PUBLICIDADE

brasil

Pesquisadores desenvolvem tecido capaz de matar o vírus da Covid-19

Den¬≠tro de dois meses, pesquisadores do Insti¬≠tu¬≠to Alber¬≠to Luiz Coim¬≠bra de P√≥s-Grad¬≠u¬≠a√ß√£o e Pesquisa de Engen¬≠haria da Uni¬≠ver¬≠si¬≠dade Fed¬≠er¬≠al do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), do Insti¬≠tu¬≠to Nacional de Metrolo¬≠gia, Qual¬≠i¬≠dade e Tec¬≠nolo¬≠gia (Inmetro) e da Pon¬≠tif¬≠√≠¬≠cia Uni¬≠ver¬≠si¬≠dade Cat√≥li¬≠ca do Rio de Janeiro (PUC Rio) v√£o apre¬≠sen¬≠tar um teci¬≠do antivi¬≠ral para m√°s¬≠caras que ofer¬≠ece maior pro¬≠te√ß√£o aos profis¬≠sion¬≠ais da √°rea de sa√ļde con¬≠tra a covid-19. A infor¬≠ma√ß√£o foi dada pela pro¬≠fes¬≠so¬≠ra Rena¬≠ta Sim√£o, dos Pro¬≠gra¬≠mas de Engen¬≠haria de Nan¬≠otec¬≠nolo¬≠gia e de Engen¬≠haria Met¬≠al√ļr¬≠gi¬≠ca e de Mate¬≠ri¬≠ais da Coppe. O teci¬≠do est√° sendo pro¬≠duzi¬≠do no Lab¬≠o¬≠rat√≥rio de Engen¬≠haria de Super¬≠f√≠¬≠cies da Coppe/UFRJ.

Rena¬≠ta esclare¬≠ceu que, no momen¬≠to, os pesquisadores est√£o desen¬≠vol¬≠ven¬≠do, na ver¬≠dade, pro¬≠du¬≠tos que v√£o ser colo¬≠ca¬≠dos em um teci¬≠do nor¬≠mal de algo¬≠d√£o, para faz¬≠er com que esse teci¬≠do comum ten¬≠ha pro¬≠priedades apri¬≠moradas e atin¬≠ja, at√©, o n√≠v¬≠el de uma m√°s¬≠cara sim¬≠i¬≠lar √† N95. ‚ÄúO que a gente est√° fazen¬≠do n√£o √© desen¬≠volver o teci¬≠do e, sim, esta¬≠mos mod¬≠i¬≠f¬≠i¬≠can¬≠do o teci¬≠do para garan¬≠tir que ele ten¬≠ha pro¬≠priedades apri¬≠moradas pelas mod¬≠i¬≠fi¬≠ca√ß√Ķes que faze¬≠mos nele‚ÄĚ, expli¬≠cou. As pesquisas envolvem tam¬≠b√©m a inclus√£o de papel entre ess¬≠es pro¬≠du¬≠tos. ‚ÄúA gente inclui tam¬≠b√©m part√≠cu¬≠las que s√£o antivi¬≠rais, que v√£o matar o v√≠rus‚ÄĚ.

Para Rena­ta, a grande van­tagem é que, por se tratar de um algo­dão comum, que é biode­gradáv­el, o mate­r­i­al que for descober­to não vai faz­er mal à natureza. Além de ser descartáv­el, ele poderá ser reuti­lizáv­el e, mes­mo quan­do for descar­ta­do, é biode­gradáv­el, ou seja, ain­da assim não gera lixo.

‚ÄúEsse √© um pon¬≠to que, para a gente, √© muito fun¬≠da¬≠men¬≠tal e impor¬≠tante‚ÄĚ.

Tecido hidrofóbico

O teci¬≠do que vem sendo desen¬≠volvi¬≠do √© chama¬≠do hidrof√≥bi¬≠co (imper¬≠me¬≠√°v¬≠el). O v√≠rus, nor¬≠mal¬≠mente, √© trans¬≠porta¬≠do atrav√©s de got√≠cu¬≠las, como de sali¬≠va, por exem¬≠p¬≠lo, que a pes¬≠soa expele. Essas got√≠cu¬≠las, ao entrar em con¬≠ta¬≠to com esse teci¬≠do que est√° sendo desen¬≠volvi¬≠do, n√£o con¬≠seguem pen¬≠e¬≠trar e v√£o escor¬≠rer. ‚ÄúE se, por aca¬≠so, pen¬≠e¬≠trarem, tem uma cama¬≠da inter¬≠na que vai con¬≠ter, com nanopart√≠cu¬≠las que v√£o matar o v√≠rus‚ÄĚ.

