PUBLICIDADE

moeda

Banco Central anuncia lançamento da nota de R$ 200

A par­tir do fim de agos­to, os brasileiros poderão cir­cu­lar com um novo tipo de cédu­la. O Con­sel­ho Mon­etário Nacional (CMN) aprovou hoje (29) a cri­ação da nota de R$ 200.

A c√©du¬≠la ter√° como per¬≠son¬≠agem o lobo-guar√°, esp√©¬≠cie que ficou em ter¬≠ceiro lugar em uma pesquisa real¬≠iza¬≠da pelo BC sobre quais ani¬≠mais em extin√ß√£o dev¬≠e¬≠ri¬≠am ser rep¬≠re¬≠sen¬≠tadas em novas c√©du¬≠las. O an√ļn¬≠cio foi feito pelo Ban¬≠co Cen¬≠tral (BC), que con¬≠vo¬≠cou uma entre¬≠vista cole¬≠ti¬≠va para apre¬≠sen¬≠tar a nova nota.

A dire¬≠to¬≠ra de admin¬≠is¬≠tra√ß√£o do Ban¬≠co Cen¬≠tral, Car¬≠oli¬≠na de Assis Bar¬≠ros, disse que o lan√ßa¬≠men¬≠to da nova nota √© uma for¬≠ma de a insti¬≠tu¬≠i√ß√£o agir pre¬≠ven¬≠ti¬≠va¬≠mente para a pos¬≠si¬≠bil¬≠i¬≠dade de aumen¬≠to da deman¬≠da da pop¬≠u¬≠la√ß√£o por papel moe¬≠da.

Segun¬≠do o BC, entre mar√ßo e jul¬≠ho deste ano, um dos efeitos econ√īmi¬≠cos da pan¬≠demia de covid-19 foi o aumen¬≠to de R$ 61 bil¬≠h√Ķes no ente¬≠soura¬≠men¬≠to de moe¬≠da, ou seja, notas que deixaram de cir¬≠cu¬≠lar porque a pop¬≠u¬≠la√ß√£o deixou o din¬≠heiro em casa.

De acor­do com a dire­to­ra, não há fal­ta de numerário no mer­ca­do, mas o BC entende que o momen­to é opor­tuno para o lança­men­to da nova cédu­la diante da pos­si­bil­i­dade de aumen­to na deman­da.

‚ÄúEsta¬≠mos viven¬≠do neste momen¬≠to um per√≠o¬≠do de ente¬≠soura¬≠men¬≠to, efeito deriva¬≠do da pan¬≠demia. O Ban¬≠co Cen¬≠tral nesse momen¬≠to n√£o con¬≠segue pre¬≠cis¬≠ar por quan¬≠to tem¬≠po os efeitos do ente¬≠soura¬≠men¬≠to devem per¬≠du¬≠rar‚ÄĚ, disse a dire¬≠to¬≠ra.

Em entre¬≠vista cole¬≠ti¬≠va, Car¬≠oli¬≠na tam¬≠b√©m afir¬≠mou que a imagem da nota de R$ 200 ain¬≠da n√£o est√° dispon√≠v¬≠el porque est√° na fase final de testes de impress√£o. O lan√ßa¬≠men¬≠to est√° pre¬≠vis¬≠to para o final de agos¬≠to deste ano.

Segun¬≠do o BC, a tiragem em 2020 ser√° de 450 mil¬≠h√Ķes de unidades, equiv¬≠a¬≠lentes a R$ 90 bil¬≠h√Ķes.

Edição: Well­ton Máx­i­mo e Lílian Beraldo/AB

PUBLICIDADE