PUBLICIDADE

política

Presidente deve depor à PGR por escrito em processo de Moro

O procu¬≠rador-ger¬≠al da Rep√ļbli¬≠ca, Augus¬≠to Aras, deve inter¬≠rog¬≠ar, por escrito, o pres¬≠i¬≠dente da Rep√ļbli¬≠ca, Jair Bol¬≠sonaro, no inqu√©ri¬≠to que apu¬≠ra as acusa√ß√Ķes feitas pelo ex-min¬≠istro da Justi√ßa Ser¬≠gio Moro, quan¬≠to a inter¬≠fer¬≠√™n¬≠cia sofri¬≠da no coman¬≠do da Pol√≠¬≠cia Fed¬≠er¬≠al. A infor¬≠ma√ß√£o foi divul¬≠ga¬≠da pela Reuters, que pro¬≠je¬≠ta esse fato acon¬≠te¬≠cer nos √ļlti¬≠mos per√≠o¬≠dos em que o proces¬≠so este¬≠ja sendo anal¬≠isa¬≠do.

Essa a√ß√£o ser√° embasa¬≠da com o que pre¬≠v√™ o C√≥di¬≠go de Proces¬≠so Penal, segun¬≠do a qual o pres¬≠i¬≠dente da Rep√ļbli¬≠ca ‚Äďpela pre¬≠rrog¬≠a¬≠ti¬≠va do car¬≠go‚Äď pode ser ques¬≠tion¬≠a¬≠do por escrito e respon¬≠der tam¬≠b√©m por escrito.

Segun­do depoi­men­to dado por Moro, em reunião min­is­te­r­i­al do dia 22 de abril, o pres­i­dente ten­tou inter­ferir em todos os min­istérios e, recomen­dou tro­car o super­in­ten­dente da PF no Rio, caso con­trário, tro­caria o dire­tor-ger­al da cor­po­ração e o próprio min­istro da Justiça. Dois dias depois, Moro pediu demis­são do car­go.

O min­istro do STF Cel­so de Mel­lo, rela­tor do caso, ain­da não decid­iu sobre a divul­gação do vídeo da reunião min­is­te­r­i­al, apon­ta­do como uma impor­tante pro­va da apu­ração. Nesse perío­do, out­ros depoi­men­tos estão sendo col­hi­dos, para inte­grar o inquéri­to.

A defe­sa de Moro defende a divul­gação na ínte­gra do mate­r­i­al, enquan­to a PGR e a Advo­ca­cia-Ger­al da União (AGU) querem a apre­sen­tação de uma ver­são edi­ta­da da gravação.

Foto: Divul­gação

PUBLICIDADE