2.0 // dossiê2.4 // política

Chapa indefinida e facadas durante a campanha. O que esperar da corrida eleitoral em 2018

Por Daniel Toledo

De algum tempo para cá, ao analisar o cenário atual do Brasil, percebi algo que talvez seja nítido para muitas pessoas: dentro do país existe uma espécie de divisão de ódio político.

Isso me preocupa bastante porque, em um momento de crise, se espera que a população esteja unida, que as pessoas se entendam melhor e se compreendam para se pensar em uma solução que atenda a todos. E o que tivemos no começo do feriado prolongado? Um candidato a presidência esfaqueado enquanto fazia campanha.

Uma enorme parte dos brasileiros é assim. Quando não aceita algo ou não concorda, quer destruir. Não pensa em consequência e muitas vezes se esconde na multidão jogando sujo e prostituindo seu próprio caráter, afinal a vontade de aniquilar aquele que se destaca mais do que o outro supera qualquer valor.

A facada do Bolsonaro só traz à tona o que eu venho alertando há muito tempo. Brasileiros que trazem em si este sentimento horrível, que vivem para eliminar qualquer coisa que passe pelo seu caminho e ofusque um pouco seu brilho e dai partem para as mentiras, fakenews… facadas! Para esses, vale tudo no jogo sujo. Reflita se, por algumas vezes, não estamos no meio dessa partida desleal e de cartas marcadas.

Enquanto não houver uma solução política geral, o rico pode sim ficar menos rico, e o pobre pode ficar ainda mais pobre. Se as pessoas não se unirem para um bem e um resultado comum, as mudanças não irão acontecer. O que ocorre no Brasil é um grande desconhecimento político e econômico por parte da população. Vejo pessoas falando cada vez mais besteira, muita gente sem uma base de estudos opinando sobre assuntos sociopolíticos.

Lembro de um vídeo que assisti do professor Leandro Karnal, onde ele cita que depois que inventaram as redes sociais todos se acham no direito de postar opiniões como se fossem doutores. Isso acontece diariamente, não só em relação à política. A gente vê muitos posts e mensagens sem qualquer conhecimento específico ou técnico, mas unicamente com o intuito de transmitir opiniões para influenciar o próximo.

Pensando em todo o momento pelo qual o Brasil se encontra, quero trazer uma informação: a Eurásia é uma empresa independente e uma das maiores do mundo em consultoria e auditoria política com base em diversos países. Seu serviço é realizar uma análise muito fria e criteriosa da economia e da política de determinadas nações em cenários diversos. Os bancos, grandes investidores do mundo, contratam essa consultoria para fazer uma análise de risco político em diferentes localidades, com base nisso, os investidores decidem se vão investir ou não. Às vezes, uma análise ruim não descarta o investimento porque pode ser um especulador, lembrem disso!

A Eurásia publicou, no começo de agosto, um relatório que afirma que mesmo o Lula sendo vetado pelo poder judiciário brasileiro, ele tem grande chance de ir para o segundo turno se ele for candidato. A lei da ficha limpa diz que ele está inelegível, mas me perdoem alguns especialistas no assunto, coisa que não sou, mas a mesma lei da ficha limpa não diz nada sobre eleger-se e candidatar-se.

Ele poderia sim se candidatar, tanto que o PT o lançou como candidato, cujo vice é o Fernando Haddad. Quem imaginava que este lançamento não poderia acontecer, estava enganado. Mas vale lembrar que ele pode não ser elegível, mas talvez ainda possa ser candidato. E graças a isso, foram impressos materiais de campanha o que confunde ainda mais a cabeça do eleitor.

É possível notar que a maior empresa de análise política do mundo não confia no judiciário brasileiro? Como é que um investidor sério vai confiar? Isso é um desafio ao poder judiciário. Por que? Alguém desafia aquilo que teme? Então Lula não teme o judiciário? Nem ele, nem o PT, nem seus seguidores e essa indefinição no cenário político é um convite ao caos e ainda, a sigla recorreu à ONU o que só colabora para piorar a imagem do pais.

Entendo o desespero e a preocupação de muitas pessoas, e percebo que hoje talvez por esse ódio que eu comecei falando, por essa obsessão, esses polos direita x esquerda, as pessoas estão tão cegas que não conseguem perceber que existe uma articulação sendo feita no background.

É tempo de parar para pensar e reavaliar nossas posições e ações. O cenário político brasileiro passa por grandes problemas, discursos de ódio e intolerância. Como cidadãos, devemos pensar no coletivo e entender que as mudanças acontecem a partir da gente.

 

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista