PUBLICIDADE

política

Secretário de Fazenda admite prorrogação de auxílio, mas no valor de R$ 200

O secret√°rio espe¬≠cial de Fazen¬≠da, Waldery Rodrigues J√ļnior, admi¬≠tiu a pos¬≠si¬≠bil¬≠i¬≠dade de pror¬≠ro¬≠ga√ß√£o do aux√≠lio emer¬≠gen¬≠cial, pago a tra¬≠bal¬≠hadores infor¬≠mais e pes¬≠soas de baixa ren¬≠da por causa da pan¬≠demia do novo coro¬≠n¬≠av√≠rus. Segun¬≠do o secret√°rio, no entan¬≠to, o pro¬≠gra¬≠ma √© ‚Äúmuito caro‚ÄĚ e pode sofr¬≠er redu√ß√£o no val¬≠or. ‚ÄúUma pror¬≠ro¬≠ga√ß√£o, por exem¬≠p¬≠lo, de R$ 200 vai implicar um cus¬≠to, por m√™s, de aprox¬≠i¬≠mada¬≠mente R$ 17 bil¬≠h√Ķes. Por¬≠tan¬≠to, n√≥s esta¬≠mos com aten√ß√£o e quer¬≠e¬≠mos, com a cada movi¬≠men¬≠to, dar pri¬≠or¬≠i¬≠dade √†s camadas mais vul¬≠ner√°veis, aos seg¬≠men¬≠tos mais vul¬≠ner√°veis da pop¬≠u¬≠la√ß√£o‚ÄĚ apon¬≠tou.

A fala do rep­re­sen­tante do Min­istério da Econo­mia foi uma respos­ta a ques­tion­a­men­tos de senadores e inter­nau­tas durante audiên­cia vir­tu­al da comis­são mista des­ti­na­da a acom­pan­har a atu­ação do gov­er­no durante a pan­demia do novo coro­n­avírus.

O bene¬≠f√≠¬≠cio j√° √© pago em tr√™s parce¬≠las para tra¬≠bal¬≠hadores que tiver¬≠am seus gan¬≠hos prej¬≠u¬≠di¬≠ca¬≠dos pela pan¬≠demia do novo coro¬≠n¬≠av√≠rus. Auto¬≠ra do PL 2.825/2020, que deter¬≠mi¬≠na a pror¬≠ro¬≠ga√ß√£o por mais tr√™s meses do paga¬≠men¬≠to do aux√≠lio emer¬≠gen¬≠cial de R$ 600, a senado¬≠ra Eliziane Gama (Cidada¬≠nia-MA) ques¬≠tio¬≠nou se o gov¬≠er¬≠no prop√Ķe a redu√ß√£o do bene¬≠f√≠¬≠cio para R$ 200, con¬≠forme algu¬≠mas infor¬≠ma√ß√Ķes noti¬≠ci¬≠adas pela impren¬≠sa, o que n√£o foi descar¬≠ta¬≠do pelo secret√°rio da Fazen¬≠da. O val¬≠or, assim, ficaria pr√≥x¬≠i¬≠mo ao teto que √© pago por fam√≠lia no Bol¬≠sa Fam√≠lia: R$ 205.

‚ÄúO aux√≠lio emer¬≠gen¬≠cial ser√° pro¬≠lon¬≠ga¬≠do? Muito provavel¬≠mente sim, mas com out¬≠ro per¬≠fil, com out¬≠ro for¬≠ma¬≠to. √Č um pro¬≠gra¬≠ma valios√≠s¬≠si¬≠mo, de alta efe¬≠tivi¬≠dade, mas tam¬≠b√©m √© um pro¬≠gra¬≠ma caro ‚ÄĒ cus¬≠ta, em m√©dia, ness¬≠es tr√™s meses, algo como R$ 51,5 bil¬≠h√Ķes, que, por¬≠tan¬≠to, √© um val¬≠or muito alto. N√£o cabe uma exten¬≠s√£o muito pro¬≠lon¬≠ga¬≠da nas nos¬≠sas con¬≠tas. Ver¬≠e¬≠mos uma maior efe¬≠tivi¬≠dade e usare¬≠mos cer¬≠ta¬≠mente o Bol¬≠sa Fam√≠lia, como o min¬≠istro [da Econo¬≠mia] Paulo Guedes j√° men¬≠cio¬≠nou, como refer¬≠√™n¬≠cia‚ÄĚ, disse o secret√°rio.

Pequenas empresas

Out¬≠ra pre¬≠ocu¬≠pa√ß√£o man¬≠i¬≠fes¬≠ta¬≠da por par¬≠la¬≠mentares durante a reuni√£o √© a aju¬≠da √†s peque¬≠nas e microem¬≠pre¬≠sas e aos agricul¬≠tores que t√™m enfrenta¬≠do difi¬≠cul¬≠dades para aces¬≠sar lin¬≠has de cr√©di¬≠to. A lin¬≠ha com pior desem¬≠pen¬≠ho √© o Pro¬≠gra¬≠ma Emer¬≠gen¬≠cial de Suporte a Empre¬≠gos (Pese), que reser¬≠va R$ 40 bil¬≠h√Ķes para paga¬≠men¬≠to da fol¬≠ha de sal√°rios de peque¬≠nas e m√©dias empre¬≠sas. At√© o √ļlti¬≠mo relat√≥rio rece¬≠bido pela comis¬≠s√£o, o total exe¬≠cu¬≠ta¬≠do foi de R$ 1,8 bil¬≠h√£o, ou seja, menos de 4%. O rela¬≠tor, dep¬≠uta¬≠do Fran¬≠cis¬≠co J√ļnior (PSD-GO), o senador Car¬≠los Heinze (PP-RS) e o senador Esperidi√£o Amin (PP-SC) foram alguns dos que cobraram medi¬≠das para facil¬≠i¬≠tar o aces¬≠so ao din¬≠heiro.

Em respos­ta, o secretário espe­cial de Fazen­da afir­mou que o gov­er­no está enfrentan­do ess­es entrav­es e disse esper­ar que mais empre­sas con­sigam aces­sar o pro­gra­ma.

Para n√£o fal¬≠tar liq¬≠uidez finan¬≠ceira, esta¬≠mos anal¬≠isan¬≠do o Pese: de fato, teve uma efe¬≠tivi¬≠dade abaixo do que dese¬≠jar√≠amos. Enten¬≠demos que na pr√≥x¬≠i¬≠ma parcela vai ter uma efe¬≠tivi¬≠dade muito maior. O Ban¬≠co Cen¬≠tral tem esse con¬≠t¬≠role no detal¬≠he, e esta¬≠mos aten¬≠tos para esse pon¬≠to ‚ÄĒ afir¬≠mou.

A queixa é recor­rente entre senadores e dep­uta­dos que afir­mam que o Con­gres­so Nacional faz a sua parte aprovan­do leis de aju­da a diver­sos setores da econo­mia, mas o gov­er­no estaria demor­an­do a destravar o cam­in­ho do din­heiro até a pon­ta. Um exem­p­lo cita­do foi Pro­gra­ma Nacional de Apoio à Microem­pre­sa e Empre­sas de Pequeno Porte (Pron­ampe). Aprova­da pelo Sena­do em abril, a lei que criou o pro­gra­ma só foi san­ciona­da no dia 18 de maio e a medi­da pro­visória que autor­i­zou o crédi­to só saiu nes­ta quar­ta-feira (27).

Waldery Rodrigues frisou que o Min¬≠ist√©rio da Econo¬≠mia est√° aten¬≠to a solu√ß√Ķes para mel¬≠ho¬≠rar a liq¬≠uidez do Or√ßa¬≠men¬≠to e disse estar aber¬≠to a sug¬≠est√Ķes de apri¬≠mora¬≠men¬≠to dos par¬≠la¬≠mentares.

‚ÄĒ A liq¬≠uidez tem que ser pos¬≠ta na econo¬≠mia, mas tem que irri¬≠gar, chegar √† pon¬≠ta. √Č um mon¬≠i¬≠tora¬≠men¬≠to feito pelo Min¬≠ist√©rio da Econo¬≠mia em con¬≠jun¬≠to com o Ban¬≠co Cen¬≠tral, e h√° solu√ß√Ķes trazi¬≠das pelo Con¬≠sel¬≠ho Mon¬≠et√°rio Nacional (CMN). Sem¬≠pre que necess√°rio, quer¬≠e¬≠mos ouvir os par¬≠la¬≠mentares sobre as pro¬≠postas. Isso pode resul¬≠tar em a√ß√Ķes tam¬≠b√©m a serem tomadas den¬≠tro do √Ęmbito do Con¬≠sel¬≠ho Mon¬≠et√°rio Nacional ‚ÄĒ disse.

Fonte: Agên­cia Sena­do

PUBLICIDADE