PUBLICIDADE

economia

Preço do gás encanado sobe até 40% em São Paulo

O pre√ßo do g√°s encanado em S√£o Paulo receber√° um aumento de at√© 39,9% nesta segunda-feira (31) na regi√£o compreendida pela concession√°ria Naturgy, enquanto a √°rea abastecida pela Comg√°s ter√° um reajuste de at√© 10,2%. O an√ļncio foi feito pela Ag√™ncia Reguladora de Servi√ßos P√ļblicos de S√£o Paulo (Arsesp).

Na prática, o reajuste anual atingirá os consumidores residenciais, comerciais e industriais, além dos motoristas que abastecem com GNV (gás natural veicular).

Nas regi√Ķes atendidas pela Comg√°s, a tarifa aumentar√° em at√© 9,8% para os consumidores residenciais, em at√© 10,2% para os consumidores comerciais e em at√© 9,7% para os consumidores industriais. J√° a Naturgy divulgou que um aumento de at√© 33,3% ser√° sentido pelos consumidores residenciais, de at√© 15,3% para os consumidores comerciais, de at√© 39,7% para os consumidores industriais e de at√© 39,9% nos postos fornecedores do GNV.

Segundo a ag√™ncia, o aumento se deve √† eleva√ß√£o do pre√ßo do g√°s anunciado pela Petrobras em abril, e que entrou em vigor em 1¬ļ maio. A alta no g√°s foi de 39% no R$/m3 com rela√ß√£o ao √ļltimo trimestre. Para se ter uma ideia, a infla√ß√£o acumulada nos √ļltimos 12 meses pelo √ćndice Nacional de Pre√ßos ao Consumidor Amplo (IPCA) chegou a 6,76% em abril.

A Arsesp explicou que, após o reajuste padrão, a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) do governo de SP solicitou estudos extras para reavaliar o que poderia ser feito, na tentativa de diminuir o impacto dos reajustes aos usuários.

Sem essa revisão, os reajustes teriam sido ainda maiores: as tarifas teriam ficado em média 34% maiores na região abastecida pela Comgás (ante 10,2%), que atende principalmente a área metropolitana de SP, e o consumidor iria se deparar com uma alta muito maior nas áreas atendidas pela Naturgy (Sorocaba e Registro), entre 75% e 80% (ante 39,9%), segundo o documento a que o portal de notícias UOL teve acesso. O restante do repasse, que foi evitado agora, será diluído entre os anos de 2022 e 2024, nos próximos reajustes anuais de tarifa autorizados pela agência.