PUBLICIDADE

economia

Como se planejar financeiramente para as férias de fim de ano

O fim do ano se aprox­i­ma e, com ele, vem tam­bém o dese­jo de des­cansar após uma inten­sa roti­na de tra­bal­ho, estu­dos e muitas tare­fas. Aproveitar as férias para relaxar e via­jar com a família ou com os ami­gos é sem­pre uma boa opção. Mas colo­car esta ideia em práti­ca requer plane­ja­men­to finan­ceiro.

Não é pre­ciso desi­s­tir da viagem de férias por con­ta do din­heiro. Para quem plane­ja um pas­seio, a dica é se orga­ni­zar para faz­er com que os cus­tos caibam den­tro do orça­men­to. Tam­bém é impor­tante se preparar para que ao retornar das férias, a vida finan­ceira não entre em dese­qui­líbrio. Por isso, primeira­mente, o ide­al é colo­car na pon­ta do lápis todos os gas­tos.

Anote todas as despe­sas

Passe para o papel o val­or total da sua despe­sa men­sal. Vale ressaltar que será necessário ter o din­heiro para pagar as con­tas de dois meses, aque­le no qual será real­iza­da a viagem e no seguinte a ela.

Uma ori­en­tação impor­tante é que se a viagem for real­iza­da em dezem­bro, é pre­ciso lem­brar que em janeiro há despe­sas extras como IPTU, IPVA e matrícu­la esco­lar. Todos estes val­ores devem con­star no plane­ja­men­to.

Ap√≥s realizar estas con¬≠tas, o pr√≥x¬≠i¬≠mo pas¬≠so √© pen¬≠sar a viagem. Para definir o des¬≠ti¬≠no, con¬≠verse com todos os via¬≠jantes. √Č acon¬≠sel¬≠h√°v¬≠el que a fam√≠lia, o casal ou o grupo de ami¬≠gos ten¬≠ha tr√™s des¬≠ti¬≠nos em mente que sejam difer¬≠entes em rela√ß√£o ao pre√ßo e √† dis¬≠t√Ęn¬≠cia. Assim, ser√° pos¬≠s√≠v¬≠el anal¬≠is¬≠ar o mel¬≠hor, con¬≠forme o per√≠o¬≠do do ano e a situ¬≠a√ß√£o finan¬≠ceira.

Out­ra questão a ser avali­a­da é qual será o perío­do den­tro das férias em que a viagem irá ocor­rer. Vale pesquis­ar, por exem­p­lo, se há difer­ença no preço das pas­sagens caso a viagem seja fei­ta numa segun­da-feira ou numa quar­ta-feira, por exem­p­lo.

Com estas infor¬≠ma√ß√Ķes, ser√° pos¬≠s√≠v¬≠el pesquis¬≠ar val¬≠ores de hot√©is, pou¬≠sadas, com¬≠pan¬≠hias a√©reas, pas¬≠seios e pacotes de ag√™n¬≠cias de tur¬≠is¬≠mo, entre out¬≠ros. A par¬≠tir des¬≠ta pesquisa √© que ser√£o esti¬≠ma¬≠dos os gas¬≠tos com a viagem. N√£o √© pos¬≠s√≠v¬≠el faz¬≠er c√°l¬≠cu¬≠los exatos, mas garan¬≠tir uma esti¬≠ma¬≠ti¬≠va.

Des­ta for­ma, bas­ta somar o val­or das despe­sas para dois meses com o cus­to total esti­ma­do para a viagem. Este é o din­heiro total necessário para garan­tir o des­can­so das férias e um retorno sem dese­qui­líbrio finan­ceiro.

Para arcar com estes gas¬≠tos, al√©m de con¬≠tar com a ren¬≠da men¬≠sal, uma alter¬≠na¬≠ti¬≠va inter¬≠es¬≠sante √© come√ßar a poupar. At√© a data da viagem √© pos¬≠s√≠v¬≠el econ¬≠o¬≠mizar com as despe¬≠sas que n√£o s√£o fixas. Reduzir os gas¬≠tos nas com¬≠pras do super¬≠me¬≠r¬≠ca¬≠do aprovei¬≠tan¬≠do pro¬≠mo√ß√Ķes, demor¬≠ar menos tem¬≠po no chu¬≠veiro para diminuir a con¬≠ta de ener¬≠gia, pagar bole¬≠tos √† vista para pleit¬≠ear descon¬≠tos e elim¬≠i¬≠nar gas¬≠tos sup√©r¬≠flu¬≠os s√£o boas estrat√©¬≠gias.

Mas ape¬≠nas poupar pode n√£o ser sufi¬≠ciente, por isso, o ide¬≠al √© faz¬≠er o din¬≠heiro econ¬≠o¬≠miza¬≠do ren¬≠der. Neste sen¬≠ti¬≠do, a primeira ideia a ser descar¬≠ta¬≠da √© a cader¬≠ne¬≠ta de poupan√ßa. Isto porque o cen√°rio econ√īmi¬≠co nacional, no qual os juros est√£o em baixa, n√£o favorece este tipo de apli¬≠ca√ß√£o e n√£o h√° expec¬≠ta¬≠ti¬≠vas de que a situ¬≠a√ß√£o seja mod¬≠i¬≠fi¬≠ca¬≠da. A mel¬≠hor alter¬≠na¬≠ti¬≠va √© inve¬≠stir.

Como inve­stir

Para come√ßar a inve¬≠stir para as f√©rias √© necess√°rio con¬≠hecer os pro¬≠du¬≠tos finan¬≠ceiros dispon√≠veis no mer¬≠ca¬≠do. Veja algu¬≠mas op√ß√Ķes:

Tesouro Dire­to

Os t√≠tu¬≠los do Tesouro Dire¬≠to t√™m a garan¬≠tia do Tesouro Nacional, logo, se con¬≠fig¬≠u¬≠ram como o tipo de inves¬≠ti¬≠men¬≠to mais seguro que o mer¬≠ca¬≠do pode ofer¬≠e¬≠cer atual¬≠mente. Al√©m dis¬≠so, tam¬≠b√©m √© a op√ß√£o mais democr√°ti¬≠ca, vis¬≠to que √© pos¬≠s√≠v¬≠el come√ßar a inve¬≠stir com R$ 30. Os pap√©is vari¬≠am con¬≠forme a rentabil¬≠i¬≠dade, e basi¬≠ca¬≠mente, exis¬≠tem tr√™s difer¬≠entes cat¬≠e¬≠go¬≠rias: os index¬≠a¬≠dos ao √ćndice de Pre√ßo ao Con¬≠sum¬≠i¬≠dor (IPCA), √† Sel¬≠ic e os pre¬≠fix¬≠a¬≠dos. Todos s√£o mais ren¬≠t√°veis do que a cader¬≠ne¬≠ta de poupan√ßa.

Cer­ti­fi­ca­do de Depósi­to Bancário (CDB)

Além de ofer­e­cer uma rentabil­i­dade supe­ri­or à cader­ne­ta de poupança, pos­sui a van­tagem de ter a cober­tu­ra do Fun­do Garan­ti­dor de Crédi­to (FGC). Tam­bém pode ter liq­uidez diária.

Letras de Crédi­to Imo­bil­iário (LCI) e Letras de Crédi­to do Agronegó­cio (LCA)

A rentabil­i­dade é supe­ri­or à cader­ne­ta de poupança, garan­tem a isenção de trib­u­tos e a cober­tu­ra do FGC. Tam­bém podem ter liq­uidez diária.

Para começar a inve­stir, é acon­sel­háv­el bus­car a ori­en­tação de uma platafor­ma de inves­ti­men­tos, para aux­il­iar na escol­ha do pro­du­to que será com­patív­el com o seu obje­ti­vo e per­fil de investi­dor.

PUBLICIDADE