PUBLICIDADE

s√£o paulo

Governo renova contrato de concess√£o de ferrovia em S√£o Paulo

A Agên­cia Nacional de Trans­portes Ter­restres (ANTT) e a empre­sa Rumo assi­naram hoje (27) a ren­o­vação ante­ci­pa­da da con­cessão fer­roviária da Mal­ha Paulista. O con­tra­to orig­i­nal, que vence­ria em 2028, foi ren­o­va­do por mais 30 anos, medi­ante uma série de con­tra­partidas.

De acor¬≠do com o Min¬≠ist√©rio da Infraestru¬≠tu¬≠ra, a con¬≠cess√£o inje¬≠tar√° recur¬≠sos pri¬≠va¬≠dos na ampli¬≠a√ß√£o da capaci¬≠dade de trans¬≠porte, em mel¬≠ho¬≠rias urbanas, al√©m de ger¬≠ar empre¬≠gos e aumen¬≠tar a arrecada√ß√£o fed¬≠er¬≠al. Somente em out¬≠or¬≠gas, a Uni√£o arrecadar√° R$ 2,9 bil¬≠h√Ķes com o novo con¬≠tra¬≠to.

O sis¬≠tema fer¬≠rovi√°rio tem 1.989 quil√īmet¬≠ros (km) de exten¬≠s√£o entre San¬≠ta F√© do Sul (SP), divisa com o Mato Grosso do Sul, e o Por¬≠to de San¬≠tos (SP). Por seus tril¬≠hos, s√£o movi¬≠men¬≠tadas car¬≠gas de mil¬≠ho, soja, a√ß√ļ¬≠car, fare¬≠lo de soja, √°lcool, deriva¬≠dos de petr√≥leo e con¬≠t√™ineres.

Para o min¬≠istro da Infraestru¬≠tu¬≠ra, Tar¬≠c√≠¬≠sio Fre¬≠itas, a ren¬≠o¬≠va√ß√£o do con¬≠tra¬≠to rep¬≠re¬≠sen¬≠ta um mar¬≠co hist√≥ri¬≠co para destravar a log√≠s¬≠ti¬≠ca e equi¬≠li¬≠brar a matriz de trans¬≠porte do pa√≠s. ‚ÄúA van¬≠ta¬≠josi¬≠dade da ren¬≠o¬≠va√ß√£o ante¬≠ci¬≠pa¬≠da ficou demon¬≠stra¬≠da e ates¬≠ta¬≠da pelo TCU [Tri¬≠bunal de Con¬≠tas da Uni√£o] ao lon¬≠go dess¬≠es [qua¬≠tro] anos de trami¬≠ta√ß√£o do proces¬≠so, o que rev¬≠ela que a infraestru¬≠tu¬≠ra tem sido encar¬≠a¬≠da como uma quest√£o de Esta¬≠do‚ÄĚ, disse em comu¬≠ni¬≠ca¬≠do.

A empre¬≠sa con¬≠ces¬≠sion√°rio dev¬≠er√° inve¬≠stir mais de R$ 6 bil¬≠h√Ķes em obras, tril¬≠hos, vag√Ķes e loco¬≠mo¬≠ti¬≠vas, que j√° ser√£o real¬≠iza¬≠dos nos primeiros cin¬≠co anos de con¬≠tra¬≠to. Com isso, a Mal¬≠ha Paulista dev¬≠er√° aumen¬≠tar sua capaci¬≠dade de trans¬≠porte dos atu¬≠ais 35 mil¬≠h√Ķes para 75 mil¬≠h√Ķes de toneladas, poden¬≠do chegar futu¬≠ra¬≠mente aos 100 mil¬≠h√Ķes de toneladas.

Al√©m dis¬≠so, segun¬≠do o min¬≠ist√©rio, a real¬≠iza¬≠√ß√£o dos inves¬≠ti¬≠men¬≠tos pre¬≠vis¬≠tos trar√° cer¬≠ca de R$ 600 mil¬≠h√Ķes aos cofres p√ļbli¬≠cos nos pr√≥x¬≠i¬≠mos seis anos, medi¬≠ante a arrecada√ß√£o de trib¬≠u¬≠tos.

Fonte: Agên­cia Brasil

PUBLICIDADE