5.1 // carros5.2 // motos

Moto elétrica? Fabricante de motos confirma que essa será sua primeira aquisição para “estradas mais limpas”

A icônica fabricante de motocicletas Harley-Davidson, quem diria, confirmou que vai mesmo circular por estradas mais limpas, se comprometendo a utilizar tecnologia elétrica em nome de um futuro mais sustentável para o planeta. E, também, é claro, para não ficar atrás de seus concorrentes.

Quem acompanha a jornada da marca, viu que em 2014 a fabricante anunciou que iria construir sua primeira moto totalmente elétrica. Naquele momento, o discurso parecia distante, mas depois de encerrar 2017 com números de vendas apenas discretos, o então presidente da marca, Matthew Levatich, anunciou recentemente que o projeto LiveWire chegará ao mercado já em 2019.

Mas o terreno é árido. Ainda mais quando se fala em motos Harley-Davidson, equipadas com seus enormes motores despejando roncos nervosos e muito barulho pelos escapamentos. Por esse motivo, segundo o CEO, a H-D tratou de colher a opinião de mais de 12 mil motociclistas antes de iniciar o projeto, para poder lançá-lo no mercado no tempo recorde de 18 meses. Lembrando que até o momento o LiveWire ainda é um protótipo.

Quando chegar aos showrooms, seus apreciadores talvez se esqueçam das vibrações dos motores e dos decibéis característicos dos atuais modelos e se concentrem “apenas” em seu visual moderno e minimalista. Uma das vantagens do felizardo que comprar um desses exemplares, é que ele não vai precisar desligar a ignição antes de entrar na garagem, sob o risco de acordar a família inteira.

Afinal, seu motor com hélice elétrica de 74 cv, deverá ser bem silencioso. Com ele, a motoca promete ir aos 100 km/h em menos de 4 segundos, além de atingir os 150 km/h de máxima(sim cara! ela preza pela autonomia). Será que a galera rock n’ roll vai curtir?

Com a iniciativa, a H-D tentará irá não só inserir a montadora em um novo cenário, onde as principais montadoras de veículos já estão migrando.

Fonte: Auto Esporte

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista