brasildossiê

Preço do aluguel fica estável em setembro, após 9 meses em alta

O preço do aluguel de imóveis estabilizou em setembro após nove meses seguidos de alta, segundo o Índice FipeZap. O indicador acompanha o preço médio de imóveis anunciados para alugar em 15 cidades brasileiras.

Em setembro, a variação média ficou em -0,01%, abaixo da inflação medida pelo IPCA no mesmo período, de 0,48%

No ano, o preço médio de locação acumulou alta de 2,06%. Já nos últimos 12 meses, o avanço acumulado foi de 1,72%, enquanto a inflação acumulada no mesmo período foi de 4,53%.

Isso significa que, considerando a inflação, o preço médio dos imóveis sofreu uma queda real nos últimos 12 meses. Por isso, locatários têm poder de barganha para negociar preço na hora de fechar contrato ou reajustar o aluguel.

Preço por cidade

Em setembro, 9 das 15 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap registraram alta no preço médio do aluguel residencial, com destaque para as variações observadas em São Bernardo do Campo (2,28%), Belo Horizonte (1,13%) e Recife (0,92%).

Já entre as cidades que registraram queda nos preços de locação residencial no período, vale citar Fortaleza (-1,32%), Rio de Janeiro (-0,54%) e Goiânia (-0,41%). Nas cidades em que o preço está caindo, o poder do locatário para negociar preço é maior.

Em setembro, o retorno médio para investidores que optaram por alugar seu imóvel foi de 4,40% ao ano. A taxa avalia o retorno médio que um proprietário teria em 12 meses com a locação do imóvel, sem considerar possível ganhos com valorização ou desvalorização decorrente do aumento ou da queda no preço dos imóveis no período.

Retorno do investimento em imóveis

A rentabilidade do aluguel é calculada por meio da divisão entre o preço médio de locação mensal e o preço médio de venda mensal. A taxa ao ano é obtida multiplicando-se o resultado por 12.

O retorno do aluguel de imóveis ficou abaixo da taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,50% ao ano. A taxa está no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986.

Ou seja, há outras opções de investimentos de renda fixa mais atraentes do que o aluguel de imóveis. Os fundos imobiliários também são alternativas para quem gosta de investir em imóveis, mas busca retornos maiores.

Fonte: Exame – Seu dinheiro

Fotos: Divulgação

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista