PUBLICIDADE

brasil

Como será o pente-fino do governo em benefícios para cortar R$ 25,9 bi

Na √ļltima semana, o ministro da Fazenda,¬†Fernando Haddad, anunciou que o governo far√° corte de R$ 25,9 bilh√Ķes em despesas obrigat√≥rias com o objetivo de cumprir o Marco Fiscal, aprovado no ano passado. O montante vir√° de um ‚Äúpente-fino‚ÄĚ em programas sociais.

O corte era esperado pelo mercado, que, nos √ļltimos dias, viu o d√≥lar enfrentar¬†sucessivas altas em meio √†s d√ļvidas sobre a pol√≠tica fiscal do governo.

Inicialmente, a medida est√° programada para entrar no Or√ßamento de 2025, mas pode ser antecipada conforme o resultado do relat√≥rio de despesas e receitas, a ser apresentado pela equipe econ√īmica neste m√™s.

O governo ainda não detalhou quais programas serão afetados. Segundo o ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, a pasta fará a revisão em cerca de 800 mil cadastros de benefícios, como o auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez. Além disso, o pente-fino deve passar pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e pessoas com deficiência que sejam de baixa renda.

A revis√£o busca identificar aqueles que recebem benef√≠cios de forma indevida.¬† O presidente do¬†INSS, Alessandro Stefanutto, afirmou que h√° cadastros de ‚Äúpessoas fict√≠cias‚ÄĚ, criadas pelo crime organizado para receber, por exemplo, o BPC.

‚ÄúN√≥s n√£o vamos chamar as pessoas com defici√™ncia para fazer per√≠cia, aquela correria. S√£o as pessoas mais vulner√°veis. A gente vai tentar acertar o alvo sem impor um desgaste √†s pessoas‚ÄĚ, pontuou Stefanutto.

Governo quer aprimorar gastos

O presidente¬†Luiz In√°cio Lula da Silva (PT)¬†j√° havia comentado a revis√£o nos cadastros. O¬†chefe do Executivo pontuou a necessidade de aprimorar os gastos. ‚ÄúEstamos fazendo uma opera√ß√£o pente-fino para saber se h√° coisas que voc√™ pode parar de fazer. Voc√™ n√£o pode gastar dinheiro errado‚ÄĚ, frisou o titular do Pal√°cio do Planalto.

‚ÄúSe houver gente que n√£o tem direito [ao benef√≠cio] recebendo, ser√° cortado. Mas todos os pobres ir√£o continuar com seus programas sociais‚ÄĚ, garantiu.

Por Metropoles/ Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil