ter uma diver¬≠si¬≠fi¬≠ca√ß√£o geogr√°¬≠fi¬≠ca‚ÄĚ, e 5% em FIIs, con¬≠ta.

Na esco¬≠la, o estu¬≠dante do oita¬≠vo ano que tro¬≠cou o videogame pelo home bro¬≠ker √© tido como ‚Äúlouco‚ÄĚ pelos ami¬≠gos. ‚ÄúOs pro¬≠fes¬≠sores tam¬≠b√©m me acham malu¬≠co‚ÄĚ, diz, emen¬≠dan¬≠do uma risa¬≠da.

No futuro, Gus¬≠m√£o, que tem como inspi¬≠ra√ß√£o Flo¬≠ri¬≠an Bar¬≠tunek, s√≥cio-fun¬≠dador e CIO da Con¬≠stel¬≠la¬≠tion Inves¬≠ti¬≠men¬≠tos, pre¬≠tende tirar a Cer¬≠ti¬≠fi¬≠ca√ß√£o Nacional do Profis¬≠sion¬≠al de Inves¬≠ti¬≠men¬≠to (CNPI) e a Cer¬≠ti¬≠fi¬≠ca√ß√£o de Gestores Anbi¬≠ma (CGA). ‚ÄúQuero empreen¬≠der no mer¬≠ca¬≠do finan¬≠ceiro, seja com uma gesto¬≠ra ou casa de an√°lise.‚ÄĚ

Mateus faz parte das 12.154 cri¬≠an√ßas e ado¬≠les¬≠centes de at√© 15 anos que investem atual¬≠mente na Bol¬≠sa brasileira e respon¬≠dem por um val¬≠or deti¬≠do de R$ 45 mil¬≠h√Ķes, de acor¬≠do com a B3.

Isso porque cor¬≠re¬≠toras j√° per¬≠mitem a aber¬≠tu¬≠ra de con¬≠tas com o CPF da pr√≥pria cri¬≠an√ßa. O adul¬≠to respon¬≠s√°v¬≠el se tor¬≠na o admin¬≠istrador da con¬≠ta at√© a maior¬≠i¬≠dade do investi¬≠dor, per¬≠mitin¬≠do o aces¬≠so a apli¬≠ca√ß√Ķes em a√ß√Ķes, fun¬≠dos e fun¬≠dos imo¬≠bil¬≠i√°rios, por exem¬≠p¬≠lo.

Tam­bém nesse grupo, Felipe Molero, 12 anos, de São Paulo, começou a inve­stir por vol­ta dos dez anos. O moti­vo? Curiosi­dade.

‚ÄúSem¬≠pre usei muito as redes soci¬≠ais, via pes¬≠soas mostran¬≠do din¬≠heiro, man¬≠s√Ķes e car¬≠ros lux¬≠u¬≠osos, e que¬≠ria saber como com¬≠prar tudo‚ÄĚ, diz. Come√ßou, ent√£o, a ler sobre inves¬≠ti¬≠men¬≠tos e a seguir influ¬≠en¬≠ci¬≠adores do mer¬≠ca¬≠do para apren¬≠der mais sobre o assun¬≠to.

Autoin¬≠ti¬≠t¬≠u¬≠la¬≠do ‚ÄúKid Investor‚ÄĚ e com cer¬≠ca de 55 mil seguidores no Insta¬≠gram e 17 mil em seu canal do YouTube, Molero tam¬≠b√©m deu o primeiro pas¬≠so por meio de fun¬≠dos imo¬≠bil¬≠i√°rios, com o FII de shop¬≠ping cen¬≠ters HSI Malls (HSML11), pelo fato de ter ativos pr√≥x¬≠i¬≠mos de sua casa.

A com¬≠pra de a√ß√Ķes come√ßou neste ano, durante a pan¬≠demia, ap√≥s a que¬≠da dos pre√ßos dos pap√©is na Bol¬≠sa. ‚ÄúVi que tin¬≠ham muitas empre¬≠sas descon¬≠tadas, ent√£o aproveit¬≠ei‚ÄĚ, con¬≠ta.

No come√ßo, Molero rece¬≠bia cer¬≠ca de R$ 50 por m√™s dos pais para inve¬≠stir. Hoje, o mon¬≠tante para os inves¬≠ti¬≠men¬≠tos parte de seu canal do YouTube e de proven¬≠tos rece¬≠bidos das apli¬≠ca√ß√Ķes finan¬≠ceiras.

Felipe Molero, con¬≠heci¬≠do como ‚ÄúKid Investor‚ÄĚ (Divul¬≠ga√ß√£o)

Na Bol­sa, o setor preferi­do é o elétri­co, como as com­pan­hias Tae­sa e EDP Brasil, que rep­re­sen­tam, jun­tas, 25% da carteira. O restante do port­fólio é for­ma­do por out­ras 11 empre­sas, três fun­dos imo­bil­iários e um ETF.

Ape­sar de hoje não ter uma parcela alo­ca­da em ren­da fixa, Molero con­ta que está pen­san­do em mon­tar uma reser­va de emergên­cia para quan­do estiv­er mais vel­ho.

Ele lem¬≠bra que no in√≠¬≠cio foi dif√≠¬≠cil con¬≠vencer os pais a deix√°-lo inve¬≠stir. ‚ÄúEles pen¬≠savam que s√≥ quem era rico podia inve¬≠stir e que era coisa para adul¬≠tos. Mas depois que eu mostrei que enten¬≠dia pelo menos o b√°si¬≠co, eles deixaram.‚ÄĚ

Segun¬≠do ele, o obje¬≠ti¬≠vo das apli¬≠ca√ß√Ķes finan¬≠ceiras √© garan¬≠tir a inde¬≠pend√™n¬≠cia finan¬≠ceira, para viv¬≠er de ren¬≠da dos inves¬≠ti¬≠men¬≠tos.

No mer¬≠ca¬≠do, tem como inspi¬≠ra√ß√£o fig¬≠uras como o investi¬≠dor Luis Bar¬≠si, con¬≠sid¬≠er¬≠a¬≠do o ‚Äúrei dos div¬≠i¬≠den¬≠dos‚ÄĚ, e Ray Dalio, gestor e fun¬≠dador da Bridge¬≠wa¬≠ter Asso¬≠ciates, a maior e mais lucra¬≠ti¬≠va gesto¬≠ra de hedge funds do mun¬≠do.

Quan¬≠do crescer, o meni¬≠no quer ter o seu pr√≥prio fun¬≠do de inves¬≠ti¬≠men¬≠tos: ‚ÄúQuero ser o Ray Dalio 2.0‚ÄĚ, brin¬≠ca.

‚ÄúGostaria de ter come√ßado antes‚ÄĚ

O pro¬≠fes¬≠sor de pro¬≠gra¬≠ma√ß√£o Dhyan Car¬≠los come√ßou a aplicar em a√ß√Ķes em 2017. ‚ÄúInves¬≠tia antes, mas de for¬≠ma erra¬≠da, com lotea¬≠men¬≠to e con¬≠s√≥r¬≠cio, porque acha¬≠va que n√£o tin¬≠ha patrim√īnio para inve¬≠stir na Bol¬≠sa‚ÄĚ, con¬≠ta.

Quan¬≠do abriu uma con¬≠ta em cor¬≠re¬≠to¬≠ra, come√ßou a anal¬≠is¬≠ar empre¬≠sas, bus¬≠car infor¬≠ma√ß√Ķes de relat√≥rios, de v√≠deos no YouTube e out¬≠ros sites. ‚ÄúQue¬≠ria ter descober¬≠to mais cedo como √© sim¬≠ples‚ÄĚ, con¬≠ta Car¬≠los, que mora em Gurupi, no Tocan¬≠tins.

Por isso, quan­do a fil­ha Gio­vana com­ple­tou sete anos, Car­los não perdeu tem­po e abriu uma con­ta para que ela começasse a inve­stir.

Dhyan Car­los e Gio­vana dos Praz­eres (Divul­gação)

Todos os meses, Gio¬≠vana recebe uma mesa¬≠da entre R$ 200 e R$ 300, com uma parte des¬≠ti¬≠na¬≠da para apli¬≠ca√ß√Ķes finan¬≠ceiras.

No come√ßo, con¬≠ta o pai, a meni¬≠na ficou sem enten¬≠der o moti¬≠vo pelo qual sua mesa¬≠da n√£o chega¬≠va a ela de maneira inte¬≠gral. ‚ÄúCome¬≠cei a explicar, con¬≠tan¬≠do o que eram par¬≠tic¬≠i¬≠pa√ß√Ķes em empre¬≠sas, que seria uma for¬≠ma de inve¬≠stir para o futuro dela.‚ÄĚ

Na mesa de cabe¬≠ceira, destaque para livros no esti¬≠lo ‚ÄúPai Rico, Pai Pobre‚ÄĚ, de Robert Kiyosa¬≠ki e Sharon L. Lechter. Todo m√™s, Car¬≠los sen¬≠ta com a fil¬≠ha para mostrar as a√ß√Ķes que com¬≠prou e anal¬≠is¬≠ar com ela o port¬≠f√≥lio.

‚ÄúSem¬≠pre mostro a evolu√ß√£o pat¬≠ri¬≠mo¬≠ni¬≠al, n√£o a rentabil¬≠i¬≠dade. Acho que √© mais impor¬≠tante pen¬≠sar em ter um patrim√īnio que aumente durante os anos pra que ela pos¬≠sa viv¬≠er de ren¬≠da‚ÄĚ.

Atual¬≠mente, a carteira de Gio¬≠vana √© for¬≠ma¬≠da por nove a√ß√Ķes e tr√™s fun¬≠dos imo¬≠bil¬≠i√°rios, e √© dos div¬≠i¬≠den¬≠dos que ela mais gos¬≠ta, porque pingam fre¬≠quente¬≠mente na carteira. Com os inves¬≠ti¬≠men¬≠tos, o obje¬≠ti¬≠vo √© custear, no futuro, o son¬≠ho de estu¬≠dar fora do pa√≠s.

‚ÄúInve¬≠stir n√£o √© f√°cil. Voc√™ come√ßa de baixo e n√£o pode desi¬≠s¬≠tir, ou ent√£o n√£o vai con¬≠seguir realizar o seu son¬≠ho‚ÄĚ, aler¬≠ta a peque¬≠na investi¬≠do¬≠ra.

Com a fam√≠lia ao tele¬≠fone com o InfoMoney, a fil¬≠ha mais nova de Car¬≠los, Claris¬≠sa, de seis anos, escu¬≠ta¬≠va impa¬≠ciente. Quan¬≠do rece¬≠beu o celu¬≠lar, n√£o pode deixar de par¬≠tic¬≠i¬≠par. ‚ÄúEu tam¬≠b√©m ten¬≠ho um cofrin¬≠ho. Colo¬≠co moed¬≠in¬≠has para quan¬≠do eu crescer, poder inve¬≠stir‚ÄĚ, con¬≠tou a futu¬≠ra investi¬≠do¬≠ra.

PUBLICIDADE