2.0 // dossiê2.2 // negócios

Marcas mais lembradas durante os jogos brasileiros

Uma pesquisa realizada pela Toluna, entre o segundo, terceiro e quarto jogos da Seleção Brasileira de Futebol, revelou dados interessantes que refletem o comportamento do público em relação ao Campeonato Mundial de Futebol e algumas percepções sobre as marcas presentes no torneio. O mais chamativo deles mostra que, após os últimos bons desempenhos da Seleção Canarinho, as expectativas de título variam. Se antes do jogo 52% dos entrevistados acreditavam no título da Seleção, depois da vitória contra a Sérvia o número saltou para 68% e após o jogo contra o México, os números ficaram em 58%.

Além disso, o estudo também apresenta dados sobre os patrocínios veiculados nas redes de TV durante a competição. Entre as informações temos que a empresa de Telecom Vivo aparece como destaque para todos os telespectadores como uma das marcas mais presentes neste Mundial, independente do canal escolhido para assistir aos jogos.

O recall da brasileira foi impulsionado pela fabricante de celulares chinesa de nome homônimo, que patrocina a Copa do Mundo da FIFA e tem sua marca estampada nos painéis publicitários dentro do campo. Dentre os patrocinadores másters da competição, a Adidas e a Coca-Cola são as marcas mais lembrados pelo público brasileiro após a Vivo. Vale lembrar que a Vivo é patrocinadora da Seleção Brasileira e não do mundial.

Quando questionados se realizaram alguma compra pensando no Campeonato Mundial, 44% responderam que não. O dado é interessante para o varejo uma vez que outros 30% afirmaram que compraram apenas alimentos e bebidas para consumir enquanto assistem aos jogos, deixando para trás a compra de equipamentos eletrônicos e de pacotes de TV por assinatura.

Nota ao editor

Pesquisa realizada nos dias 22 e 27 de junho e 2 de julho de 2018 com 300 pessoas das classes A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela Abep – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, onde pessoas da classe C2 tem renda média domiciliar de R$ 1.625 por mês.

 

Foto: Pixabay

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista