PUBLICIDADE

mundo

Durante uma d√©cada de crescimento, EUA t√™m maior taxa de desemprego em 90 anos e perdem vagas criadas 

A pan¬≠demia do coro¬≠n¬≠av√≠rus provo¬≠cou a maior taxa de desem¬≠prego em quase um s√©cu¬≠lo nos Esta¬≠dos Unidos. Cer¬≠ca de 20,5 mil¬≠h√Ķes de empre¬≠gos foram destru√≠¬≠dos em abril, ele¬≠van¬≠do a taxa de desem¬≠prego de 4,4% para 14,7%, segun¬≠do o primeiro relat√≥rio ofi¬≠cial que reg¬≠is¬≠tra o impacto do fechamen¬≠to de f√°bri¬≠c¬≠as, lojas e restau¬≠rantes.

Em dois meses, a primeira pot√™n¬≠cia econ√īmi¬≠ca mundi¬≠al perdeu a quase total¬≠i¬≠dade dos empre¬≠gos cri¬≠a¬≠dos em dez anos de cresci¬≠men¬≠to, fazen¬≠do o desem¬≠prego aumen¬≠tar a um n√≠v¬≠el com¬≠par√°v¬≠el aos da crise dos anos de 1930. O viz¬≠in¬≠ho Canad√° reg¬≠istrou 13% de desem¬≠prego no mes¬≠mo per√≠o¬≠do, refor√ßan¬≠do a per¬≠spec¬≠ti¬≠va som¬≠bria que se soma √† recess√£o anun¬≠ci¬≠a¬≠da para este ano na Europa.

A redu√ß√£o maci√ßa do emprego nos Esta¬≠dos Unidos no m√™s pas¬≠sa¬≠do, emb¬≠o¬≠ra hist√≥ri¬≠ca, n√£o foi t√£o ruim quan¬≠to se temia e n√£o con¬≠seguiu prej¬≠u¬≠dicar a con¬≠fi¬≠an√ßa do mer¬≠ca¬≠do. As bol¬≠sas de val¬≠ores mundi¬≠ais fecharam em alta na sex¬≠ta-feira (8), otimis¬≠tas com a retoma¬≠da da ativi¬≠dade econ√īmi¬≠ca em v√°rios esta¬≠dos amer¬≠i¬≠canos e pa√≠s¬≠es europeus.

O pres¬≠i¬≠dente amer¬≠i¬≠cano, Don¬≠ald Trump, que bus¬≠ca a reelei√ß√£o em novem¬≠bro, subes¬≠ti¬≠mou os dados, dizen¬≠do que n√£o esta¬≠va sur¬≠pre¬≠so. A recu¬≠per¬≠a√ß√£o ‚Äúser√° impres¬≠sio¬≠n¬≠ante‚ÄĚ, prom¬≠e¬≠teu.

Um foco na Casa Bran­ca?

O medo de que a Casa Bran­ca se torne um foco infec­cioso, após Trump pres­sion­ar pela reati­vação da econo­mia no país, cresceu com a notí­cia de que a por­ta-voz do vice-pres­i­dente Mike Pence foi diag­nos­ti­ca­da com o novo coro­n­avírus um dia depois de um asses­sor próx­i­mo ao pres­i­dente ter apre­sen­ta­do o mes­mo resul­ta­do.

A secret√°ria de impren¬≠sa de Trump disse que o pres¬≠i¬≠dente e Pence s√£o exam¬≠i¬≠na¬≠dos diari¬≠a¬≠mente, emb¬≠o¬≠ra nen¬≠hum deles use uma m√°s¬≠cara, con¬≠forme recomen¬≠da¬≠do pelas autori¬≠dades de sa√ļde.

Os Esta¬≠dos Unidos t√™m o maior n√ļmero de infec¬≠ta¬≠dos no mun¬≠do: 1,28 mil¬≠h√£o de casos diag¬≠nos¬≠ti¬≠ca¬≠dos. Segun¬≠do a con¬≠tagem da Uni¬≠ver¬≠si¬≠dade Johns Hop¬≠kins divul¬≠ga¬≠da na sex¬≠ta-feira (8), 1.635 mor¬≠reram por con¬≠ta do coro¬≠n¬≠av√≠rus nas √ļlti¬≠mas 24 horas, ele¬≠van¬≠do para mais de 77.000 o n√ļmero total de mor¬≠tos pela epi¬≠demia de Covid-19 no pa√≠s. A ag√™n¬≠cia fed¬≠er¬≠al do medica¬≠men¬≠to FDA aprovou um novo teste de sali¬≠va cole¬≠ta¬≠do em casa para acel¬≠er¬≠ar o diag¬≠n√≥s¬≠ti¬≠co da doen√ßa.

Em Nova York, o epi¬≠cen¬≠tro do sur¬≠to no pa√≠s, um meni¬≠no de cin¬≠co anos mor¬≠reu depois de apre¬≠sen¬≠tar sin¬≠tomas da doen√ßa de Kawasa¬≠ki e da s√≠n¬≠drome do ‚Äúchoque t√≥x¬≠i¬≠co‚ÄĚ, pos¬≠sivel¬≠mente lig¬≠a¬≠da ao coro¬≠n¬≠av√≠rus. O esta¬≠do de Nova York reg¬≠istrou 73 casos de cri¬≠an√ßas grave¬≠mente doentes com ess¬≠es sin¬≠tomas infla¬≠mat√≥rios.

Duas em cada tr√™s pes¬≠soas nos Esta¬≠dos Unidos n√£o aprovam a retoma¬≠da das ativi¬≠dades econ√īmi¬≠cas, de acor¬≠do com uma pesquisa da ABC News/Ipsos, que indi¬≠ca que 57% desaprovam como Trump tra¬≠ta a crise.

Comér­cios da Cal­ifór­nia reabrem com cautela

As autori¬≠dades da Cal¬≠if√≥r¬≠nia decidi¬≠ram flex¬≠i¬≠bi¬≠lizar o con¬≠fi¬≠na¬≠men¬≠to impos¬≠to h√° sete sem¬≠anas para con¬≠ter a dis¬≠sem¬≠i¬≠na√ß√£o do v√≠rus, per¬≠mitin¬≠do a alguns com√©r¬≠cios, como livrarias, lojas de m√ļsi¬≠ca e roupas, al√©m das flori¬≠cul¬≠turas, retomarem as ven¬≠das. Mas poucos com¬≠er¬≠ciantes decidi¬≠ram voltar ao tra¬≠bal¬≠ho.

Nes­ta primeira fase de reaber­tu­ra, os clientes não podem entrar e passear pelas lojas. Os pedi­dos são recu­per­a­dos na calça­da.

As con¬≠ces¬≠sion√°rias de car¬≠ros tam¬≠b√©m rece¬≠ber¬≠am autor¬≠iza¬≠√ß√£o para reaber¬≠tu¬≠ra sob estri¬≠tas medi¬≠das de dis¬≠tan¬≠ci¬≠a¬≠men¬≠to social nos ‚Äėshow rooms‚Äô.

A Cal­ifór­nia soma mais de 2.250 mortes por Covid-19, 60% delas no con­da­do de Los Ange­les.

Com infor¬≠ma√ß√Ķes da AFP

PUBLICIDADE