PUBLICIDADE

economia

Ind√ļstria cresce no Nordeste e Sul, j√° em SP e RJ t√™m queda

A pro¬≠du√ß√£o da ind√ļs¬≠tria cresceu em setem¬≠bro em 10 dos 15 esta¬≠dos pesquisa¬≠dos pelo Insti¬≠tu¬≠to Brasileiro de Geografia e Estat√≠s¬≠ti¬≠ca (IBGE), que divul¬≠gou na sex¬≠ta-feira (8) os resul¬≠ta¬≠dos region¬≠ais dos Indi¬≠cadores Con¬≠jun¬≠tu¬≠rais da Ind√ļs¬≠tria. As regi√Ķes Sul e Nordeste tiver¬≠am alta nos resul¬≠ta¬≠dos, na com¬≠para¬≠√ß√£o com o m√™s de agos¬≠to, enquan¬≠to hou¬≠ve que¬≠da em parte do Sud¬≠este, no Norte e em Goi√°s.

Os resul¬≠ta¬≠dos region¬≠ais detal¬≠ham a m√©dia nacional divul¬≠ga¬≠da no in√≠¬≠cio do m√™s, que foi uma alta de 0,3% na com¬≠para¬≠√ß√£o com agos¬≠to.

O Sud¬≠este, S√£o Paulo e o Rio de Janeiro tiver¬≠am recu¬≠os no setor em setem¬≠bro. A ind√ļs¬≠tria paulista caiu 1,4%, enquan¬≠to a flu¬≠mi¬≠nense, 0,6%. Minas Gerais e o Esp√≠ri¬≠to San¬≠to, por out¬≠ro lado, tiver¬≠am altas de 2,4% e 2,5%, respec¬≠ti¬≠va¬≠mente.

O √≠ndice ger¬≠al da Regi√£o Nordeste teve alta de 3,3%, pux¬≠a¬≠do prin¬≠ci¬≠pal¬≠mente pela Bahia, onde a ind√ļs¬≠tria avan√ßou 4,3%. Os out¬≠ros dois esta¬≠dos da regi√£o que fazem parte da pesquisa tam¬≠b√©m tiver¬≠am alta: Cear√° (0,2%) e Per¬≠nam¬≠bu¬≠co (2,3%).

No Sul, os três esta­dos reg­is­traram expan­são, sendo de 1,3% no Paraná, 2,1% em San­ta Cata­ri­na e 2,9% no Rio Grande do Sul.

A maior que­da foi reg­istra­da no Pará, de 8,3%, e o Ama­zonas tam­bém teve recuo, de 1,6%. No Cen­tro-Oeste, Mato-Grosso teve alta de 2%, e Goiás caiu 0,1%.

Quan¬≠do os resul¬≠ta¬≠dos region¬≠ais s√£o com¬≠para¬≠dos com setem¬≠bro de 2018, sete esta¬≠dos e a Regi√£o Nordeste apre¬≠sen¬≠tam que¬≠da, e seis esta¬≠dos tiver¬≠am alta na pro¬≠du√ß√£o, ape¬≠sar de setem¬≠bro de 2019 ter con¬≠ta¬≠do com dois dias √ļteis a mais que o mes¬≠mo m√™s do ano pas¬≠sa¬≠do. O Cear√° teve zero de vari¬≠a√ß√£o nes¬≠sa base de com¬≠para¬≠√ß√£o.

Entre os seis que cresce­r­am frente a 2018, desta­cam-se o Ama­zonas, com alta de 16,7%. Paraná (7,4%), Rio de Janeiro (7,0%), San­ta Cata­ri­na (5,2%), São Paulo (3,6%) e Goiás (1,6%). O Espíri­to San­to (-14,1%) e Per­nam­bu­co (-7,6%) se destacaram no sen­ti­do con­trário, com as maiores quedas.

Ao lon­go de 2019, o Brasil acu­mu­la que­da de 1,4% na pro­dução indus­tri­al, e sete esta­dos acom­pan­ham o resul­ta­do neg­a­ti­vo: Pará (-1,1%), Per­nam­bu­co (-3%), Bahia (-2,9%), Minas Gerais (-4,6%), Espíri­to San­to (-13%), São Paulo (-0,1%) e Mato Grosso (-4,2%), além da Região Nordeste (-4,3%). A maior alta no acu­mu­la­do de 2019 é do Paraná, com 6,7%.

Os dados de setem­bro encer­ram o ter­ceiro trimestre de 2019, e a pro­dução teve que­da de 1,2% na com­para­ção com o mes­mo trimestre do ano ante­ri­or. Seis esta­dos e a Região Nordeste tiver­am que­da no trimestre, enquan­to oito tiver­am alta.

Fonte: Agên­cia Brasil

PUBLICIDADE