PUBLICIDADE

brasileconomia

√ćndice que reajusta aluguel acelera 1,52% em setembro

A infla√ß√£o que serve de refer√™ncia para reajustar os pre√ßos do aluguel, medida pelo √ćndice Geral de Pre√ßos ‚Äď Mercado (IGP-M), fechou o m√™s de setembro com varia√ß√£o de 1,52% ‚Äď mais que dobrando em rela√ß√£o aos 0,70% relativos ao m√™s de agosto (alta de 0,82 ponto percentual de um m√™s para outro).

Os dados foram divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Funda√ß√£o Get√ļlio Vargas (Ibre) e indicam que a taxa acumulada nos √ļltimos 12 meses chegou a 10,4%, enquanto a infla√ß√£o acumulada no ano ficou em 8,29%. Em setembro do ano passado, o √≠ndice subiu 0,47% e acumulou queda de 1,45% em 12 meses.

A alta reflete acelera√ß√£o de pre√ßos do √ćndice de Pre√ßos ao Produtor (IPA), que tem peso de 60% na composi√ß√£o do IGP-M, e do √ćndice de Pre√ßos ao Consumidor, com peso de 30%.

Preços ao produtor

A principal press√£o inflacion√°ria em setembro veio do √ćndice de Pre√ßos ao Produtor Amplo (IPA), que passou de 1,0% em agosto para 2,19% em setembro ‚Äď alta de 1,19 ponto percentual.

Na análise por estágios de processamento, a taxa do grupo Bens Finais variou 1,0% em setembro, contrai nflação negativa de 0,12% no mês anterior. A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa de variação passou de 0,02% para 8,21%, no mesmo período.

O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou alta de 0,45% em setembro, ante 0,24% de agosto; enquanto o grupo Bens Intermediários avançou de 0,80% para 2,24% em setembro.

Bens Intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, subiu 1,75% em setembro, ante 0,83% em agosto, e o grupo Matérias-Primas Brutas subiu 3,53% em setembro. Em agosto, o índice registrou alta de 2,61%.

IPC e INCC

O √ćndice de Pre√ßos ao Consumidor (IPC) fechou setembro com alta de 0,23 ponto percentual, ao passar de 0,05% para 0,28% de agosto para setembro. Cinco das oito classes de despesa componentes do √≠ndice registraram avan√ßo em suas taxas de varia√ß√£o.

A principal contribuição partiu do grupo Transportes, que saiu de uma deflação de 0,29% para uma alta de 0,59%. Também apresentaram avanço em suas taxas de variação os grupos Educação, Leitura e Recreação (-0,41% para 0,52%), Vestuário (-0,44% para 0,57%), Alimentação (-0,15% para 0,01%) e Despesas Diversas (0,41% para 0,46%).

J√° o √ćndice Nacional de Custo da Constru√ß√£o (INCC) subiu 0,17% em setembro, contra 0,30% em agosto. O √≠ndice relativo a Materiais, Equipamentos e Servi√ßos ficou em 0,38%. No m√™s anterior, a taxa havia sido de 0,65%. O √≠ndice que representa o custo da m√£o de obra n√£o registrou varia√ß√£o pelo segundo m√™s consecutivo.

Fonte: EBC ‚Äď Ag√™ncia Brasil: Nielmar Oliveira

PUBLICIDADE