dossiêpolítica

Doria vai rever viagens fora das férias de servidor

R$ 5.200

Isso é o que ganha Damocles Eliezer Fernandes, assessor da Secretaria de Esportes.

Ele nada mais é do que o responsável por coordenar os mais de 300 clubes da Prefeitura que funcionam em São Paulo.

Só que entre 30 de outubro e 14 de novembro, ele esteve bem longe desses equipamentos públicos. Mais especificamente em praias e restaurantes de Miami e Orlando, nos Estados Unidos.

Damocles não estava de férias. Foi autorizado a faltar pelo próprio Secretário de Esportes, Jorge Damião, de quem é próximo desde antes da campanha eleitoral de João Doria.

O secretário diz que as folgas não foram privilégios, mas uma compensação por Fernandes ter trabalhado aos finais de semana. No entanto, ele reconhece que isso será revisto.

“Seguramente nós vamos rever, o prefeito inclusive nos orientou isso. Seguramente nós vamos rever. Mas eu não posso deixar de dizer a verdade sobre esse servidor que trabalhou todos os finais de semana durante o ano inteiro. Mas é óbvio que nós vamos rever isso. O número de servidores também ele acaba sendo um pouco menor do que o necessário. Nós somos obrigados a enxugar, sabe, pra poder fechar a conta? Então eu não queria levar pra esse lado de ‘existe privilégios’ e ‘não existe privilégios'”, diz ele.

Depois de a CBN revelar que funcionários com cargos de confiança da prefeitura viajavam para o exterior marcando faltas na ficha de ponto, o vereador Reis, do PT, decidiu entrar com pedidos de investigação no Ministério Público e na Prefeitura.

“Tem uma ilegalidade que precisa ser investigada e comprovada. Nós entramos com uma representação no Ministério Público e também entramos com uma representação no gabinete do prefeito requerendo que o prefeito também possa instaurar uma sindicância pra apurar as responsabilidades. Não podemos compactuar com essa forma de gestão como se eles fossem donos da administração, donos da prefeitura”, diz.

Embora tenha defendido os funcionários comissionados que viajaram, o próprio prefeito João Doria reconheceu que o procedimento será revisto.

“Esses servidores primeiro não viajaram com dinheiro público. Pediram licença não remunerada durante esse período. E aproveitaram períodos de feriados e prolongaram os feriados. Portanto não houve nenhuma ilegalidade. Eles ao viajarem não usaram diárias, nem dinheiro público, nem compra de passagens e nem receberam salários. Eles abriram mão dos seus salários no período das suas viagens. Mas já orientei o Bruno mesmo assim para que evite procedimentos como esse e autorizações desse tipo nos próximos meses, seja quem for o servidor”, declarou Doria.

Em nota, a Prefeitura alegou que em diversas ocasiões o funcionário citado trabalhou 20 dias corridos e a autorização para a ausência funciona como compensação. Disse também que na mesma rede social onde foram encontradas fotos de Damocles nos Estados Unidos, existem imagens em que ele aparece trabalhando na gestão pública.

 

 

Foto: Reprodução

Fonte: Pedro Durán/CBN

 

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista