PUBLICIDADE

brasil

Correios aguardam decisão da Justiça sobre greve de trabalhadores

Ape¬≠sar de ter parte do con¬≠tin¬≠gente fun¬≠cional par¬≠al¬≠isa¬≠do des¬≠de o dia 17 de agos¬≠to, os Cor¬≠reios reg¬≠is¬≠traram, nas √ļlti¬≠mas qua¬≠tro sem¬≠anas, mais de 187 mil¬≠h√Ķes de car¬≠tas e encomen¬≠das entregues em todo o pa√≠s.

Ap√≥s suces¬≠si¬≠vas ten¬≠ta¬≠ti¬≠vas de nego¬≠ci¬≠a√ß√£o, os Cor¬≠reios anun¬≠cia¬≠ram que aguardam decis√£o judi¬≠cial sobre a greve para nor¬≠malizar as ativi¬≠dades opera¬≠cionais. Segun¬≠do nota divul¬≠ga¬≠da pela empre¬≠sa, as nego¬≠ci¬≠a√ß√Ķes estavam sendo feitas des¬≠de jul¬≠ho, e visavam preser¬≠var a sa√ļde finan¬≠ceira da estatal com cortes de priv¬≠il√©¬≠gios e ‚Äúade¬≠qua√ß√£o √† real¬≠i¬≠dade do pa√≠s‚ÄĚ. O jul¬≠ga¬≠men¬≠to da a√ß√£o de dis¬≠s√≠¬≠dio cole¬≠ti¬≠vo est√° mar¬≠ca¬≠do para a pr√≥x¬≠i¬≠ma segun¬≠da-feira (21).

Em comu¬≠ni¬≠ca¬≠do, os Cor¬≠reios afir¬≠mam que os ter¬≠mos exigi¬≠dos pelos fun¬≠cion√°rios para a retoma¬≠da reg¬≠u¬≠lar das ativi¬≠dades p√Ķem em risco a econo¬≠mia que vin¬≠ha sendo apli¬≠ca¬≠da. A empre¬≠sa reg¬≠is¬≠tra pre¬≠ju√≠¬≠zo acu¬≠mu¬≠la¬≠do de R$ 2,4 bil¬≠h√Ķes e esper¬≠a¬≠va econ¬≠o¬≠mizar cer¬≠ca de R$ 800 mil¬≠h√Ķes ao ano. Segun¬≠do a estatal, esse val¬≠or, em tr√™s anos, cobriria o d√©ficit finan¬≠ceiro atu¬≠al.

‚Äú√Č evi¬≠dente, por¬≠tan¬≠to, que n√£o h√° margem para pro¬≠postas incom¬≠pat√≠veis com a situ¬≠a√ß√£o econ√īmi¬≠ca atu¬≠al da insti¬≠tu¬≠i√ß√£o e do pa√≠s, o que exclui de qual¬≠quer nego¬≠ci¬≠a√ß√£o a pos¬≠si¬≠bil¬≠i¬≠dade de con¬≠ced¬≠er rea¬≠justes‚ÄĚ, reg¬≠is¬≠tra a nota.

A empre¬≠sa lamen¬≠ta ain¬≠da o con¬≠tex¬≠to da pan¬≠demia, e afir¬≠ma que a explos√£o do e‚ÄĎcommerce ‚Äď o com√©r¬≠cio eletr√īni¬≠co, que depende exclu¬≠si¬≠va¬≠mente do servi√ßo de trans¬≠porte e log√≠s¬≠ti¬≠ca para a entre¬≠ga de mer¬≠cado¬≠rias, ‚Äď seria uma for¬≠ma de ‚Äúala¬≠van¬≠car o neg√≥¬≠cio em um dos poucos setores com capaci¬≠dade para crescer neste per√≠o¬≠do.‚ÄĚ

Greve

Segun­do a Fed­er­ação Nacional dos Tra­bal­hadores em Empre­sas dos Cor­reios e Sim­i­lares (Fen­tect), parte dos tra­bal­hadores decid­iu cruzar os braços em protesto con­tra a pro­pos­ta de pri­va­ti­za­ção da estatal e pela manutenção de bene­fí­cios tra­bal­his­tas. Os fun­cionários pedem ain­da rea­justes salari­ais.

A Ag√™n¬≠cia Brasil entrou em con¬≠ta¬≠to com a Fen¬≠tect e aguar¬≠da man¬≠i¬≠fes¬≠ta√ß√£o da fed¬≠er¬≠a√ß√£o.

Edição: Juliana Andrade/AB

PUBLICIDADE