PUBLICIDADE

brasil

Brasileiros podem a pagar mais por companhias aéreas comprometidas em reduzir o impacto ambiental

Com o aumento da popula√ß√£o e a maior facilidade de acesso a viagens a√©reas, a avia√ß√£o civil internacional √© s√©ria candidata a assumir a lideran√ßa dos maiores emissores de g√°s carbono do planeta j√° em 2050, quando o setor dever√° produzir um quinto das emiss√Ķes globais.¬†“Se a avia√ß√£o civil internacional fosse um pa√≠s, j√° estaria entre os 10 maiores emissores do planeta. √Č urgente atacar essa quest√£o de forma imediata”, destaca o gerente de Mudan√ßas Clim√°ticas do Instituto de Conserva√ß√£o e Desenvolvimento Sustent√°vel da Amaz√īnia – IDESAM, Pedro Soares.

Esses dados preocupantes levaram a Organiza√ß√£o Internacional da Avia√ß√£o Civil – ICAO a estabelecer o primeiro acordo global a fim de limitar as emiss√Ķes do setor a partir de 2021. Para isso, criou o CORSIA –¬† Esquema de Redu√ß√£o de Emiss√Ķes da Avia√ß√£o Civil Internacional, que ser√° implementado em tr√™s fases. As duas primeiras, entre 2021 e 2026, ser√£o por ades√£o volunt√°ria, e a partir de 2027, se tornar√£o mandat√≥rias para todos os pa√≠ses da ICAO, incluindo o Brasil.

Para entender os h√°bitos de consumo, percep√ß√£o e opini√Ķes dos brasileiros sobre o tema, a Alian√ßa REDD+ Brasil encomendou uma pesquisa ao IDEIA Big Data que foi conduzida junto a 800 passageiros de voos internacionais entre os dias 1¬ļ e 10 de abril. Todos os entrevistados viajaram de avi√£o para fora do pa√≠s nos √ļltimos 12 meses ou pretendem viajar nos pr√≥ximos 12 meses, e s√£o respons√°veis pelo pagamento da pr√≥pria passagem a√©rea.

 - REVISTA MAISJR

O estudo revelou que 89% dos entrevistados n√£o conseguem citar nenhuma companhia que tenha preocupa√ß√£o com a redu√ß√£o de carbono ou compensa√ß√£o, assim como tamb√©m n√£o se posicionaram sobre a afirma√ß√£o das companhias estarem prejudicando o meio ambiente – 52% n√£o concordaram, nem discordaram. Por√©m, a grande maioria (75%) consente que voar em uma companhia √°rea que se preocupa com a redu√ß√£o de carbono √© importante. “Em geral, jovens demonstram maior preocupa√ß√£o com as emiss√Ķes de carbono emitidas durante voos internacionais de longa dura√ß√£o e seus impactos no meio ambiente”, destaca Pedro Soares.

Ao decidir comprar uma passagem a√©rea para viajar para fora do pa√≠s, quase metade dos entrevistados revela n√£o possuir preocupa√ß√£o com as emiss√Ķes de carbono.¬†Ainda assim, sete em cada 10 entrevistados acreditam que companhias a√©reas que se comprometem a reduzir ou compensar essas emiss√Ķes ter√£o maior prefer√™ncia dos clientes. As mulheres tendem a concordar mais com a afirma√ß√£o (75%) se comparado com os homens (65%). 68% dos respondentes mostraram disposi√ß√£o at√© de pagar entre R$5 e R$8 a mais por bilhete¬†se soubessem que o valor seria revertido para redu√ß√£o ou compensa√ß√£o das emiss√Ķes de carbono do seu voo. Apenas 18% n√£o est√£o dispostos a pagar a mais por isso. “Os consumidores est√£o cada vez mais conscientes de sua responsabilidade nas emiss√Ķes de carbono e precisam compartilhar os custos do combate √†s mudan√ßas clim√°ticas. As companhias a√©reas que se anteciparem na ado√ß√£o dessas a√ß√Ķes ter√£o mais chances de fidelizar esses clientes”, destaca a coordenadora de Incentivos Econ√īmicos para Conserva√ß√£o do Instituto Centro de Vida – ICV, Paula Bernasconi.

Com rela√ß√£o √†s medidas que poderiam ser adotadas para ajudar a reduzir os preju√≠zos ao meio ambiente, a maioria (57%) avalia que a melhor estrat√©gia seria o uso de biocombust√≠veis ou melhorias tecnol√≥gicas nas aeronaves. A segunda melhor op√ß√£o, considerada por 39%, √© a conserva√ß√£o ambiental e a biodiversidade, com apoio a programas de reflorestamento e conserva√ß√£o florestal. “A vincula√ß√£o do CORSIA a mecanismos de mercado, como a aquisi√ß√£o de cr√©ditos florestais certificados oriundos da redu√ß√£o do desmatamento¬†√© a estrat√©gia mais eficiente, barata e imediata para reduzir emiss√Ķes no pa√≠s, promovendo¬†incentivos reais √† conserva√ß√£o da Floresta Amaz√īnica e combatendo o desmatamento”, afirma o coordenador de Projetos da Biofilica, Caio Gallego.

Por fim, a terceira medida para diminui√ß√£o ou compensa√ß√£o das emiss√Ķes em voos internacionais, preferida por 31%, √© por meio do apoio a projetos de efici√™ncia energ√©tica. “O investimento em biocombust√≠veis e em melhorias tecnol√≥gicas das aeronaves deve ser a principal estrat√©gia do setor no m√©dio e longo prazo. Por√©m, devido a urg√™ncia das mudan√ßas clim√°ticas, novos investimentos em a√ß√Ķes de conserva√ß√£o das florestas e da biodiversidade √© fundamental”, conclui Pedro Soares.