PUBLICIDADE

mundo

Justiça belga reabre caso sobre o desaparecimento de Maddie McCann

A Justi√ßa bel¬≠ga decid¬≠iu reabrir a inves¬≠ti¬≠ga√ß√£o sobre o assas¬≠si¬≠na¬≠to de uma ado¬≠les¬≠cente alem√£ na B√©l¬≠gi¬≠ca em 1996, dev¬≠i¬≠do a uma pos¬≠s√≠v¬≠el lig¬≠a√ß√£o com Chris¬≠t¬≠ian B., o novo sus¬≠peito no caso do desa¬≠parec¬≠i¬≠men¬≠to da brit√Ęni¬≠ca Madeleine McCann em Por¬≠tu¬≠gal em 2007.

Car¬≠o¬≠la Titze, uma ado¬≠les¬≠cente alem√£ de 16 anos, foi encon¬≠tra¬≠da mor¬≠ta, com o cor¬≠po muti¬≠la¬≠do, em jul¬≠ho de 1996, em Le Coq (De Haan, em fla¬≠men¬≠go). A Pro¬≠mo¬≠to¬≠ria de Bruges (noroeste) ‚Äúreabriu, de fato, o proces¬≠so ref¬≠er¬≠ente a esse assas¬≠si¬≠na¬≠to‚ÄĚ, disse nes¬≠ta quin¬≠ta-feira √† AFP uma por¬≠ta-voz da Pro¬≠mo¬≠to¬≠ria, Fien Mad¬≠dens, sem mais detal¬≠h¬≠es.

Na época, Car­o­la Titze pas­sa­va férias com seus pais em Le Coq e, após a descober­ta de seu cor­po, a inves­ti­gação foi dire­ciona­da a um sus­peito alemão de vinte e poucos anos, com quem a víti­ma saíra pouco tem­po antes de sua esta­dia.

Este √ļlti¬≠mo se gabara de seu pas¬≠sa¬≠do crim¬≠i¬≠noso, segun¬≠do a m√≠dia bel¬≠ga, mas jamais foi encon¬≠tra¬≠do.

Ap√≥s a iden¬≠ti¬≠fi¬≠ca√ß√£o de um novo sus¬≠peito alem√£o no caso Mad¬≠die, o juiz de inves¬≠ti¬≠ga√ß√£o bel¬≠ga encar¬≠rega¬≠do na √©poca do proces¬≠so Titze, Paul Gevaert, esti¬≠mou que ‚Äúhavia cer¬≠ta¬≠mente um elo a ser inves¬≠ti¬≠ga¬≠do‚ÄĚ.

‚ÄúA descri√ß√£o (deste alem√£o, Chris¬≠t¬≠ian B., hoje com 43 anos) coin¬≠cide. O fato de ele estar em Por¬≠tu¬≠gal h√° tan¬≠to tem¬≠po expli¬≠caria por que nun¬≠ca o encon¬≠tramos‚ÄĚ, disse ao jor¬≠nal De Stan¬≠daard o juiz, ago¬≠ra aposen¬≠ta¬≠do. Sua inves¬≠ti¬≠ga√ß√£o foi encer¬≠ra¬≠da em 2016.

No caso Mad­die, a polí­cia alemã anun­ciou em 3 de jun­ho que está inves­ti­gan­do um novo sus­peito, Chris­t­ian B., atual­mente encar­cer­a­do em Kiel, no norte da Ale­man­ha, por trá­fi­co de dro­gas.

Ago¬≠ra, ele √© sus¬≠peito do assas¬≠si¬≠na¬≠to da meni¬≠na brit√Ęni¬≠ca que tin¬≠ha 3 anos quan¬≠do desa¬≠pare¬≠ceu em Por¬≠tu¬≠gal, em maio de 2007, um caso cer¬≠ca¬≠do de mis¬≠t√©rio que pas¬≠sou por muitas revi¬≠ra¬≠voltas.

Chris­t­ian B., pedó­fi­lo rein­ci­dente, teve que ser colo­ca­do em uma cela solitária por motivos de segu­rança.

Ele se recusa a falar sobre o caso Mad­die, segun­do afir­mou um de seus advo­ga­dos a um canal de notí­cias alemão.

A Justiça alemã tam­bém indi­cou estu­dar um pos­sív­el para­le­lo entre o desa­parec­i­men­to de uma meni­na há cin­co anos na Ale­man­ha e o de Madeleine McCann.

Além dis­so, em Por­tu­gal, o padras­to de uma meni­na de 8 anos que desa­pare­ceu em 2004 pediu à impren­sa que as autori­dades inves­ti­gassem Chris­t­ian B. por este caso que nun­ca foi esclare­ci­do.

A peque­na Joana Cipri­ano desa­pare­ceu em setem­bro de 2004 na vila de Figueira, não muito longe da Pra­ia da Luz, no Algarve (sul), onde Mad­die desa­pare­ceu em 3 de maio de 2007. Ela tam­bém nun­ca foi encon­tra­da.

Solic­i­ta­da pela AFP em Lis­boa, a polí­cia judi­cial ain­da não reag­iu.

Na ter√ßa-feira, o Min¬≠ist√©rio P√ļbli¬≠co por¬≠tugu√™s expli¬≠cou que tin¬≠ha sido capaz de vin¬≠cu¬≠lar o sus¬≠peito alem√£o a out¬≠ros casos em Por¬≠tu¬≠gal, mas n√£o men¬≠cio¬≠nou o desa¬≠parec¬≠i¬≠men¬≠to de Joana.

Por France Presse / Foto: Handout/Metropolitan Police /AFP 

PUBLICIDADE