PUBLICIDADE

brasil

Crime, viol√™ncia e sa√ļde s√£o as quest√Ķes que mais preocupam os brasileiros, aponta pesquisa

Globalmente, as preocupa√ß√Ķes s√£o parecidas, mas o desemprego √© considerado o problema principal para 33% dos entrevistados

Crime, viol√™ncia e sa√ļde s√£o as quest√Ķes que mais preocupam os brasileiros, mostra a nova pesquisa global ‚ÄúWhat Worries the World‚ÄĚ, da Ipsos, que mostra os 15 temas que mais preocupam a popula√ß√£o mundial e lista os cinco principais em cada um dos 28 pa√≠ses participantes.

No Brasil, cinco em cada dez entrevistados (47%) acreditam que o crime e a viol√™ncia s√£o os piores problemas. O sistema de sa√ļde tamb√©m foi bastante lembrado, aparecendo logo em seguida, com 46%. Completam o top 5: desemprego (39%), corrup√ß√£o financeira e pol√≠tica (38%) e educa√ß√£o (36%).

‚ÄúAinda que o desemprego afete milh√Ķes de pessoas, o crime a viol√™ncia s√£o fatores que afetam toda a popula√ß√£o. Em termos de prioridade, a criminalidade √© mais universal porque afeta todos. Isso quer dizer que o brasileiro n√£o consegue nem sequer se preocupar com outras quest√Ķes que n√£o sejam as mais b√°sicas‚ÄĚ, afirma Marcos Calliari, CEO da Ipsos.

As cinco principais preocupa√ß√Ķes globais s√£o parecidas com as brasileiras, mas em posi√ß√Ķes diferentes. O desemprego √© o principal, com 33%. Em seguida est√£o: pobreza e desigualdade social (32%), corrup√ß√£o financeira e pol√≠tica (31%), crime e viol√™ncia (30%) e cuidados de sa√ļde (25%).

O levantamento mostra que o desemprego n√£o era um dos principais assuntos para os brasileiros at√© maio de 2015, quando o tema ganhou relev√Ęncia como umas das principais preocupa√ß√Ķes. Globalmente, por outro lado, a preocupa√ß√£o com o desemprego caiu.

‚ÄúA preocupa√ß√£o com desemprego continua muito alta no Brasil e com tend√™ncia de prosseguir. N√£o seria uma surpresa que o tema continue ganhando preval√™ncia‚ÄĚ, ressalta Calliari.

Além disso, a pesquisa aponta que mais da metade dos brasileiros (59%) acredita que as coisas no país estão no caminho errado. O índice está muito próximo o global (58%).

Brasil e o mundo

O M√©xico √© o pa√≠s mais preocupado com crime e viol√™ncia, com 68%, seguido por √Āfrica do Sul (61%) e Peru (55%). O Brasil est√° na sexta coloca√ß√£o, com 47%. Na outra ponta, a Hungria √© o que menos teme esse t√≥pico, com 7%.

Quando a quest√£o √© o sistema de sa√ļde, o Brasil √© a terceira na√ß√£o que mais se preocupa com o tema, com 46%, atr√°s apenas de Hungria (70%) e Pol√īnia (56%). A Turquia (2%) √© o pa√≠s que acha a quest√£o menos preocupante.

Apesar de não ser a principal preocupação do Brasil, o país é o que mais considera a educação como um problema, com 36%. Em seguida estão Israel (34%) e Chile (33%). A Suécia é o que menos se aflige, com 8%.

O Brasil e o México são os que menos se preocupam com o declínio da moral (7%). O índice está abaixo da média global, de 15%. China (32%) e Japão (31%) são os que mais ficam inquietos com o tema.

O Brasil também é o que menos encara o controle de imigrantes como um problema, juntamente com a Coreia do Sul, ambos com 2%. No mundo, o índice é de 14%. Alemanha (34%), Estados Unidos (33%) e Suécia (32%) são os que mais se preocupam.

√Āfrica do Sul e Brasil s√£o as na√ß√Ķes que menos se preocupam com as mudan√ßas clim√°ticas (2%). O resultado global √© bem mais alto: 13%. O Canad√° √© o pa√≠s que mais considera o tema, com 29%.

A pesquisa online foi realizada com 19,5 mil entrevistados em 28 países, incluindo o Brasil, entre 19 de abril e 3 de maio de 2019. A margem de erro para o Brasil é de 3,1 p.p.