PUBLICIDADE

brasil

Enfermeira pega Covid-19 antes de tomar a segunda dose da vacina

A enfermeira Maria Angélica de Carvalho Sobrinho, a primeira pessoa a ser vacinada contra a covid-19 na Bahia, foi diagnosticada com a doença antes de receber a segunda dose do imunizante.

A profissional de sa√ļde, que tem 53 anos e trabalha na linha de frente de combate ao¬†coronav√≠rus¬†no Instituto Couto Maia, est√° internada com sintomas leves na pr√≥pria unidade de sa√ļde. Ela tomou a primeira dose da CoronaVac no dia 19 de janeiro e come√ßou a apresentar os sintomas da doen√ßa, como febre e mal-estar, tr√™s dias antes de receber a segunda dose, que aconteceria no dia 16 de fevereiro.

Ela ressalta que não é uma situação excepcional, já que a proposta da vacina é que sejam aplicadas as duas doses para que a imunidade conferida pelo imunizante possa ser atingida.

A médica infectologista Ceuci Nunes, diretora geral do Couto Maia, explicou ao G1 para a vacinação atingir a eficácia máxima, é preciso que a pessoa tome as duas doses e respeite a janela imunológica.

Ou seja, depois de tomar a vacina, é preciso respeitar o período que o organismo leva para produzir os anticorpos conferidos pelo imunizante e também continuar mantendo todas as medidas de proteção, como lavagem de mãos e uso de máscara.

‚ÄúN√£o √© √† toa que a vacina s√£o duas doses. Todas as vacinas, at√© o momento, a exig√™ncia √© de duas doses. Exatamente porque na segunda dose se faz um refor√ßo, aumenta a prote√ß√£o. Claro que algumas pessoas j√° v√£o ter a prote√ß√£o ap√≥s a primeira dose, mas essa prote√ß√£o pode n√£o ser suficiente e a segunda dose √© necess√°ria‚ÄĚ, explica a m√©dica.

Além disso, os estudos mostram que as vacinas protege bem de formas graves e reduz a hospitalização, porém não apontam que os imunizantes são capazes de evitar a infecção.

PUBLICIDADE