A princ√≠¬≠pio, os pesquisadores pen¬≠sam em faz¬≠er uma m√°s¬≠cara com tr√™s camadas, sendo a primeira de con¬≠for¬≠to, per¬≠to do ros¬≠to; a segun¬≠do no meio, incluin¬≠do nanopart√≠cu¬≠las; e a ter¬≠ceira, exter¬≠na, com um reco¬≠bri¬≠men¬≠to hidrof√≥bi¬≠co, ‚Äúque tam¬≠b√©m √© bio¬≠com¬≠pat√≠v¬≠el e biode¬≠grad√°v¬≠el‚ÄĚ, refor√ßou Rena¬≠ta. Disse que algu¬≠mas camadas podem ser feitas tam¬≠b√©m com papel mod¬≠i¬≠fi¬≠ca¬≠do. ‚ÄúA gente pen¬≠sa na exter¬≠na e na do meio com papel‚ÄĚ.

Testes

Os testes para a car¬≠ac¬≠ter¬≠i¬≠za¬≠√ß√£o e con¬≠stata√ß√£o da efic√°¬≠cia das nanopart√≠cu¬≠las est√£o sendo real¬≠iza¬≠dos no Lab¬≠o¬≠rat√≥rio de Micro¬≠scopia Eletr√īni¬≠ca do Inmetro. Car¬≠los Achete, espe¬≠cial¬≠ista em Metrolo¬≠gia de Mate¬≠ri¬≠ais do Inmetro e coor¬≠de¬≠nador do pro¬≠je¬≠to denom¬≠i¬≠na¬≠do Teci¬≠dos Hidrof√≥bi¬≠cos e Ativos para Sub¬≠sti¬≠tu¬≠i√ß√£o do TNT Hos¬≠pi¬≠ta¬≠lar, comen¬≠tou que ‚Äúcaso seja com¬≠pro¬≠va¬≠da a efic√°¬≠cia (do teci¬≠do), o pa√≠s poder√° ter aces¬≠so a uma tec¬≠nolo¬≠gia que pro¬≠por¬≠cionar√° mais segu¬≠ran√ßa e risco reduzi¬≠do da con¬≠t¬≠a¬≠m¬≠i¬≠na√ß√£o, inclu¬≠sive em ambi¬≠ente hos¬≠pi¬≠ta¬≠lar, onde √© mais fre¬≠quente. E o mel¬≠hor: a um cus¬≠to-bene¬≠f√≠¬≠cio acess√≠v¬≠el √† sociedade‚ÄĚ.

O proces¬≠so de testes e sua ver¬≠i¬≠fi¬≠ca√ß√£o, visan¬≠do a cer¬≠ti¬≠fi¬≠ca√ß√£o do pro¬≠du¬≠to, s√£o respon¬≠s¬≠abil¬≠i¬≠dade da coor¬≠de¬≠nado¬≠ra da Cen¬≠tral Anal√≠ti¬≠ca do Depar¬≠ta¬≠men¬≠to de Qu√≠mi¬≠ca do Cen¬≠tro T√©c¬≠ni¬≠co Cien¬≠t√≠¬≠fi¬≠co (CTC/PUC Rio), pro¬≠fes¬≠so¬≠ra Gise¬≠le Bir¬≠man Toni¬≠et¬≠to. Gise¬≠le apos¬≠ta que o impor¬≠tante ‚Äú√© aten¬≠der¬≠mos √†s deman¬≠das da sociedade, com toda ‚Äėexper¬≠tise‚Äô que a uni¬≠ver¬≠si¬≠dade tem. Em um momen¬≠to de urg√™n¬≠cia, poder via¬≠bi¬≠lizar um con¬≠hec¬≠i¬≠men¬≠to acad√™mi¬≠co em prol dos profis¬≠sion¬≠ais de sa√ļde s√≥ reafir¬≠ma o val¬≠or que deve ser dado √† ci√™n¬≠cia e √† pesquisa no Brasil‚ÄĚ.

Os testes de res¬≠pi¬≠ra√ß√£o e sat¬≠u¬≠ra√ß√£o de CO2 (di√≥x¬≠i¬≠do de car¬≠bono) t√™m sido feitos em parce¬≠ria com lab¬≠o¬≠rat√≥rio da Coppe. Rena¬≠ta Sim√£o infor¬≠mou que 15 pesquisadores das tr√™s insti¬≠tu¬≠i√ß√Ķes, entre pro¬≠fes¬≠sores e alunos, par¬≠tic¬≠i¬≠pam do pro¬≠je¬≠to.

Produção industrial

Ela afir¬≠mou que a par¬≠tir da con¬≠clus√£o do teci¬≠do, pre¬≠vista para daqui a dois meses, ele j√° estar√° pron¬≠to para ini¬≠ciar a pro¬≠du√ß√£o indus¬≠tri¬≠al. A pesquisa j√° tem um pro¬≠je¬≠to pilo¬≠to cor¬≠ren¬≠do em para¬≠le¬≠lo, para ‚Äúten¬≠tar pro¬≠duzir o mais r√°pi¬≠do pos¬≠s√≠v¬≠el. Mas ain¬≠da este ano, com certeza‚ÄĚ, man¬≠i¬≠festou. A empre¬≠sa par¬≠ceira para a pro¬≠du√ß√£o j√° foi prospec¬≠ta¬≠da.

Rena¬≠ta disse que o cus¬≠to da m√°s¬≠cara para os profis¬≠sion¬≠ais da sa√ļde pode ser reduzi¬≠do com a descober¬≠ta desse teci¬≠do mod¬≠i¬≠fi¬≠ca¬≠do, em com¬≠para¬≠√ß√£o com uma N95 ou out¬≠ra m√°s¬≠cara exis¬≠tente no mer¬≠ca¬≠do que ofer¬≠ece maior pro¬≠te√ß√£o. ‚ÄúA gente acred¬≠i¬≠ta que vai entrar com grande com¬≠pet¬≠i¬≠tivi¬≠dade‚ÄĚ. A meta √© fab¬≠ricar, ‚Äúno m√≠n¬≠i¬≠mo‚ÄĚ, 500 m√°s¬≠caras de teci¬≠do hidrof√≥bi¬≠co por sem¬≠ana para serem doadas.

Na avali¬≠a√ß√£o da pro¬≠fes¬≠so¬≠ra da Coppe/UFRJ, o mais impor¬≠tante no desen¬≠volvi¬≠men¬≠to desse teci¬≠do espe¬≠cial √© a parce¬≠ria da pesquisa no Brasil. ‚ÄúA gente est√° agre¬≠gan¬≠do difer¬≠entes com¬≠pet√™n¬≠cias de difer¬≠entes insti¬≠tu¬≠i√ß√Ķes e fazen¬≠do com que o pro¬≠du¬≠to nas√ßa dessas difer¬≠entes com¬≠pet√™n¬≠cias. Eu acho que isso √© a coisa mais impor¬≠tante, al√©m do apoio da Fun¬≠da√ß√£o de Amparo √† Pesquisa do Esta¬≠do do Rio de Janeiro (Faperj), que √© indis¬≠pen¬≠s√°v¬≠el‚ÄĚ.

Acres¬≠cen¬≠tou que nesse momen¬≠to de pan¬≠demia e de nega¬≠cionis¬≠mo da ci√™n¬≠cia, as fun¬≠da√ß√Ķes de amparo √† ci√™n¬≠cia do Brasil inteiro est√£o deman¬≠dan¬≠do e finan¬≠cian¬≠do a pesquisa, o que √© extrema¬≠mente pos¬≠i¬≠ti¬≠vo. Segun¬≠do Rena¬≠ta Sim√£o, havia uma cer¬≠ta resist√™n¬≠cia, inclu¬≠sive, em se tra¬≠bal¬≠har em equipe, em rede, com out¬≠ras insti¬≠tu¬≠i√ß√Ķes. Esse pro¬≠je¬≠to do teci¬≠do antivi¬≠ral mostrou que isso pode ser pos¬≠s√≠v¬≠el. A ideia n√£o veio de uma uni¬≠ver¬≠si¬≠dade ou insti¬≠tu¬≠to em espe¬≠cial. ‚ÄúVeio da uni√£o de tr√™s pro¬≠je¬≠tos que j√° acon¬≠te¬≠ci¬≠am e que s√≥ pud¬≠er¬≠am tornar real o pro¬≠du¬≠to que vai sair daqui a dois meses a par¬≠tir da parce¬≠ria. Se eu ten¬≠tasse faz¬≠er soz¬≠in¬≠ha, ia demor¬≠ar dois anos‚ÄĚ.

Edição: Valéria Aguiar/AB

PUBLICIDADE