PUBLICIDADE

Mercado

GWM cita medidas do governo e adia fábrica no Brasil para 2º semestre

A montadora chinesa GWM adiou a inauguração de sua fábrica em Iracemápolis, no Estado de São Paulo, prevista para maio, citando medidas recentes do governo federal, e passou a prever o lançamento da nova planta no segundo semestre deste ano.

Segundo a fabricante de veículos elétricos, o adiamento ocorreu devido ao retorno gradual do Imposto de Importação para veículos eletrificados e híbridos, que teve início em janeiro deste ano, e ao anúncio do programa automotivo Mover, que tem como meta incentivar a produção local de veículos com menor emissão de poluentes.

A GWM do Brasil informou que precisou “fazer um ajuste” com relação à data de inauguração. No ano passado, após lançar seu primeiro carro totalmente elétrico no Brasil, o Ora 03, a montadora anunciou investimentos de R$ 10 bilhões, dos quais R$ 6 bilhões em três anos, até 2025.

A companhia adquiriu a fábrica de carros da Mercedes-Benz em Iracemápolis em 2021 e esperava começar a produzir este ano uma picape elétrica ainda não lançada pela marca.

“Adiantamos a produção de um SUV urbano da linha Haval, de maior volume do que a picape, que será o lançamento seguinte”, acrescentou. “Tudo continua igual. Valores e produtos. Só mudamos a ordem por causa das mudanças do governo: primeiro SUV, depois a picape.”

A fábrica de Iracemápolis terá capacidade de produção de 100 mil unidades por ano ao final do processo de modernização da planta, segundo dados da montadora, e deve gerar cerca de 2 mil empregos depois que estiver operando em plena capacidade.

Por Forbes