PUBLICIDADE

economia

OCDE melhora perspectiva para economia mundial e para o Brasil em 2020

A econo¬≠mia glob¬≠al parece estar se recu¬≠peran¬≠do do baque provo¬≠ca¬≠do pelo novo coro¬≠n¬≠av√≠rus mais r√°pi¬≠do do que se imag¬≠i¬≠na¬≠va h√° ape¬≠nas alguns meses gra√ßas √† mel¬≠ho¬≠ra nas per¬≠spec¬≠ti¬≠vas para a Chi¬≠na e os Esta¬≠dos Unidos, disse a Orga¬≠ni¬≠za¬≠√ß√£o para a Coop¬≠er¬≠a√ß√£o e Desen¬≠volvi¬≠men¬≠to Econ√īmi¬≠co (OCDE) nes¬≠ta quar¬≠ta-feira (16). 

Para a orga¬≠ni¬≠za¬≠√ß√£o  tam¬≠b√©m mel¬≠horou a per¬≠spec¬≠ti¬≠va para o Brasil em 2020, de acor¬≠do com suas novas pro¬≠je√ß√Ķes.

A econo­mia mundi­al está a cam­in­ho de con­trair 4,5% este ano, disse a OCDE. A esti­ma­ti­va, sem prece­dentes na história recente, rep­re­sen­ta uma mel­ho­ra ante a que­da de 6% pro­je­ta­da em jun­ho.

Des­de que seja evi­ta­do que o vírus se dis­sem­ine sem con­t­role, a econo­mia glob­al voltará a crescer no próx­i­mo ano com uma expan­são de 5%, ante pre­visão em jun­ho de alta de 5,2%, de acor­do com a OCDE.

Entre­tan­to, uma retoma­da mais forte do vírus ou medi­das mais rig­orosas para con­tê-lo podem cor­tar 2 a 3 pon­tos per­centu­ais da pro­jeção para 2021, aler­tou a OCDE.

A orga¬≠ni¬≠za¬≠√ß√£o expli¬≠cou que fez suas esti¬≠ma¬≠ti¬≠vas sob o pres¬≠su¬≠pos¬≠to de que sur¬≠tos locais con¬≠tin¬≠uar√£o e haver√° a√ß√Ķes locais em vez de par¬≠al¬≠isa√ß√Ķes nacionais. Elas tam¬≠b√©m assumem que uma vaci¬≠na n√£o estar√° ampla¬≠mente dispon√≠v¬≠el at√© o final do pr√≥x¬≠i¬≠mo ano.

A OCDE disse que as a√ß√Ķes de gov¬≠er¬≠nos e ban¬≠cos cen¬≠trais para sus¬≠ten¬≠tar as ren¬≠das de fam√≠lias e empre¬≠sas aju¬≠daram a evi¬≠tar con¬≠tra√ß√Ķes piores e devem por¬≠tan¬≠to ser man¬≠ti¬≠das.

A per¬≠spec¬≠ti¬≠va mel¬≠hor para este ano mas¬≠cara grandes difer¬≠en√ßas entre as prin¬≠ci¬≠pais econo¬≠mias, com os Esta¬≠dos Unidos, Chi¬≠na e Europa deven¬≠do ter desem¬≠pen¬≠ho mel¬≠hor do que o esper¬≠a¬≠do enquan¬≠to √ćndia, M√©x¬≠i¬≠co e √Āfrica do Sul podem se sair pior enquan¬≠to lutam para con¬≠ter o v√≠rus.

Ten¬≠do sido o primeiro pa√≠s a exper¬≠i¬≠men¬≠tar o sur¬≠to e depois de agir rap¬≠i¬≠da¬≠mente para con¬≠tro¬≠lar a dis¬≠sem¬≠i¬≠na√ß√£o, a Chi¬≠na deve ser o √ļni¬≠co pa√≠s do G20 de pot√™n¬≠cias econ√īmi¬≠cas a reg¬≠is¬≠trar cresci¬≠men¬≠to este ano, com alta de 1,8%, con¬≠tra pro¬≠je√ß√£o em jun¬≠ho de con¬≠tra√ß√£o de 2,6%.

Por sua vez, a econo­mia dos EUA, maior do mun­do, tam­bém deve ter desem­pen­ho mel­hor este ano com con­tração de 3,8%, con­tra que­da de 7,3% pro­je­ta­da ante­ri­or­mente.

Para o Brasil, a OCDE pro­je­tou con­tração de 6,5% em 2020, 0,9 pon­to per­centu­al a mais do que na esti­ma­ti­va de jun­ho, pre­ven­do que o país crescerá 3,6% em 2021, uma pio­ra de 0,6 pon­to.

PUBLICIDADE