PUBLICIDADE

Gestão

Airbnb: quem é o engenheiro bilionário que lida com os maiores desafios da plataforma

Na primavera de 2020, Nate Blecharczyk, cofundador e chefe de estratégia da gigante do compartilhamento de casas Airbnb, andava na corda bamba. A pandemia de Covid-19 abalou a empresa, uma das companhias privadas de crescimento mais rápido e mais valiosas do mundo. Do dia para a noite, milhões de clientes cancelaram reservas. Novas reservas desapareceram. A receita do Airbnb caiu cerca de 80%. Para manter as luzes acesas, a empresa levantou US$ 2 bilhões (cerca de R$ 11 bilhões na cotação atual) em fundos de emergência de investidores.

Agora, o cofundador e CEO Brian Chesky queria que Blecharczyk doasse US$ 250 milhões (cerca de R$ 1,4 bilhão) aos anfitriões mais afetados. “Brian é um líder ousado que sempre empurra você para além da sua zona de conforto”, diz Blecharczyk e ri. “Ele queria fazer algo muito substancial para os anfitriões e sentiu que US$ 250 milhões tinham a magnitude certa.”

A magnitude não caiu bem para a equipe financeira do Airbnb, que estava preocupada com imprevistos que pudessem surgir com o estímulo econômico de Chesky. Então, mais uma vez, Blecharczyk, o cofundador do Airbnb com experiência em tecnologia, teve que transformar a grande ideia de Chesky em um plano viável.

Distribuir US$ 250 milhões para 4 milhões de anfitriões em potencial foi mais complicado do que parecia. O Airbnb precisava de uma política para distribuir fundos de uma forma equilibrada que não concentrasse o dinheiro entre poucos anfitriões, nem distribuísse tão pouco dinheiro que o gesto não fizesse sentido.

Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
A imagem para os investidores e para o mercado – o Airbnb planejava um IPO – também importava. Afinal, a empresa iria distribuir mais de 10% do dinheiro que acabara de arrecadar. “Como projetar um programa que cuida dos anfitriões e também tem os controles certos, para não ultrapassar nossos limites neste momento de grande incerteza?”, diz Blecharczyk.

Ele mergulhou em dados e em modelos de computador, analisando o número de estadias canceladas, previu os próximos cancelamentos, calculou a quantidade de receita perdida e organizou os anfitriões pelo rigor de suas políticas de cancelamento e tamanho (os pequenos tiveram a preferência).

Com o modelo em mãos, aplicou os US$ 250 milhões em três semanas. Mais de 650.000 anfitriões receberam 25% de sua renda perdida de reserva. “Fui o editor do processo, certificando-me de que não estávamos tomando decisões prematuras e fazendo com que a equipe pensasse maior”, disse Blecharczyk. “Tive de encontrar o equilíbrio entre a ambição de Brian de fazer algo enorme e traduzir isso em um programa específico.”

Blecharczyk é o gerente de construção digital do Airbnb. Seu cargo original era o de chefe de todas as áreas técnicas e, nos últimos 13 anos, ele transformou as ideias ambiciosas de seus cofundadores treinados em escolas de arte em produtos funcionais. O CEO Chesky é o líder exigente que dirige a experiência do cliente, a arrecadação de fundos e a publicidade. O cofundador Joe Gebbia é o artista que dirige o novo estúdio de design do Airbnb, Samara, e sua instituição de caridade, Airbnb.org.

Blecharczyk, que raramente dá entrevistas, se aprofunda em dados e modelos para criar políticas e programas que transformaram o aplicativo de aluguel de sofás para hospedagem em uma locadora de US$ 110 bilhões (cerca de R$ 615 bilhões) e em uma potência em viagens. À medida que a empresa amadurece, ele se ocupa construindo sistemas para aumentar a confiabilidade e a segurança. Seu projeto mais recente, o Portal da Cidade (City Portal em inglês), é uma coleção de ferramentas e painéis de dados destinados a melhorar os relacionamentos frequentemente tensos do Airbnb com os líderes de governos locais.

O trio da liderança do Airbnb valeu a pena. “O trio fundador é importante para a história do Airbnb com seus investidores e funcionários”, disse Kevin Kopelman da empresa de serviços financeiros Cowen. “É claro que eles estão implementando sua visão em tudo o que a empresa faz.” Desde os dias sombrios dos primeiros bloqueios da pandemia, o Airbnb cresceu. Agiu rapidamente para cortar custos (demitiu 25% de seus funcionários em 2020) e redirecionou sua estratégia de empreendimentos pré-pandêmicos, como hotéis e uma companhia aérea.

Para se adaptar ao novo mundo híbrido, o Airbnb adicionou mais flexibilidade às suas reservas e construiu um enorme inventário de propriedades locais longe das cidades mais adequadas para estadias mais longas e trabalho remoto. Em dezembro de 2020, o Airbnb teve uma oferta pública inicial de 112% em seu primeiro dia de negociação e aumentou 13% desde então (o S&P 500 aumentou 27%). O Airbnb tem uma capitalização de mercado de US$ 100 bilhões (cerca de R$ 560 bilhões) – mais do que Marriott, Hilton e Hyatt juntos. Graças ao salto nas ações, Blecharczyk ostenta uma fortuna de US$ 10 bilhões (cerca de R$ 55 bilhões).

Ciência da computação em Harvard
Blecharczyk cresceu no bairro de West Roxbury, em Boston, onde seu pai, engenheiro elétrico, o conectou a computadores desde cedo. Aos 12 anos, Blecharczyk estava cansado da escola quando encontrou um livro de programação e aprendeu scripts simples. Logo devorava manuais de codificação Q-basic de 500 páginas, aprendendo como personalizar jogos de PC como SimCity e Civilization. Aos 14, começou a fazer programas de marketing digital para empresas por US$ 1.000 (cerca de R$ 5.600) cada. No colégio, projetou um programa de software e começou a vender licenças – em cinco anos, o negócio de garagem arrecadaria pouco menos de US$ 1 milhão (cerca de R$ 5,6 milhões).

Na época, Blecharczyk estava se formando em ciência da computação em Harvard. O negócio lhe ensinou duas lições valiosas. Ele poderia ensinar a si mesmo qualquer habilidade tecnológica que quisesse e poderia construir produtos que as pessoas desejassem. “Isso me deu uma enorme confiança e me colocou no caminho do empreendedorismo.”

Depois de Harvard, ele foi para a Opnet, uma empresa de software empresarial de Washington DC, para desenvolver aplicativos baseados em Windows para empresas. Entediado com os projetos e com o ritmo lento, juntou-se a uma empresa de tecnologia educacional em São Francisco.

Blecharczyk conheceu o cofundador Joe Gebbia por meio de uma lista de apartamentos para alugar. Logo juntou-se a Gebbia e Brian Chesky na famosa incubadora Y-Combinator, criando um produto que ajudaria as pessoas a reservar – e confiar em – uma estadia na casa de um estranho. “Como engenheiro, sempre fui bom em pegar algo de alto nível e abstrato e condensá-lo em um programa”, diz Blecharczyk, “Você deve quebrar o problema em pedaços e agir”. Blecharczyk escreveu o código original, construiu modelos financeiros, criou o sistema de pagamento do Airbnb e levou a plataforma ao crescimento nos principais mercados.

O processo analítico de Blecharczyk alimentou o rápido crescimento do mercado do Airbnb. No início, a equipe não tinha certeza se deveria se concentrar no aumento de clientes ou nas listas de residências. Blecharczyk pesquisou dados sobre os principais mercados do Airbnb – Nova York, São Francisco e Los Angeles – em busca de padrões e correlações. Teve dois insights importantes.

As listas impulsionavam a demanda e, quando uma cidade tinha mais de 300 opções de hospedagem, algo acontecia e o mercado crescia por conta própria. “Observando os dados com muito cuidado, redirecionamos o problema. Simplificamos a meta de fazer a empresa crescer em todo o país para apenas obter 300 propriedades nas cidades turísticas mais importantes.” O plano funcionou. O Airbnb surgiu em todas as grandes cidades dos Estados Unidos.

“Eu pergunto quais são os problemas críticos para o sucesso a longo prazo do Airbnb, onde contexto, credibilidade, dados e tecnologia serão cruciais.”

Com o crescimento do Airbnb, Blecharczyk mudou de chefe de engenharia para diretor de estratégia. “Você deve sempre se esforçar para contratar alguém melhor para uma função que vai deixar, especialmente em uma organização em rápido crescimento, onde não há falta de coisas para fazer.”

Isso significou liderar a expansão do Airbnb na China e criar programas para lidar com a confiança, segurança e regulamentos das cidades. Um dos projetos era um sistema para evitar as festas selvagens que há muito tempo causam um problema de reputação no Airbnb. Destruidores de casas, embora raros, atraíram uma quantidade desproporcional de mídia e atenção. Novamente ele se aprofundou nos dados em busca de padrões.

Sua análise revelou que a maioria das festanças foi dada por hóspedes com menos de 25 anos que moravam perto da propriedade e reservaram a casa no último minuto. (O Airbnb se manteve calado sobre outros fatores). O Airbnb criou um algoritmo para bloquear aluguéis de alto risco e estabeleceu uma política que impõe restrições às propriedades que menores de 25 anos podem alugar. Os casos declinaram desde então.

“O Airbnb tem pontuações incrivelmente altas e nossas pesquisas mostram que seus clientes estão muito satisfeitos e felizes”, diz Kopelman da Cowen. “Conforme incidentes surgiam na plataforma, o Airbnb reagiu com novas políticas, funcionários e processos para minimizar a dinâmica negativa na plataforma.”

Blecharczyk desenvolveu recentemente o software para se tornar amigo dos governos locais, cujas políticas de habitação podem fazer ou quebrar os negócios da Airbnb. Desde o seu lançamento, o Airbnb está em desacordo com os políticos sobre segurança, regulamentação, fornecimento de habitação e impostos. Cada conflito criou um problema único para o Airbnb, consumindo tempo, dinheiro e recursos. Como as leis e os líderes mudavam com frequência, o Airbnb se viu jogando um jogo cada vez maior.

Para criar um processo mais uniforme e eficiente, Blecharczyk reuniu líderes de todas as divisões do Airbnb e passou um ano criando um produto digital com recursos que centenas de governos locais mais desejavam. No outono passado, o Airbnb lançou seu painel do Portal da Cidade, mostrando aos municípios todos os anfitriões em sua área, de onde os hóspedes do Airbnb estão viajando, a receita que os anfitriões estão coletando e os dólares que os visitantes trazem para a economia. Existem também ferramentas que permitem às cidades conceder licenças, localizar aluguéis ilegais e linhas diretas para relatar violações.

Hoje, mais de 100 municípios estão no sistema. Blecharczyk diz que o portal era polêmico dentro da empresa e tê-lo administrado mostrou aos jogadores, tanto dentro quanto fora do Airbnb, que era uma prioridade. “Queremos que os governos se sintam capacitados e não frustrados conosco”, diz Blecharczyk. “É importante para o longo prazo. À medida que nos tornamos uma plataforma significativa em todo o mundo, as cidades vão querer esse nível de controle. É apenas uma questão de tempo – melhor ser proativo.”

*Por Forbes

PUBLICIDADE