entretenimentotecnologia

Smartphones tem queda nas vendas pela primeira vez

Soem os alarmes: os smartphones estão perdendo a força que tinham. Ao que uma recente pesquisa feita pela Gartner indica, o último trimestre de 2017 marcou a primeira vez em que o mercado desses aparelhos não cresceu em vendas. No lugar disso, ele chegou a encolher: foram aproximadamente 408 milhões de dispositivos vendidos nesse período – 5,6% menos do que no mesmo período do ano anterior.

Os números são bastante preocupantes, considerando que a companhia vem acompanhando o crescimento do mercado de smartphones desde 2004. Além disso, o último trimestre do ano costuma ser aquele a mostrar os melhores números, visto que as várias festividades costumam dar um impulso e tanto nas vendas.

Trocar de celular? Para quê?

Qual o motivo por traz da queda? São vários deles, na verdade. Para começar, a falta de smartphones de qualidade na faixa de preço mais baixa fez com que o público de menor renda investisse em feature phones de maior qualidade. Aqueles que já possuíam smartphones, por sua vez, estão fazendo o upgrade de seus modelos para versões mais poderosas e ficando com eles por mais tempo.

Não ajuda, claro, o fato de o público não estar exatamente impressionado com as novidades apresentadas nos smartphones mais recentes. Afinal, é cada vez mais difícil anunciar novas características nos aparelhos que nos surpreendam ou que realmente diferenciem os celulares de seus competidores (e muitas vezes até de seus antecessores no mercado).

Outro ponto apontado por eles vem com a própria queda nas vendas de aparelhos da Apple. Por culpa do alto preço do iPhone X e a falta de novidades do iPhone 8, a empresa gerou menor interesse do público e acabou por vender menos do que o esperado – e visto que a Maçã costuma estar no topo das vendas a cada ano, algo assim tende a afetar a indústria com força.

Vale notar que essa não é bem a primeira vez em que algo assim ocorre com algum eletrônico. Os tablets, por exemplo, foram um estouro em seus primeiros anos, mas sofreram da mesma falta de interesse de atualização pelo público e acabaram por passar por uma queda vertiginosa. Torçamos que esse não seja o caso dos smartphones.

Fonte: TecMundo

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista