PUBLICIDADE

economia

Depois que oferta de renova√ß√£o da d√≠vida expirar, Argentina diz que continuar√° negociando com credores 

A Argenti­na per­manece aber­ta ao diál­o­go com os cre­dores horas antes do pra­zo até a tarde des­ta sex­ta-feira para que os deten­tores de títu­los con­cor­dem com a pro­pos­ta de reestru­tu­ração do gov­er­no, e reavaliará a situ­ação após a expi­ração da ofer­ta, disse o min­istro da Econo­mia argenti­no, Martín Guzmán.

Sua pro¬≠pos¬≠ta de reestru¬≠tu¬≠rar cer¬≠ca de 65 bil¬≠h√Ķes de d√≥lares em t√≠tu¬≠los sober¬≠a¬≠nos ‚Äúinsus¬≠ten¬≠t√°veis‚ÄĚ vai expi¬≠rar √†s 18 horas do hor√°rio local de Buenos Aires (18h no hor√°rio de Bras√≠lia), sem sinais de um acor¬≠do com os cre¬≠dores ou uma exten¬≠s√£o do pra¬≠zo no hor¬≠i¬≠zonte.

‚ÄúA Argenti¬≠na con¬≠tin¬≠ua aber¬≠ta ao di√°l¬≠o¬≠go‚ÄĚ, disse Guzm√°n em uma men¬≠sagem de tex¬≠to.

‚ÄúAvaliare¬≠mos a situ¬≠a√ß√£o depois que a ofer¬≠ta expi¬≠rar hoje, e con¬≠tin¬≠uare¬≠mos tra¬≠bal¬≠han¬≠do para alcan√ßar a meta de restau¬≠rar a sus¬≠tentabil¬≠i¬≠dade da d√≠vi¬≠da para reer¬≠guer o pa√≠s e esta¬≠b¬≠ele¬≠cer um rela¬≠ciona¬≠men¬≠to sus¬≠ten¬≠t√°v¬≠el, saud√°v¬≠el e duradouro com nos¬≠sos cre¬≠dores‚ÄĚ, disse Guzm√°n.

Alguns grandes acionistas rejeitaram a pro­pos­ta de imposição de grandes cortes nos paga­men­tos dos cupons, um adi­a­men­to de três anos nos paga­men­tos da Argenti­na e um adi­a­men­to dos venci­men­tos para a próx­i­ma déca­da. A ofer­ta foi divul­ga­da em mea­d­os do mês pas­sa­do.

‚ÄúClara¬≠mente, pre¬≠cisa haver algum al√≠vio ini¬≠cial do fluxo de caixa, mas isso n√£o nec¬≠es¬≠sari¬≠a¬≠mente racional¬≠iza tr√™s anos sem paga¬≠men¬≠tos‚ÄĚ, disse Siob¬≠han Mor¬≠den, chefe de estrat√©¬≠gia de ren¬≠da fixa da Am√©ri¬≠ca Lati¬≠na na Amherst Pier¬≠pont Secu¬≠ri¬≠ties, em uma nota des¬≠ta sex¬≠ta-feira.

Se os cre¬≠dores tiverem ideias que mel¬≠hor lhes con¬≠v√™m, respei¬≠tan¬≠do as restri√ß√Ķes que a Argenti¬≠na enfrenta, Guzm√°n disse, em men¬≠sagem de tex¬≠to, que ‚Äúesta¬≠mos pron¬≠tos para ouvir‚ÄĚ.

‚ÄúQual¬≠quer com¬≠bi¬≠na√ß√£o de redu√ß√£o de juros, per√≠o¬≠do de car√™n¬≠cia e exten¬≠s√£o de venci¬≠men¬≠tos que este¬≠ja alin¬≠ha¬≠da com as an√°lis¬≠es de sus¬≠tentabil¬≠i¬≠dade da d√≠vi¬≠da do gov¬≠er¬≠no da Argenti¬≠na e do FMI ser√° con¬≠sid¬≠er¬≠a¬≠da‚ÄĚ, disse Guzm√°n.

A ren­o­vação dos títu­los faz parte de uma ampla reestru­tu­ração da dívi­da da Argenti­na com os cre­dores, incluin­do o Fun­do Mon­etário Inter­na­cional e o Clube de Paris.

O gov¬≠er¬≠no argenti¬≠no diz que sua capaci¬≠dade de pagar os cre¬≠dores √© extrema¬≠mente lim¬≠i¬≠ta¬≠da, pois a Argenti¬≠na j√° esta¬≠va em recess√£o antes das par¬≠al¬≠isa√ß√Ķes dev¬≠i¬≠do √† a pan¬≠demia de coro¬≠n¬≠av√≠rus, em 20 de mar√ßo. Des¬≠de ent√£o, a econo¬≠mia foi mas¬≠sacra¬≠da.

Por Hugh Bron¬≠stein / BUENOS AIRES (Reuters)

PUBLICIDADE