PUBLICIDADE

brasil

2023 será o ano mais quente já registado

Cientistas da União Europeia disseram nesta quarta-feira que 2023 será o ano mais quente já registrado, já que a temperatura média global nos primeiros 11 meses do ano atingiu o nível mais alto já registrado, 1,46°C (34,63°F) acima. a média de 1850-1900.

O recorde surge num momento em que os governos estão numa maratona de negociações sobre se devem, pela primeira vez, eliminar gradualmente a utilização de carvão, petróleo e gás emissores de CO2, a principal fonte de emissões de aquecimento, na cimeira COP28 no Dubai.

A temperatura no período de janeiro a novembro foi 0,13°C superior à média do mesmo período de 2016, atualmente o ano civil mais quente já registado, informou o Serviço de Alterações Climáticas Copernicus (C3S).

Novembro de 2023 foi o mês de novembro mais quente já registado a nível mundial, com uma temperatura média do ar à superfície de 14,22°C, 0,85°C acima da média de novembro de 1991-2020 e 0,32°C acima do novembro mais quente anterior, em 2020, acrescentou Copernicus.

Este ano “já teve seis meses recordes e duas temporadas recordes. As extraordinárias temperaturas globais de novembro, incluindo dois dias mais quentes do que 2ºC acima da pré-industrial, significam que 2023 é o ano mais quente já registrado na história”, disse a vice-diretora do C3S, Samantha Burgess. em um comunicado.

O outono boreal, de setembro a novembro, também foi o mais quente já registrado em todo o mundo, por uma grande margem, com uma temperatura média de 15,30°C, 0,88°C acima da média, disseram cientistas da UE.

“Enquanto as concentrações de gases com efeito de estufa continuarem a aumentar, não podemos esperar resultados diferentes dos observados este ano. A temperatura continuará a aumentar, assim como os impactos das ondas de calor e das secas. gerenciar nossos riscos climáticos”, acrescentou o diretor do C3S, Carlo Buontempo.

Os esforços para cumprir o objectivo do Acordo de Paris de 2015 de manter o aumento da temperatura global abaixo dos 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais estão aquém dos quais os cientistas alertam para um grave impacto no clima, na saúde e na agricultura.

A UE tem uma das políticas de alterações climáticas mais ambiciosas de qualquer grande economia, tendo aprovado leis para cumprir a sua meta para 2030 de reduzir as emissões líquidas em 55% em relação aos níveis de 1990, o que os analistas dizem ser o mínimo necessário para atingir emissões líquidas zero até 2050.

Por Diana Mandiá / Edição de Gerry Doyle / Reuters