PUBLICIDADE

3.0 - NEG√ďCIOS

Paulo Caffarelli deixa presidência do Banco do Brasil e assume a Cielo

A Cielo, controlada por Bradesco e Banco do Brasil, confirmou, na manhã desta sexta-feira, 26, a nomeação de Paulo Caffarelli, presidente do BB, para comandar a adquirente a partir do dia 05 de novembro, conforme antecipou a Coluna do Broadcast. Seu nome, de acordo com fato relevante enviado ao mercado, foi aprovado por unanimidade pelo conselho de administração da companhia. A posse efetiva do executivo depende de homologação por parte do Banco Central.

 

Mais cedo, o¬†Banco do Brasil¬†anunciou¬†a¬†ren√ļncia¬†do executivo¬†do comando da institui√ß√£o e sua substitui√ß√£o por¬†Marcelo Augusto Dutra Labuto, atual vice-presidente de¬†Neg√≥cios de Varejo¬†do banco.

Marcelo Labuto, de 47 anos, funcion√°rio de carreira do BBI desde 1992, tamb√©m √© presidente do conselho de administra√ß√£o da BB Seguridades Participa√ß√Ķes.

‚ÄúO Excelent√≠ssimo Sr. Presidente da Rep√ļblica,¬†Michel Temer,¬†indicou, nesta data, o Sr. Marcelo Augusto Dutra Labuto para ocupar o cargo de presidente do BB no lugar do Sr. Paulo Caffarelli‚ÄĚ, disse o BB em comunicado.

A Cielo ficou por mais de dois meses sem comando. Eduardo Gouveia alegou quest√Ķes de foro pessoal e familiar para deixar em agosto a adquirente, ap√≥s um ano e meio no cargo. Com a chegada de Caffarelli, a Cielo ter√° mais um novo presidente em menos de dois anos.

No documento, assinado pelo presidente do conselho de administração da Cielo, Marcelo Noronha, é destacado o trabalho que o executivo fez à frente do BB, marcado pelo foco na eficiência operacional da instituição, com resultados claros e positivos no sentido de maior obtenção de retorno a seus acionistas.

“Na Cielo, Caffarelli inicia sua jornada com todas as ferramentas necess√°rias para impulsionar as entregas e os resultados, com foco no incremento da competitividade e no cont√≠nuo investimento em inova√ß√£o”, diz o fato relevante. Al√©m disso, refor√ßa que a Cielo “segue seu caminho, objetivando a manuten√ß√£o de sua lideran√ßa no mercado brasileiro de meios de pagamentos, com a oferta mais completa e crescentemente competitiva de produtos e servi√ßos a seus clientes.”

Os conselheiros da Cielo, conforme o documento, manifestam “todo o apoio e desejam grande sucesso” a Caffarelli em sua nova empreitada, em um momento que classificam como “singular” do setor de meios de pagamentos eletr√īnicos no Brasil em meio ao acirramento deste mercado. “Adicionalmente, os Conselheiros expressam o seu agradecimento ao Clovis Poggetti Jr. pelo empenho, dedica√ß√£o e contribui√ß√£o √† Cielo durante o per√≠odo de interinidade como diretor-presidente”.

No BB, Caffarelli acumula mais de 30 anos como funcion√°rio da institui√ß√£o, tendo passado por cargos de Vice-Presidente de Cart√Ķes e Novos Neg√≥cios de Varejo, Vice-Presidente de Neg√≥cios de Atacado, Neg√≥cios Internacionais e Private Banking. No setor de meios de pagamentos, Caffarelli ocupou a presid√™ncia da Associa√ß√£o Brasileira das Empresas de Cart√Ķes de Cr√©dito (Abecs) entre os anos de 2009 a 2012, como um dos interlocutores com o Banco Central para o desenvolvimento da autorregula√ß√£o do setor. Foi, ainda, presidente do conselho de administra√ß√£o da Cielo.

Em outros setores, atuou como membro do conselho da Vale, em duas ocasi√Ķes, e outras empresas do BB nas √°reas de gest√£o de recursos, previd√™ncia, capitaliza√ß√£o e tamb√©m o Banco Votorantim.

De acordo com fontes ouvidas pelo¬†Estad√£o/Broadcast, o principal desafio de Caffarelli ser√° trazer a l√≠der do setor de volta ao eixo em meio ao acirramento da concorr√™ncia. Com o ataque de outros adquirentes como PagSeguro, do Uol, GetNet, do Santander, e Stone,¬†que estreou nesta quinta-feira, 25, na Nasdaq,¬†a companhia teve seus resultados e volumes impactados. Pela primeira vez desde que abriu seu capital, em 2009, a Cielo ver√° seu lucro l√≠quido encolher neste ano, conforme proje√ß√Ķes de analistas. A adquirente deve ver seu lucro l√≠quido pelo crit√©rio IFRS encolher 20,5% de julho a setembro, totalizando R$ 844 milh√Ķes, conforme o Pr√©vias Broadcast.

A leitura do mercado √© a de que a Cielo demorou a reagir √† competi√ß√£o que aumentou sobremaneira nos √ļltimos anos com novos entrantes, em linha com o desejo do Banco Central de aumentar a concorr√™ncia no mercado de meios de pagamentos eletr√īnicos. Dentre seus erros, conforme fontes ouvidas pelo Broadcast, est√£o a manuten√ß√£o de pre√ßos mais altos do que aqueles cobrados pelos novatos e ainda a aus√™ncia de uma oferta de produtos e servi√ßos mais assertiva e simples para o lojista.

Como consequ√™ncia da concorr√™ncia, mais agressiva, inclusive, do que em 2010, quando o mercado de adquir√™ncia no Brasil foi aberto para novos players, o market share da Cielo caiu para 45%, considerando seis adquirentes que abrem publicamente seus resultados. Era de 53% h√° dois anos. Seu parque de maquininhas (POS, na sigla em ingl√™s), que al√©m do aumento da concorr√™ncia tamb√©m foi impactado pela recess√£o no Pa√≠s que aumentou a mortalidade de lojistas, est√° em 1,6 milh√£o de terminais, ao passo que j√° chegou a ser de mais de 2 milh√Ķes, na mesma base de compara√ß√£o.

Fonte: Economia ‚Äď Estad√£o

Foto: Divulgação

PUBLICIDADE