economiaViagens

Fim dos vistos para turistas dos Estados Unidos, Austrália, Canadá e Japão

 - REVISTA MAISJR

(Crédito: Divulgação) 

Cidadãos americanos, australianos, canadenses e japoneses, que desejam conhecer o Brasil, poderão entrar no país sem a necessidade de visto. O decreto, publicado no Diário Oficial nessa semana, passa a vigorar no prazo de 90 dias, ou seja, a partir de 17 de junho.De acordo com o texto, a isenção do documento contempla visitantes que possuem passaporte válido com viagens para fins de turismo de lazer e de negócios, realização de atividades artísticas ou desportivas ou em situações excepcionais por interesse nacional. A iniciativa é válida também para turistas em trânsito no Brasil.

A medida, bandeira antiga do Ministério do Turismo, tem como objetivo ampliar o número de turistas estrangeiros no país. A expectativa  é de que  o país atinja a marca de 12 milhões de visitantes estrangeiros até 2022, contra os atuais 6, 6 milhões. A meta estabelecida pelo Plano Nacional de Turismo 2018-2022 tem como objetivo reduzir o déficit cambial do setor que, apenas em 2017, ficou em US$ 13,2 bilhões.

“Este é um momento histórico para o turismo brasileiro e temos a certeza de que ele representa a mudança no patamar do país entre os grandes destinos turísticos mundiais. Nosso setor reúne todas as condições para contribuir com o crescimento econômico do país por meio da geração de emprego e renda e em breve teremos bons resultados para apresentar”, afirmou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Projeto piloto

Os quatro países contemplados com a isenção de visto fizeram parte de um projeto piloto,  iniciado em 2017,  que implantou o visto eletrônico para quem desejasse visitar o Brasil. Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), medidas de facilitação de visto podem ampliar em 25% o fluxo de turistas nos países que adotam a prática.

No Brasil, os resultados foram ainda melhores. Em apenas um ano de funcionamento do visto eletrônico, houve aumento de 35,23% nas emissões de vistos (eletrônicos e tradicionais), considerando o fluxo dos quatro países contemplados. Se esses vistos se converterem em viagem, a expectativa é de um impacto total de US$ 1 bilhão na economia brasileira.

A presidente da Embratur, Teté Bezerra, destaca a importância da isenção para o aumento do fluxo turístico no Brasil. “A facilitação desburocratiza processos e acompanha uma tendência de mercado que atesta que, cada vez mais, os turistas internacionais têm procurado destinos mais acessíveis. Essa é uma das prioridades do governo brasileiro, pois estudos comprovam que deverá haver mais turistas, mais receitas e empregos no País. Toda a cadeia turística ganha”, declarou.

 

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista